Antirracismo digital na Colômbia: similaridades com o Brasil

A Colômbia é o segundo país com a maior população negra da América do Sul. Em grande parte, os afrocolombianos vivem na região do Pacífico e enfrentam problemas similares aos dos negros brasileiros. Apesar destas similaridades, os epistemicídios engendrados pela supremacia branca no nosso país nos impedem de conhecer e colaborar mais com os vizinhos.

Buscando combater um pouco desta lacuna, o livro Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos conta com um capítulo de Nisousha Roshani, especialista no tema.
Roshani realizou pós-doutorado por Harvard e é doutora em Educação pela University College London, além de cofundadora do Black Digital Youth.
No livro, traduzimos trabalho onde ela apresenta parte de resultado de sua pesquisa comparativa entre os dois países: “Discurso de ódio e Ativismo Digital Antirracismo de Jovens Afrodescendentes no Brasil e Colômbia”.

A partir de estudos realizados em colaboração entre o Berkman Klein Center for Internet e Society, o Afro-Latin American Research Institute e o Black Women Disrupt, Roshani mapeou e entrevistou jovens ativistas afrodescendentes do Brasil e Colômbia entre 2016 e 2018. O texto parte de uma retomada dos pontos principais sobre as similaridades entre os discursos racistas no Brasil e na Colômbia. Para a autora,

a exclusão das populações afrodescendentes acarretou em grandes perdas para essas nações. Historicamente excluídos dos níveis públicos e privados, a maioria dos afrodescendentes na América Latina vive em condições de pobreza diretamente refletidas em perdas de renda na região, um grande impedimento para o desenvolvimento social e econômico da região (Zoninsein, 2001). Contudo, a resistência da juventude afrodescendente na Colômbia e no Brasil existe desde a formação de ambas as nações e foi intensificada na era digital.

O texto resgata casos relevantes nos dois países de ativismo e articulação digital como #NoMasSoldadoMicolta e #MariellePresente, elaborando como o ativismo digital da diáspora negra incorpora uma transição “do luto à luta”. Ações da sociedade civil no Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo, Cali, Costa Pacífica da Colômbia, Quibdó e Cartagena são referenciados, tais como GatoMÍDIA, Voz da Comunidade, Instituto Mídia Étnica, Vale do Dendê, Desabafo Social, BlackRocks, PretaLab, MEJODA, , TIKAL Producciones, Domibdó e Observatorio Distrital Antidiscriminación Racial.

Um dos projetos citados da Colômbia que achei bem interessante é o Andando, um marketplace digital para turismo nas regiões rurais da costa Pacífica da Colômbia.

Andando – ecoturismo comunitário

A pressão de instituições da sociedade civil e afroempreendimentos nas políticas públicas brasileiras e colombianas é o tema de seção particularmente interessante do texto, que faz companhia a considerações sobre reconstrução de identidades, enfrentamento à linguagem racista, promoção de novas narrativas e outras áreas de luta. Em uma das conclusões, Roshani aponta que

Ações digitais antirracismo lideradas por OSCs e ativistas podem ter um impacto mais significativo se forem combinadas com esforços do governo e de indústrias poderosas. Sem intervir no sistema educacional e romper as normas estruturais e culturais subjacentes, seria extremamente desafiador mudar a tendência online.

O clube de leitura da Inspirada na Computação debateu o capítulo, assista em:

Interessado em ler tudo? Baixe o livro em PDF ou compre na LiteraRUA.

15 livros essenciais sobre raça e racismo no Brasil + 10 dos Estados Unidos

A supremacia branca é um projeto global, e a luta contra ela e suas manifestações também deve ser. Ao contrário do que se diz estrategicamente em muitos espaços brasileiros, há sim muitas similaridades e pontos em comum no pensamento e luta antirracista brasileira e estadunidense. Neste texto indico 15 livros brasileiros e 10 livros americanos, dando ênfase a traduções, essenciais para o projeto antirracista. Em breve sugestões de outros países e regiões da afrodiáspora e África. Assine a newsletter para não perder.

15 livros brasileiros sobre raça e racismo






Tornar-se Negro
Neusa Santos






O livro da saúde das mulheres negras
Jurema Werneck, Maisa Mendonça, Evelyn C White (orgs.)


