Por outros imaginários sociotécnicos

[Texto originalmente publicado na revista Observatório Itaú Cultural, n.28 para dossiê sobre Cultura, Artes e Pandemia]

As tecnologias de todos os tipos são moldadas por contextos históricos, sociais e ideológicos. Não existem tecnologias neutras implementadas em vácuos sociais assépticos: a própria ausência ou presença de um artefato abre ou restringe possibilidades e usos. As tecnologias hegemônicas implementadas em um mundo absurdamente desigual, fruto da interseção da supremacia branca, patriarcado e colonialismo tendem a ser suas reprodutoras. A crise de um mundo em aparente suspensão na pandemia nos faz perguntar: há um futuro melhor pós-pandemia com os aprendizados que podemos acumular?

Um trabalho duro e focado em prol da transformação social é tanto uma questão de economia, política e ativismo quanto o é de construção de imaginários. Aquelas são questões que vão muito além do que pensamos ser o escopo da materialidade da tecnologia ou da ciência. São questões que tratam do que somos capazes de imaginar sobre o possível, o impossível e o desejável.

Provavelmente devemos deixar de lado a ideia de uma lança cortante em direção a um futuro único e com mais e mais progresso através do domínio e subjugação da natureza. Essa ficção ideológica subjaz as sociedades industriais e pós-industriais do capitalismo ocidental. Ela moldou como a ciência e como a arte pensam o próprio passado: um dos cortes mais memoráveis do cinema faz o espectador ligar a descoberta primitiva do uso de um osso como porrete, a suposta gênese da tecnologia, à nave espacial desbravadora do universo, suposto zênite tecnológico da humanidade.

Mas há outras narrativas e abordagens sobre a gênese da tecnologia. A partir dos estudos da antropóloga Elizabeth Fisher, a escritora de ficção científica Ursula K. Le Guin nos ensina que uma tecnologia essencial para a construção da sociedade foi subestimada nos modos hegemônicos de contar a história da humanidade e as estórias dos humanos. Le Guin lembra que “com ou antes da ferramenta que projeta energia, fizemos a ferramenta que traz energia para casa” (LE GUIN, 2017, pos. 2985) – e esta ferramenta é a aparentemente prosaica sacola.

O recipiente, o container e demais objetos para guardar e compartilhar marcaram um momento em que os seres humanos desenvolveram uma relação mais criativa com o tempo e consigo mesmos. As jornadas dos heróis individualistas, porém, historicamente não tiveram espaço para a centralidade destes artefatos. Se a contação de histórias, o storytelling nos discursos anglicistas, é linear com um fio narrativo que emula lanças ou flechas, só temos espaços para a histórica única, um perigo que nos alerta também a Chimamanda Adichie (2019), onde não há espaços para olhares feministas, africanos, indígenas, afrodiaspóricos, decoloniais da tecnologia.

Jurema Werneck concorda ao lembrar que a criação de satélites deslumbra, mas tecnologias de armazenamento, compartilhamento e transporte de alimentos e bens, foram invenções de mulheres na África nos passos essenciais de construção da humanidade (WERNECK, 2019). Mas enviar carros para a órbita ganha mais capas de jornais do que experiências inovadoras de segurança alimentar ou autogestão de comunidades periféricas. 

Precisamos falar do que conseguimos, enquanto sociedades, imaginar de soluções para o presente e o futuro sobre a relação entre tecnologia e sociedade. Evoco aqui a ideia de imaginários sociotécnicos, que são “visões de futuros desejáveis mantidas coletivamente, estabilizadas institucionalmente e publicamente performadas, incentivadas por compreensões compartilhadas de formas de ordem e vida social alcançáveis por e apoiadoras de avanços na ciência e tecnologia” (JASANOFF, 2015, p.19)

E quais são os imaginários sociotécnicos hegemônicos na sociedade brasileira? E para além disto: quais são os imaginários sociotécnicos “importados” nas tecnologias e ideologias dos outros países e culturas que vemos como referência de onde importamos tanto as tecnologias materiais quanto as epistemologias na produção de artefatos? O poeta e pesquisador Amiri Baraka faz uma contundente crítica às tecnologias ocidentais em seus projetos de moldar o mundo à suas próprias reproduções. Não são neutras pois poderiam ter seguido outros caminhos, outros modos de interação com o humano. Se olharmos para as formas das coisas e também para as dinâmicas sociais e culturais da tecnologia para além de tais formas, poderemos nos libertar de seu falso determinismo. Baraka nos lembra que a pólvora nasceu para fins medicinais, se transformou em beleza nos fogos de artifício na China, mas se globalizou como uma ferramenta da violência. Nos pede então que questionemos “o que as máquinas produzirão? O que alcançarão? Qual será sua moralidade? (BARAKA, 1965, p.158).

