Humor racista e resistência na mídia social brasileira – entrevista com Luiz Valério P. Trindade

O livro No Laughing Matter: Race Joking and Resistance in Brazilian Social Media foi recentemente lançado por Luiz Valério P. Trindade, doutor pela Univ. de Southampton, pela editora Vernon Press.

A pesquisa investiga o fenômeno social da construção e disseminação de discursos racistas coloniais contra mulheres negras em ascenção através do humor pejorativo nas mídias sociais. No livro, Luiz Valério P. Trindade adota numa perspectiva inovadora, explorando de forma complexa as camadas do que é visto como humor e revela as camadas das ideologias coloniais que permanecem no Brasil. A publicação do livro é de interesse especial pois vai contra ideias ainda promovidas de excepcionalismo e democracia racial no país.

Tive o imenso prazer e honra de escrever o prefácio, que pode ser baixado com a introdução e sumário. Quem conferiu nossa última coletânea teve a oportunidade de ler o Luiz Valério P. Trindade em português através do capítulo Mídias Sociais e a naturalização de discursos racistas no Brasil.

Gentilmente, o prof. Luiz Valério P. Trindade cedeu uma entrevista exclusiva para o blog! Leiam a seguir as respostas à questões desenhadas especialmente para cá:

Tarcízio Silva: Como o humor racista pode ser visto como uma performance da branquitude nas mídias sociais?

Luiz Valério P. Trindade: A disciplina estudo crítico de humor ainda é relativamente incipiente no Brasil e mais ainda no que diz respeito ao estudo do humor de cunho racista, enquanto nos EUA e Inglaterra se estuda este tema deste os anos 1960-70. Já no Brasil, Os principais trabalhos nesta área surgem a partir dos anos 1990 e tem adquirido mais corpo nos últimos 10 anos aproximadamente; e minha pesquisa de doutorado se insere neste cenário.

Contudo, um aspecto comum nos estudos desta disciplina consiste na característica ambígua do humor de cunho depreciativo. Ou seja, como o humor consiste em uma forma de comunicação socialmente aceita em grande parte das interações sociais, isso permite que muitas pessoas transmitam ideologias racistas e preconceituosas sem parecer flagrantemente racistas, xenófobas, intolerantes, etc. Afinal de contas, de acordo com seu ponto de vista, tudo não passa de uma ‘brincadeirinha’.

Sendo assim, para dar um exemplo ilustrativo, quando um humorista usa o Twitter para se referir a uma parlamentar negra e nordestina com uma piada do tipo “pensei que fosse a tia do café”, ele está transmitindo uma série de ideologias preconceituosas. Porém, como seu tuite provoca o riso coletivo, nem todo mundo consegue perceber o que está embutido ali. Acontece que este tipo de piada embute uma ideia de deslegitimização do papel social exercido por aquela mulher negra (Como assim? Ela é uma parlamentar?). Transmite também um estranhamento com relação à sua presença naquele espaço social historicamente dominado por homens brancos de classe média. Por fim, traz também um preconceito com relação ao seu lugar de origem. Ou seja, por ser uma mulher nordestina, é esperado que ela se engaje em profissões de pouca qualificação formal como, por exemplo, copeira.

Portanto, todos estes aspectos representam facetas da ideologia do branqueamento profundamente arraigadas no imaginário coletivo brasileiro, a qual normaliza uma série de atributos positivos a pessoas brancas e, em contrapartida, negativos e subalternos a pessoas negras. E o humor racista permite que se reforce e disseminem estas percepções de forma aberta nas redes sociais, porém, geralmente livre de críticas já que são encaradas como ‘brincadeirinhas’.

TS: As categorias encadeadoras de movimentações racistas online que você descobriu estão em sua maioria ligadas a marcadores de distinção exibidos nas mídias sociais. Essa descoberta parece ser outro indicador da fragilidade do conceito de “filtros bolha”, ainda tão em voga?