Coleção Feminismos Plurais
Curadoria: Djamila Ribeiro




Decolonialidade e Pensamento Afrodiaspórico
Joaze Bernardino-Costa, Nelson Maldonado-Torres, Ramón Grosfoguel (orgs.)


10 livros estadunidenses sobre raça e racismo

As Almas do Povo Negro
W. E. B. Du Bois



Racial Formation in the United States
Michael Omi e Howard Winant


Critical Race Theory: The Key Writings That Formed the Movement
Kimberlé Crenshaw, Neil Gotanda, Gary Peller, Kendall Thomas (orgs.)


The Racial Contract
Charles W. Mills






Entre o Mundo e Eu
Ta-Nehisi Coates

Extra: confira também a lista de livros sobre Raça e Tecnologia

Relatório Internet, Desinformação e Democracia

Como resultado das discussões estabelecidas no Seminário e na Oficina Internet, Desinformação e Democracia realizadas pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil – CGI.br, foi disponibilizado o Relatório Internet, Desinformação e Democracia. Cerca de 40 especialistas do CGI e representantes multissetoriais discutiram propostas agrupadas nas categorias de Ambiente Legal e Regulatório; Construção de Redes de Combate à Desinformação; Monitoramento, Controle e Prevenção; e Pesquisa e Formação. Clique abaixo para acessar:

Clube de leitura online debaterá “Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais – olhares afrodiaspóricos”

O clube de leitura online do grupo/blog InspirADA na Computação decidiu debater o livro Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos!

O projeto busca contribuir na formação intelectual e social de estudantes e profissionais de tecnologia, computação e envolver outros de áreas como ciências humanas e comunicação. O lançamento será na próxima segunda-feira (06/04), às 19h, com um debate sobre cronograma de leitura, introdução e prefácio do livro. Visite o site da InspirADA na Computação para saber como participar:

Google acha que ferramenta em mão negra é uma arma

A desinteligência artificial é uma constante mesmo em grandes empresas reconhecidas pelos seus feitos na tecnologia digital. Na minha Linha do Tempo do Racismo Algorítmico há alguns casos como: a Google marcando pessoas negras como gorilas; Instagram vendo violência e armas onde não há; IBM e Microsoft não reconhecendo gênero de mulheres negras.

Internacionalmente esforços coordenados buscam proibir ou ao menos suspender o uso de inteligência artificial por instituições públicas, sobretudo em segurança pública. As taxas de erro são enormes, de Salvador até centros globais financeiros e tecnológicos como Londres. Atualmente a pandemia de COVID-19 tem sido a desculpa para empresas questionáveis forçarem a normalização de uso de tecnologias problemáticas seja no Brasil ou no exterior.

Mais um caso vulgar de erro em visão computacional foi mapeado. Nas imagens abaixo, o pesquisador Nicolas Kayser-Bril rodou duas imagens de pessoas segurando um termômetro na Google Vision, recurso de análise de imagens. Na foto com a pessoa asiática, as etiquetas “Tecnologia” e “Dispositivo Eletrônico” lideraram. Na com a pessoa negra, a etiqueta “Arma” foi marcada com 88% de certeza.

Esse tipo de erro é causado por um acúmulo de fatores, que vai da base de dados de péssima qualidade, lógica relacional do aprendizado de máquina falta de diversidade no campo e ao technochauvinismo dos profissionais da área que não criam ou reforçam mecanismos de representação adequada. A depender do seu ceticismo você está buscando motivos na imagem para justificar a questão? O pesquisador Bart Nagel responde com o experimento abaixo, onde embranqueceu a mão da foto:

Este é mais um de inúmeros casos da vulgaridade da aplicação da inteligência artificial para supostamente entender questões complexas e sociais da realidade. Mas quando falamos de segurança pública, o horror da necropolítica está agindo claramente. Os inúmeros casos de assassinato de cidadãos por policiais que se “confundiram” possuem uma ligação que não é coincidência com a estupidez da visão computacional. Não podemos, enquanto sociedade, permitir que o technochauvinismo avance ainda mais na segurança pública.

Veja mais casos do horror do racismo algorítmico na Linha do Tempo, entenda como estes recursos funcionam e são nocivos no artigo Visão computacional e Racismo Algorítmico: branquitude e opacidade no aprendizado de máquina e no relatório Interrogating Vision APIs, onde propomos metodologia de auditoria destes sistemas.