 Infelizmente, os dados históricos e movimentações mostram que Brasil e EUA se irmanam no que Ruha Benjamin chamou de “imaginação carcerária da tecnologia”. Para Benjamin, precisamos treinar nosso olhar para entender o desenvolvimento tecnocientífico para além da superfície material, observar e mapear “quem e o que é fixado no mesmo lugar – classificado, encurralado e/ou coagido, para permitir a inovação” (BENJAMIN, 2020, p.20). As tecnologias de rastreamento e controle dos cidadãos no espaço público e privado já estavam em crescimento, como mostram dados sobre o reconhecimento facial para policiamento e a profusão de erros técnicos, morais e legais (NUNES, 2019) mas a pandemia é usada como oportunidade para avançar a normalização desta e de outras tecnologias que promovem a restrição e o autoritarismo.

Tecnologias do social como plataformas de compartilhamento, do valor do comum no creative commons, do associativismo digital, movimento wiki e afins resistem para além do que recebe visibilidade nos oligopólios da tecnologia digital do Vale do Silício. O desencanto com a globalização tem muito a ver com essa distinção. Se os entusiastas da internet, das línguas e do transporte globalizados sonharam com os benefícios das trocas em redes massivas, não levaram em conta a dinâmica de conexão preferencial que seguiu a tendência do capital (o financeiro e o social) para acumulação e desigualdade. O coletivismo irmana abordagens feministas e afrofuturistas sobre a tecnologia em prol de projetos igualitários, diametralmente contra a lógica individualista da cultura de startup onde o winner takes all nada tem de meritocracia, apenas reprodução da capacidade de dumping dos mercados financeiros em projetos de automatização de desigualdades para concentração de capital através de aplicativos e plataformas.

Imaginários tratam tanto das lentes usadas para interpretar fenômenos e ações presentes – considerando interpretações do passado – quanto na definição de horizontes de possibilidades. Tecnologia vai muito além de dispositivos digitais. Falar de imaginários é falar também de inspirações e retroalimentações estéticas, afetivas e sociais como o afrofuturismo visto “como um mecanismo para focar discurso substanciador em táticas de produção como design especulativo estende as fronteiras das soluções plausíveis através do engajamento” (WINCHESTER III, 2019, p.56) efetivo com quem produz, usa, inventa e reapropria as tecnologias.

Uma proposição do afrofuturismo como ligada a desenhos e produção liberatórias, como design centrado no humano, inclusividade, frameworks anti-opressivos por padrão e intenção, além da ideação de artefatos pelas comunidades (WINCHESTER III, 2019) aproxima as iniciativas dos aprendizados paradoxais das periferias locais e mundiais. De comunidades periféricas brasileiras como Paraisópolis que já usava tecnologias afetivas, digitais (como vaquinhas online e mapeamentos alternativos do espaço urbano) e políticas em seus “presidentes de rua”, responsáveis por cuidar de grupos de famílias de modo distribuído, a aplicativos como o Market Garden que conecta pequenas feirantes e agricultoras a consumidoras no interior de Uganda, as rápidas e criativas inovações com impacto na proteção de vidas não serão vistas através dos valores de high tech ou disrupção dos grandes eventos de tecnologia. Estarão mais próximas das estórias  que nos dizem “o que as pessoas fazem e sentem, como as pessoas se relacionam com tudo o mais neste amplo e vasto recipiente, esta barriga do universo, este útero das coisas que foram, esta estória contínua” (LE GUIN, 2017, pos.3043) do comum, das pessoas comuns. Se rejeitarmos a centralidade do herói único, do conflito e da competição nas estórias que contamos sobre as tecnologias e o futuro, podemos pensar em um novo normal que dê o devido valor à solidariedade que reinventou tecnologias e redes durante a pandemia.