LVPT: Não vejo tanto o fenômeno da construção e disseminação de discursos racistas nas redes sociais sob o prisma de ‘filtros bolha’ como cunhado por Eli Pariser. Na verdade, o que observo em meus estudos é a manifestação do que se chama de ‘câmara de eco’, no sentido de que a disseminação de conteúdos racistas e depreciativos atrai inúmeras pessoas com pensamentos e ideologias convergentes e, por consequência, as redes sociais facilitam a amplificação do alcance de discursos desta natureza. Como esta tecnologia digital atua através de poderosas conexões entre seus usuários (os chamados nós das redes sociais) que crescem em proporções exponenciais, isso contribui para a rápida e instantânea disseminação do conteúdo (ou como se diz, popularmente, a viralização).

TS: Sua pesquisa inspirou movimentações de cobrança às plataformas de mídias sociais no Brasil. Inclusive sobre o Twitter, onde o discurso de ódio racista motivou relatórios até da Anistia Internacional. Como você vê as particularidades do ambiente em relação ao Facebook?

LVPT: Naturalmente que o Twitter e o Facebook possuem suas especificidades no que diz respeito à experiência de interação do usuário com a plataforma. No entanto, em se tratando de construção e disseminação de discursos racistas, não vejo muitas diferenças substanciais entre elas. Isso porque ambas capacitam os usuários defensores de ideologias supremacistas, xenófobas, etc. disseminarem conteúdos desta natureza de uma forma instantânea e ampla.

Além disso, é importante salientar também que, invariavelmente, este tipo de conteúdo transita através de diferentes plataformas. Ou seja, um usuário pode começar um ataque racista contra alguém, por exemplo, no Facebook e, muito rapidamente, aquele mesmo conteúdo pode estar circulando pelo Twitter, Instagram, WhatsApp e assim por diante.

Por fim, meus estudos revelaram também que conteúdos de cunho racistas podem, eventualmente, continuar a engajar usuários (tanto novos como recorrentes) por até três anos após a publicação original do post. Em outras palavras, discursos racistas transmitidos pelas redes sociais não se tornam ‘jornal do dia anterior’, o qual se utiliza somente para embrulhar peixe na feira. Pelo contrário, sua ‘vida útil’, por assim dizer, pode ser muito longa. A consequência desse fenômeno é a amplificação do impacto negativo daquele conteúdo racista e depreciativo na vida da pessoa que foi objeto do ataque (mesmo que ele tenha sido proferido na forma de piada).

TS: Considerando que a interface entre racismo/antirracismo, internet e tecnologias é um universo de pesquisa ainda – relativamente – pouco explorado pela perspectiva negra, quais boas questões você recomendaria para os pesquisadores em formação que acompanham o blog?

LVPT: Bem, as redes sociais ainda constituem uma tecnologia digital relativamente nova com menos de duas décadas de existência (ex.: o Facebook foi fundado em 2004 e o Twitter em 2006). Sendo assim, o campo de possibilidades de estudos é ainda bastante vasto e repleto de possibilidades. Em termos metodológicos, por exemplo, considero importante o desenvolvimento de mais estudos qualitativos que nos ajudem a compreender por que os fenômenos ocorrem de determinada forma. O que está embutido neles. Quais as motivações ideológicas por trás deles. Não quero com isso descartar ou minimizar a importância e validade de estudos de cunho quantitativo, mas sim sugerir uma abordagem que nem sempre tem sido suficientemente explorada. Recentemente tive conhecimento também de um novo campo de estudo chamado ‘black Twitter’ que me pareceu muito interessante e promissor.

Por fim, sugiro também que procurem explorar o fenômeno dos chamados bots nas redes sociais e seu impacto em regimes democráticos. Este tema veio à tona com muita força nas eleições presidenciais no Brasil em 2018 e também nos EUA. Já foram publicados estudos muito interessantes a este respeito, mas, até onde sei, a maioria em inglês. Portanto, ainda há bastante espeço para publicações e estudos em português explorando o fenômeno sob o contexto/realidade brasileira.

Acompanhem o trabalho do prof. Luiz Valério P. Trindade no Academia.edu, YouTube e Scholar

Antirracismo digital na Colômbia: similaridades com o Brasil

A Colômbia é o segundo país com a maior população negra da América do Sul. Em grande parte, os afrocolombianos vivem na região do Pacífico e enfrentam problemas similares aos dos negros brasileiros. Apesar destas similaridades, os epistemicídios engendrados pela supremacia branca no nosso país nos impedem de conhecer e colaborar mais com os vizinhos.