Fins do mundo já existiram em demasia para diferentes povos, como nos mostram as experiências da Porta do Não Retorno e o sequestro genocida através do Atlântico e nas Américas, que construíram a base cumulativa de valor que hoje desemboca nos oligopólios da tecnologia digital através do capital financeiro. Aílton Krenak, ao falar do fetiche ocidental sobre a ideia de fim do mundo, diz que se preocupa é com os brancos, uma vez que aprendeu “diferentes manobras que os nossos antepassados fizeram e me alimentei delas, da criatividade e da poesia que inspirou a resistência” (KRENAK, 2019, pos.135). Durante e pós-pandemia, nossos futuros possíveis mais igualitários estão pendentes fundamentalmente nas alianças globais que reconheçam e se inspirem no fato de que “as comunidades mais vulneráveis, de novo e de novo, por gerações, ao longo de centenas de anos, criaram beleza e resiliência na vida repetidamente” (NELSON, 2020, s.p.).

Finalizo a redação deste texto no dia em que mais um foguete de parceria público-privada dos EUA decola, alimentando a fantasia de colonização de outros planetas por um bilionário que defendeu o fim do isolamento social quando mais de 300 mil pessoas já estavam mortas pelo COVID-19 – para que suas fábricas de carro voltassem a funcionar. Não é a imaginação dos bilionários que permitirá a inovação em prol da diminuição das desigualdades. E não é o imaginário sociotécnico cartesiano, eurocêntrico, colonial e capitalista que nos salvará enquanto humanos.

Como citar?

SILVA, Tarcizio. Por outros imaginários sociotécnicos no novo normal. Revista Observatório Itaú Cultural, n.28, 2020, pp.37-41.

Referências

ADICHIE, Chimamanda. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

BARAKA, Imamu Amiri. Technology & Ethos. Raise, Race, Rays, Raze: Essays Since 1965, p. 155-158, 1965.

BENJAMIN, Ruha. Retomando nosso fôlego: Estudos de Ciência e Tecnologia, Teoria Racial Crítica e a imaginação carcerária. In: SILVA, Tarcízio. Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos. São Paulo: LiteraRUA, 2020.

JASANOFF, Sheila. Future Imperfect: Science, Technology, and the Imaginations of Modernity. In: JASANOFF, Sheila; KIM, Sang-Hyun (orgs.). Dreamscapes of modernity: sociotechnical imaginaries and the fabrication of power. Chicago (EUA): The University of Chicago Press, 2015.

LE GUIN, Ursula K. Dancing at the Edge of the Worlds: Thoughts on Words, Women, Places. Open Road+Grove/Atlantic, 2017.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2019.

NELSON, Alondra. Coronavirus Crisis And Afrofuturism: A Way To Envision What’s Possible Despite Injustice And Hardship. Entrevista concedida a Tonya Mosley, 04 de maio de 2020. Disponível em https://www.wbur.org/hereandnow/2020/05/01/afrofuturism-coronavirus

NUNES, Pablo. Maioria dos presos por reconhecimento facial são negros. Intercept, 21 de novembro de 2019. Disponível em https://theintercept.com/2019/11/21/presos-monitoramento-facial-brasil-negros/

WERNECK, Jurema. Entrevista ao Olabi – Encontro Mulheres Negras Pautando o Futuro. 2019. Disponível em https://www.facebook.com/olabimakerspace/videos/1972206733088143/

WINCHESTER III, Woodrow W. Engaging the Black Ethos: Afrofuturism as a Design Lens for Inclusive Technological Innovation. Journal of Futures Studies, 24(2), 2019.


Humor racista e resistência na mídia social brasileira – entrevista com Luiz Valério P. Trindade

O livro No Laughing Matter: Race Joking and Resistance in Brazilian Social Media foi recentemente lançado por Luiz Valério P. Trindade, doutor pela Univ. de Southampton, pela editora Vernon Press.

A pesquisa investiga o fenômeno social da construção e disseminação de discursos racistas coloniais contra mulheres negras em ascenção através do humor pejorativo nas mídias sociais. No livro, Luiz Valério P. Trindade adota numa perspectiva inovadora, explorando de forma complexa as camadas do que é visto como humor e revela as camadas das ideologias coloniais que permanecem no Brasil. A publicação do livro é de interesse especial pois vai contra ideias ainda promovidas de excepcionalismo e democracia racial no país.

Tive o imenso prazer e honra de escrever o prefácio, que pode ser baixado com a introdução e sumário. Quem conferiu nossa última coletânea teve a oportunidade de ler o Luiz Valério P. Trindade em português através do capítulo Mídias Sociais e a naturalização de discursos racistas no Brasil.

Gentilmente, o prof. Luiz Valério P. Trindade cedeu uma entrevista exclusiva para o blog! Leiam a seguir as respostas à questões desenhadas especialmente para cá:

Tarcízio Silva: Como o humor racista pode ser visto como uma performance da branquitude nas mídias sociais?

Luiz Valério P. Trindade: A disciplina estudo crítico de humor ainda é relativamente incipiente no Brasil e mais ainda no que diz respeito ao estudo do humor de cunho racista, enquanto nos EUA e Inglaterra se estuda este tema deste os anos 1960-70. Já no Brasil, Os principais trabalhos nesta área surgem a partir dos anos 1990 e tem adquirido mais corpo nos últimos 10 anos aproximadamente; e minha pesquisa de doutorado se insere neste cenário.

Contudo, um aspecto comum nos estudos desta disciplina consiste na característica ambígua do humor de cunho depreciativo. Ou seja, como o humor consiste em uma forma de comunicação socialmente aceita em grande parte das interações sociais, isso permite que muitas pessoas transmitam ideologias racistas e preconceituosas sem parecer flagrantemente racistas, xenófobas, intolerantes, etc. Afinal de contas, de acordo com seu ponto de vista, tudo não passa de uma ‘brincadeirinha’.

Sendo assim, para dar um exemplo ilustrativo, quando um humorista usa o Twitter para se referir a uma parlamentar negra e nordestina com uma piada do tipo “pensei que fosse a tia do café”, ele está transmitindo uma série de ideologias preconceituosas. Porém, como seu tuite provoca o riso coletivo, nem todo mundo consegue perceber o que está embutido ali. Acontece que este tipo de piada embute uma ideia de deslegitimização do papel social exercido por aquela mulher negra (Como assim? Ela é uma parlamentar?). Transmite também um estranhamento com relação à sua presença naquele espaço social historicamente dominado por homens brancos de classe média. Por fim, traz também um preconceito com relação ao seu lugar de origem. Ou seja, por ser uma mulher nordestina, é esperado que ela se engaje em profissões de pouca qualificação formal como, por exemplo, copeira.

Portanto, todos estes aspectos representam facetas da ideologia do branqueamento profundamente arraigadas no imaginário coletivo brasileiro, a qual normaliza uma série de atributos positivos a pessoas brancas e, em contrapartida, negativos e subalternos a pessoas negras. E o humor racista permite que se reforce e disseminem estas percepções de forma aberta nas redes sociais, porém, geralmente livre de críticas já que são encaradas como ‘brincadeirinhas’.

TS: As categorias encadeadoras de movimentações racistas online que você descobriu estão em sua maioria ligadas a marcadores de distinção exibidos nas mídias sociais. Essa descoberta parece ser outro indicador da fragilidade do conceito de “filtros bolha”, ainda tão em voga?

LVPT: Não vejo tanto o fenômeno da construção e disseminação de discursos racistas nas redes sociais sob o prisma de ‘filtros bolha’ como cunhado por Eli Pariser. Na verdade, o que observo em meus estudos é a manifestação do que se chama de ‘câmara de eco’, no sentido de que a disseminação de conteúdos racistas e depreciativos atrai inúmeras pessoas com pensamentos e ideologias convergentes e, por consequência, as redes sociais facilitam a amplificação do alcance de discursos desta natureza. Como esta tecnologia digital atua através de poderosas conexões entre seus usuários (os chamados nós das redes sociais) que crescem em proporções exponenciais, isso contribui para a rápida e instantânea disseminação do conteúdo (ou como se diz, popularmente, a viralização).