Buscando combater um pouco desta lacuna, o livro Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos conta com um capítulo de Nisousha Roshani, especialista no tema.
Roshani realizou pós-doutorado por Harvard e é doutora em Educação pela University College London, além de cofundadora do Black Digital Youth.
No livro, traduzimos trabalho onde ela apresenta parte de resultado de sua pesquisa comparativa entre os dois países: “Discurso de ódio e Ativismo Digital Antirracismo de Jovens Afrodescendentes no Brasil e Colômbia”.

A partir de estudos realizados em colaboração entre o Berkman Klein Center for Internet e Society, o Afro-Latin American Research Institute e o Black Women Disrupt, Roshani mapeou e entrevistou jovens ativistas afrodescendentes do Brasil e Colômbia entre 2016 e 2018. O texto parte de uma retomada dos pontos principais sobre as similaridades entre os discursos racistas no Brasil e na Colômbia. Para a autora,

a exclusão das populações afrodescendentes acarretou em grandes perdas para essas nações. Historicamente excluídos dos níveis públicos e privados, a maioria dos afrodescendentes na América Latina vive em condições de pobreza diretamente refletidas em perdas de renda na região, um grande impedimento para o desenvolvimento social e econômico da região (Zoninsein, 2001). Contudo, a resistência da juventude afrodescendente na Colômbia e no Brasil existe desde a formação de ambas as nações e foi intensificada na era digital.

O texto resgata casos relevantes nos dois países de ativismo e articulação digital como #NoMasSoldadoMicolta e #MariellePresente, elaborando como o ativismo digital da diáspora negra incorpora uma transição “do luto à luta”. Ações da sociedade civil no Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo, Cali, Costa Pacífica da Colômbia, Quibdó e Cartagena são referenciados, tais como GatoMÍDIA, Voz da Comunidade, Instituto Mídia Étnica, Vale do Dendê, Desabafo Social, BlackRocks, PretaLab, MEJODA, , TIKAL Producciones, Domibdó e Observatorio Distrital Antidiscriminación Racial.

Um dos projetos citados da Colômbia que achei bem interessante é o Andando, um marketplace digital para turismo nas regiões rurais da costa Pacífica da Colômbia.

Andando – ecoturismo comunitário

A pressão de instituições da sociedade civil e afroempreendimentos nas políticas públicas brasileiras e colombianas é o tema de seção particularmente interessante do texto, que faz companhia a considerações sobre reconstrução de identidades, enfrentamento à linguagem racista, promoção de novas narrativas e outras áreas de luta. Em uma das conclusões, Roshani aponta que

Ações digitais antirracismo lideradas por OSCs e ativistas podem ter um impacto mais significativo se forem combinadas com esforços do governo e de indústrias poderosas. Sem intervir no sistema educacional e romper as normas estruturais e culturais subjacentes, seria extremamente desafiador mudar a tendência online.

O clube de leitura da Inspirada na Computação debateu o capítulo, assista em:

Interessado em ler tudo? Baixe o livro em PDF ou compre na LiteraRUA.

Tecnologia & Ethos Negro – ensaio de Amiri Baraka

Amiri Baraka (1934-2014) foi um escritor, poeta, professor, ativista pan-africano e crítico musical precursor do hip-hop. Seu livro “Black Music” de 1967 é um marco na área. Através de sua atuação, propôs ideias particulares sobre combate ao racismo e colonialismo – mas é pouco conhecido seu ensaio sobre tecnologia, branquitude e um ethos especulativo do que poderia ser a tecnologia preta contemporânea.

No ensaio Technology & Ethos, de 1969, Baraka reflete sobre os aspectos políticos e raciais da tecnologia em argumentos que precederam muitas obras hoje vistas como basilares no tema. O texto original pode ser lido no site da artista Marilyn Nance, mas fiz uma tradução tentativa para apoiar estudantes que não leem inglês. Há algumas particularidades de supressão de letras e estruturas frasais que não fui capaz de traduzir/adaptar plenamente – então quem puder prefira ler o original. Segue:

Tecnologia & Ethos

Amiri Baraka

Máquinas (como Norbert Wiener disse) são uma extensão de seus inventores-criadores. Isto não é tão simples quanto parece. Máquinas e toda a tecnologia do Ocidente são apenas isto: a tecnologia do Ocidente.