TS: Sua pesquisa inspirou movimentações de cobrança às plataformas de mídias sociais no Brasil. Inclusive sobre o Twitter, onde o discurso de ódio racista motivou relatórios até da Anistia Internacional. Como você vê as particularidades do ambiente em relação ao Facebook?

LVPT: Naturalmente que o Twitter e o Facebook possuem suas especificidades no que diz respeito à experiência de interação do usuário com a plataforma. No entanto, em se tratando de construção e disseminação de discursos racistas, não vejo muitas diferenças substanciais entre elas. Isso porque ambas capacitam os usuários defensores de ideologias supremacistas, xenófobas, etc. disseminarem conteúdos desta natureza de uma forma instantânea e ampla.

Além disso, é importante salientar também que, invariavelmente, este tipo de conteúdo transita através de diferentes plataformas. Ou seja, um usuário pode começar um ataque racista contra alguém, por exemplo, no Facebook e, muito rapidamente, aquele mesmo conteúdo pode estar circulando pelo Twitter, Instagram, WhatsApp e assim por diante.

Por fim, meus estudos revelaram também que conteúdos de cunho racistas podem, eventualmente, continuar a engajar usuários (tanto novos como recorrentes) por até três anos após a publicação original do post. Em outras palavras, discursos racistas transmitidos pelas redes sociais não se tornam ‘jornal do dia anterior’, o qual se utiliza somente para embrulhar peixe na feira. Pelo contrário, sua ‘vida útil’, por assim dizer, pode ser muito longa. A consequência desse fenômeno é a amplificação do impacto negativo daquele conteúdo racista e depreciativo na vida da pessoa que foi objeto do ataque (mesmo que ele tenha sido proferido na forma de piada).

TS: Considerando que a interface entre racismo/antirracismo, internet e tecnologias é um universo de pesquisa ainda – relativamente – pouco explorado pela perspectiva negra, quais boas questões você recomendaria para os pesquisadores em formação que acompanham o blog?

LVPT: Bem, as redes sociais ainda constituem uma tecnologia digital relativamente nova com menos de duas décadas de existência (ex.: o Facebook foi fundado em 2004 e o Twitter em 2006). Sendo assim, o campo de possibilidades de estudos é ainda bastante vasto e repleto de possibilidades. Em termos metodológicos, por exemplo, considero importante o desenvolvimento de mais estudos qualitativos que nos ajudem a compreender por que os fenômenos ocorrem de determinada forma. O que está embutido neles. Quais as motivações ideológicas por trás deles. Não quero com isso descartar ou minimizar a importância e validade de estudos de cunho quantitativo, mas sim sugerir uma abordagem que nem sempre tem sido suficientemente explorada. Recentemente tive conhecimento também de um novo campo de estudo chamado ‘black Twitter’ que me pareceu muito interessante e promissor.

Por fim, sugiro também que procurem explorar o fenômeno dos chamados bots nas redes sociais e seu impacto em regimes democráticos. Este tema veio à tona com muita força nas eleições presidenciais no Brasil em 2018 e também nos EUA. Já foram publicados estudos muito interessantes a este respeito, mas, até onde sei, a maioria em inglês. Portanto, ainda há bastante espeço para publicações e estudos em português explorando o fenômeno sob o contexto/realidade brasileira.

Acompanhem o trabalho do prof. Luiz Valério P. Trindade no Academia.edu, YouTube e Scholar

Emicida, tecnologias africanas, redes sociais e tambores

Como sabemos, Emicida é rapper, compositor, cantor, empresário e inovador de sucesso. Recentemente lançou também a antologia inspirada na mixtape “Pra quem já mordeu um cachorro por comida, até que eu cheguei longe…” reunindo textos e ilustrações de dezenas de pensadores e artistas brasileiros. Não seria surpresa, então, todo seu conhecimento sobre tecnologia e sociedade presente em suas músicas.

É o que vemos aqui também em formato de ensaio. Emicida gentilmente topou o desafio de escrever o prefácio do livro Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos que acabamos de lançar. Leia a seguir:

Há alguns anos, enquanto viajávamos por países do continente africano, fui surpreendido por uma pessoa que trabalhava em nosso projeto que após dividir algumas ideias, me questionou com a seguinte sentença: “Mas o que é que África tem a ver com tecnologia?”.