Nada precisa parecer ou funcionar do jeito que faz. A liberdade do homem do Ocidente, que foi conquistada não-cientificamente às custas dos povos do resto do mundo, o permitiu expandir suas disposições mentais e sensibilidades onde quer que foram e assim moldaram o mundo e seus poderosos artefatos-motores.

Poder político também é o poder de criar – não apenas o que será criado de fato – mas a liberdade de ir onde quiser ir (mentalmente e fisicamente). Criação Preta – criação impulsionada pelo ethos Preto traz resultados especiais.

Imagine a si mesmo, um criador Preto, livre de amarras europeias que significam de início as amarras ao desenvolvimento mental autodeterminado. Pense quais seriam os resultados de gerações libertas de inventores-criadores com o apoio dos recursos de suas nações. Imaginar-pensar-construir-energizar!!!

Como você se comunica com grandes massas do povo Preto? Como você usa a terra para alimentar massas de pessoas? Como você cura pessoas? Como você previne doenças? Quais são os objetivos do povo Preto em viagem espacial?

Isto atordoa a mente. Para se libertar, deixe a mente fazer o que deve como uma força construtiva de progresso, aproveitando toda a energia dos recursos de conhecimento de uma nação.

Estes cientistas brancos com bolsas vitalícias ou pensando problemas no Instituto de Estudos Avançados de Princenton.

Então um telefone é uma solução para uma cultura para o problema de enviar palavras através do espaço. É poder político que permitiu esta tecnologia emergir e parece ser (o poder político) o destino dos resultados desejados.

Uma máquina de escrever? – porque deveria usar apenas as pontas dos dedos como pontos de contato de criatividade multi direcional? Se eu tivesse inventado uma máquina de inscrição de palavras, uma “escriba-de-expressões”, se você digamos, então teria feito um instrumento onde eu poderia pisar & sentar ou espalhar ou pendurar & usar não apenas meus dedos para fazer palavras expressarem sentimentos mas também cotovelos, pés, cabeça, costas e todos os sons que eu quisesse, gritos, toques, arranhões. Teria gravado magneticamente, ao mesmo tempo & traduzido em palavras – ou talvez mesmo na expressão final o pensamento/sentimento não apenas palavra ou folha, mas a coisa em si, a expressão, tridimensional – capaz de ser tocada, saboreada ou sentida ou entrada ou ouvida ou carregada como um feitiço falante cantante comunicando constantemente. Uma máquina de escrever é tola!

Os chamados artistas percebem, aqueles que se libertaram, que nossas criações não precisam emular as do homem branco, mas é a hora de engenheiros, arquitetos, químicos, artesões eletrônicos, isto é, também [seus] filmes, rádios, sons etc entenderem que aprender tecnologia ocidental não deve ser o fim de nossa compreensão da disciplina particular com a qual nos envolvemos. A maioria da informação moldada pelo Ocidente é como lama e areia quando você está peneirando por ouro!

Os atuais começos de nossas expressões são pós-Ocidentais (assim como certamente são pre-ocidentais). É necessário que nos armemos com o completo auto-conhecimento de toda a tecnologia (que afinal de contas é apenas expressão dos criadores) para mudar e refletir a essência de um povo liberto. Livre de um opressor, mas também como Touré nos lembrou devemos nos “livrar do espírito do opressor”. É este espírito como um construto emocional que pode se manifestar como expressão de arte ou tecnologia ou qualquer forma.

Mas qual é nosso espírito, o que ele vai projetar? O que as máquinas irão produzir? O que irão alcançar? Qual será sua moralidade? Veja a diferente moralidade dos fogos de artifício nos aniversários chineses e as bombas dos garotos brancos. Máquinas tem a moralidade de seus inventores.

Veja tudo fresco e “sem forma” – então faça formas que irão nos expressar verdadeiramente e totalmente – e certamente nos libertarão eventualmente.

A nova tecnologia precisa ser espiritualmente orientada porque deve aspirar a levantar a espiritualidade do homem e expandir sua consciência. Deve começar sendo “humanística” apesar de que os garotos brancos ainda hão de alcançar isto. Testemunhe as tecnologias que matam plantas & animais, envenena o ar & degenera ou escraviza o homem.