Me recordei naquele momento, das primeiras páginas de “Entre o Mundo e Eu” onde Ta-nehisi Coates discorre sobre a distância entre as realidades dele e da jornalista branca com quem dialogava na TV: ela parecia estar mais longe do que o satélite que os transmitiam ao vivo para o mundo todo.

Oras, se a essência das redes sociais é a conectividade, está para nascer uma que cumpra seu papel com mais eficácia do que um tambor. Sentar-se em círculos, ouvir histórias (principalmente) dos que vieram antes e extrair os melhores sentimentos dos participantes, ressaltando como a escuta é valiosa, me parece estar anos-luz à frente do mais promissor sonho de funcionalidades facebookianas de Mark Zuckerberg.

É importante admirar o admirável e para tal, é fundamental que nossas lentes estejam limpas e não sabotem essa característica tão poderosa da capacidade humana. Culturas são lentes, é por elas que percebemos o mundo.

Tecnologia, storytelling, minimalismo e ideias que visam ampliar a percepção do que significa ser humano, não podem ser vendidas no século XXI como “invenções do vale do silício”. Ainda mais para quem criou a Tábua de Ifá, a Ayurveda, as 5 orientações de gênero de alguns povos ameríndios ou a força das Mulheres Macuas. Como diria Paulina Chiziane, “às vezes sinto que nos oferecem algo que já era nosso antes deles chegarem”. Nootrópicos vieram milênios depois do Ginseng.

Tudo o que sabemos (ou o que o hemisfério norte e  seu confiante eurocentrismo julga saber), equivale só a 4% do universo, o resto é matéria e energia escura e, falando em Energia e Matéria Escura, esse livro compartilha muito a respeito do que tem a ver a África e a tecnologia.

Leia, baixe e/ou compre o livro em http://www.literarua.com.br/livro/olhares-afrodiasporicos

Lançado: “Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos”

Lançado! Depois de muito trabalho, o livro “Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos” está no ar para compra e/ou download. Reproduzo a seguir a apresentação do livro:

Ao longo das últimas décadas, inúmeras ideias sobre o “virtual”, o “digital” ou a “cibercultura” ganharam tração nos espaços acadêmicos e vernaculares interessados em estudar o impacto (ou relação) da internet na sociedade. Figuras de linguagem que evocavam a internet como composta de “janelas” a outros mundos possíveis também foram aplicadas a indivíduos, grupos e suas identidades.

A comunicação mediada por computador permitiria até o abandono de afiliações identitárias, disseram muitos. Gênero, raça, etnia, nacionalidade e classe ficariam de lado, afirmaram pesquisadores que faziam parte da pequena parcela conectada da população. A realidade era muito diferente disso, como sabiam tanto as maiorias demográficas reais quanto as camadas mais violentas da branquitude. Nos anos 90 supremacistas brancos já planejavam uma reconexão e expansão global, através da internet, que dá seus frutos tóxicos hoje em todo o mundo.         

Processo similar aconteceu na última década com a empolgação quanto a conceitos como big data ou inteligência artificial. Os mais inocentes e os mais cínicos convergiram publicamente a acreditar ou defender que a abundância na geração de dados e a capacidade computacional para analisá-los levariam ao fortalecimento da produção democrática de conhecimento sobre as questões públicas. Testemunhamos o contrário: um aprofundamento do abismo entre cidadãos comuns – que, de fato, possuem mais acesso à informação do que antes – e corporações que concentram exponencialmente não só as informações e sua capacidade de interpretação analítica, mas também a aplicação de conhecimento operacionalizado na concentração de capitais e esfarelamento das instituições públicas.

Interpretações generalistas e totalizantes sobre os usos, apropriações, narrativas e contra-narrativas das tecnologias da comunicação ficaram, portanto, ainda mais anacrônicas. Mas às pioneiras e pioneiros de estudos críticos da comunicação digital somam-se cada vez mais pesquisadoras/es interessadas e instrumentalizadas a contar as histórias dos subalternizados, empenhadas em desvelar fenômenos, objetos e dinâmicas invisibilizadas por academias elitistas ainda a serviço de uma supremacia branca global.

O livro “Comunidades, Algoritmos e Ativismos: olhares afrodiaspóricos” é uma das muitas iniciativas de combate a cegueiras supostamente pós-raciais. Visando colaborar no preenchimento das muitas lacunas bibliográficas que tolhem a oferta bibliográfica de estudantes do Brasil e países lusófonos, o livro reúne 14 capítulos de pesquisadoras e pesquisadores provenientes e com conhecimento científico e experiencial dos Brasis e de países da Afrodiáspora e África, como Congo, Etiópia, Gana, Nigeria, Colômbia, Estados Unidos e Reino Unido. O principal objetivo da publicação é reunir reflexões diversas e multidisciplinares sobre as interfaces dentre os fenômenos da comunicação digital, raça, negritude e branquitude nos últimos 20 anos, oferecendo material de referência para estudantes e pesquisadoras/es em diversos níveis.

Através da tradução de textos estrangeiros inéditos em português e atualização e redação de publicações selecionadas de brasileiras/os, o livro colabora com a crescente complexificação do pensamento sobre a comunicação digital e internet resultante da diversificação dos olhares e falas nos espaços acadêmicos. Da matemática na divinação Ifá ao ativismo político, os temas e objetos dos capítulos passam por transição capilar, blackfishing, afroempreendedorismo, Black Twitter, contra-narrativas ao racismo e métodos digitais de pesquisa apropriados à complexidade das plataformas, algoritmos e relações de poder incorporadas nas materialidades digitais racializadas.

Abrindo o livro, o artigo “Retomando nosso fôlego: Estudos de Ciência e Tecnologia, Teoria Racial Crítica e a imaginação carcerária” de Ruha Benjamin propõe o conceito de Critical Race STS como nexo essencial para entender a imaginação carcerária que motiva a criação e formatação das tecnologias digitais empregadas cotidianamente no controle, classificação e fixação dos corpos.  Partindo da metáfora da respiração e do fôlego, repetidamente negados a afro-americanos e afro-brasileiros sufocados por forças policiais, Benjamin nos convoca a repensar os projetos da sociologia e dos estudos de ciência, tecnologia e sociedade.

Como resultado de amplo estudo sobre discurso de ódio, Luiz Valério P. Trindade apresenta, logo na introdução do texto “Mídias sociais e a naturalização de discursos racistas no Brasil“, um resgate da invisibilidade da “questão” – longe de ser apenas uma inflexão – racial na pesquisa sobre comunicação digital e internet. Esta invisibilidade é combatida a seguir em seu trabalho, que evoca a literatura e metodologia científica para compreender como o racismo à brasileira se desdobra nos discursos digitais circulados em mídias sociais.

Realizando a ponte entre as realidades brasileira e colombiana, Niousha Roshani apresenta dados e reflexões sobre o racismo nos dois países em diversas esferas, da econômica à midiática. O artigo “Discurso de Ódio e Anti-Racismo Digital: ativismo da juventude afrodescendente no Brasil e Colômbia” inclui também mapeamento de projetos da sociedade civil que oferecem contra-narrativas e reações à sociedade racista nestes países latino-americanos.

A partir de longo histórico de pesquisa sobre o Black Twitter, Andre Brock organiza o método “Análise Crítica Tecnocultural do Discurso”. Influenciado pela abordagem histórico-discursiva, Brock sugere princípios, pilares e expectativas para o método, que vê a cultura como artefato tecnológico e, portanto, combina análise das materialidades e articulações sociais-políticas na compreensão da produção de significado em rede.

A transição capilar, fenômeno que se intensificou na última década graças à convergência de aspectos econômicos, políticos e ideológicos é o tema agregador das comunidades investigadas por Larisse Pontes Gomes. Em “Estéticas em transformação: a experiência de mulheres negras na transição capilar em grupos virtuais“, a autora estuda como as tecnologias de comunicação digital foram transformadas em ferramentas afetivas e decoloniais para as mulheres negras no apoio mútuo e expansão da autoestima.

 Também na seara da política da estética, Ronaldo Araújo e Jobson da Silva Junior apresentam as micronarrativas de racismo no Twitter em torno de um fenômeno em ascensão, ainda que não exatamente novo: o blackfishing. Em “Blackfishing e a transformação transracial monetizada“, os autores apresentam e discutem o fenômeno, assim como as controvérsias resultantes.

Em “Racismo Algorítmico em Plataformas Digitais: microagressões e discriminação em código”, Tarcízio Silva apresenta o pensamento sobre as microagressões como método para discutir o racismo digital e suas novas e perversas manifestações algorítmicas. Argumentamos que a reprodução pervasiva das ideologias racistas em bases de dados, representações visuais e recomendação de conteúdo nas plataformas digitais podem ser compreendidas a partir desta chave conceitual.

Explorando levantamento de dados em bancos de imagens, Fernanda Carrera estuda as dinâmicas de produção e reprodução de representações racistas no Shutterstock, Stockphotos e Getty Images. Em “Racismo e sexismo em bancos de imagens digitais: análise de resultados de busca e atribuição de relevância na dimensão financeira/profissional” resultados a buscas imbuídas de valoração na sociedade contemporânea, tais como “chefe” ou “secretária/o” e “pobreza” são analisados em suas representações raciais e visibilidades nos sites em questão.

Dedicada também à centralidade da questão algorítmica na contemporaneidade, Abeba Birhane discute as faces do poder colonial transformado em mecanismos invisíveis de controle das plataformas, padrões tecnológicos e negócios digitais. O texto “Colonização Algorítmica da África” discute e enfrenta as interpretações neocoloniais sobre a “mineração” de dados e conhecimento sobre o continente africano.

A partir de um ponto de vista africano sobre o ativismo digital, o texto a seguir defende uma perspectiva continental sobre o tema frente a repressão de projetos autoritários. Referenciando o evergetismo cívico, Serge Katembera nos apresenta sua análise sobre o “Ativismo Digital na África: demandas, agendas e perspectivas“.

Os ciberativismos do feminismo negro, os pontos de convergência e particularidades de pensadoras e ativistas negras sobre a questão nos são apresentados por Thiane Neves Barros em “uma autobiografia de milhares de vozes”. O texto “’Estamos em marcha’: Escrevivendo, agindo e quebrando códigos” resgata pontos das construções intelectuais de feministas negras na academia e para além.

Em “Mulheres e tecnologias de sobrevivência: Economia Étnica e Afroempreendedorismo”, Taís Oliveira e Dulcilei C. Lima apresentam as particularidades do afroempreendedorismo das mulheres no Brasil a partir da exploração das fortalezas e contradições dos estudos sobre economia étnica. A partir do pensamento e realidade afrobrasileiras sobre o tema e dados provenientes de duas pesquisas realizadas pelas autoras sobre feminismo negro na internet e práticas de empreendedores, apresentam a ideia de tecnologias de sobrevivência.

Lembrando das ancestralidades e ideações milenares, Femi O. Alamu, Halleluyah Aworinde e Walter Isharufe nos mostram como a divinação Ifá tem paralelos – e precede – processos típicos da Computação. Tanto a estrutura de cálculo dos 256 Odus e quanto o fluxograma das operações Entrada-Processo-Saída na relação entre sacerdote e cliente são explorados em “Estudo Comparativo entre o Sistema de Divinação Ifá e Ciência da Computação”.

Encerrando o livro, “Articulando e performando desenvolvimento: retornantes qualificados no negócio de TICs do Gana” de Seyram Avle  investiga motivações, percepções e trajetórias profissionais e empreendedoras de emigrantes ganenses que retornaram ao país depois de formação global no exterior, sobretudo em países do Norte. Os retornantes impulsionam ideias particulares de responsabilidade com o país e desenvolvimento tecnológico de Gana.

Podcast Tecnopolítica: debates sobre algoritmos, vigilância e direitos

O podcast Tecnopolítica chegou ao seu terceiro ano! Um dos principais hubs de especialistas em algoritmos, vigilância e direitos humanos do país foi lançado em 2018 e é um projeto do professor e pesquisador Sérgio Amadeu da Silveira (UFABC). Veja alguns dos mais interessantes produzidos:

Já são 26 vídeos: não perca os novos se inscrevendo em https://www.youtube.com/channel/UCDy46jf2mcg8xySzrqV5pxw