A tecnologia em si deve representar os desafios humanos. Deve representar cada ponto na perfeição temporária do homem em evolução. E deve ser obsoleta apenas porque nada nunca é perfeito, a única constante é a mudança.

W. E. B. Du Bois e a visualização de dados sobre os negros nos EUA no início do século XX

W. E. B. Du Bois (1863 – 1963) foi um dos maiores sociólogos e ativistas americanos desde a virada do século XX até sua morte nos anos 60. Invisibilizado pelo racismo generalizado também na ciência social, Dubois teve uma prolífica produção através de livros acadêmicos, revistas científicas e fundador do Movimento Niagara de ativismo pelos direitos humanos. Também foi Secretário do Primeiro Congresso Pan-Africano e fundou a importante National Association for the Advancement of Colored People (NAACP). Apesar da enorme produção, seu único livro traduzido para o português é o essencial The Souls of Black Folk, publicado em 1903 e traduzido para o português como As Almas do Povo Negro apenas em 1998, esgotado e sem novas edições (veja tradução/transcrição alternativa por José da Costa).

Primeiro negro a prestigiar Harvard com sua pesquisa de doutorado, nunca permitiu que seu pensamento e trabalho se restringissem ao mundo puramente acadêmico. Entre seus maiores feitos está a exposição American Negro Exhibit, que tomou lugar corajosamente na Exposição Universal de Paris de 1900. Na virada do século XIX ao XX as feiras mundiais tomaram lugar nas grandes metrópoles e tinham o objetivo de celebrar os avanços da humanidade – sobretudo dos países patrocinadores – em termos de indústria, maquinaria, invenções, arquitetura e ciência de todo o tipo. A Exposição Universal de Paris de 1900 foi visitada por cerca de 50 milhões de pessoas de todo o mundo. Thomas Junius Calloway, advogado, educador e jornalista, com o apoio de Booker T. Washington, solicitou ao governo dos EUA espaço no pavilhão estadunidense para mostrar o suposto compromisso do país com reformas sociais através da exposição, com colaborações de universidades e colégios industriais afro-americanos.

W. E. B. Du Bois foi convidado a participar com estudos sociais sobre a vida dos afro-americanos. Reuniu, então, dois grupos de visualizações de dados produzidas por sua equipe de estudantes e alunos da Universidade de Atlanta. O primeiro deles, chamado The Georgia Negro: A Social Study, apresentou informações sobre a população negra do estado da Georgia, então o estado com a maior população negra nos EUA. O segundo grupo de infográficos foi chamado de A Series of Statistical Chats Illustrating the Condition of the Descendants of Former African Slaves Now in Residance in the United States of America. Este grupo reuniu informações sobre educação, emprego, aspectos financeiros e outros.

Lançado no final de 2018, o livro W. E. B. Du Bois’s Data Portrais: VIsualizing Black America traz esta história, artigos, fotografias da exposição e visualizações produzidas por Du Bois com o enfoque na visualização de dados e seu impacto. Foi organizado por Whitney Battle-Baptiste e Britt Rusert,  do Departamento de Estudos Afro-Americanos W. E. B. Dubois da Universidade de Massachusetts Amherst.  Com 200 páginas, 150 são dedicadas a impressões em boa definição dos gráficos, mapas e linha do tempo apresentadas por Du Bois. Para as organizadoras, “as políticas da visualidade e a questão específica da visualidade negra eram centrais para o pensamento de Du Bois e sua teoria da dupla consciência foi expressa em um registro visual único”.

Depois da introdução pelas organizadoras, o livro inclui também textos de convidados. O primeiro é American Negro at Paris, 1900, de Aldon Morris, onde o autor traz mais informações sobre a exposição e conclui que “previu novas possibilidades de comunicar conhecimento sociológico para o público geral. Do vantajoso ponto de vista da virada do século, a sociologia inovadora na exposição segue resistindo ao teste do tempo”.

Em The Cartography of W. E. B. Du Bois’s Color Line, Mabel O. Wilson se debruça com mais atenção aos mapas e cartografias incluídas na exposição, partindo da visualização sobre o sequestro e tráfico negreiro para as Américas e Europa. A autora destaca especialmente como Du Bois conseguiu, a partir de seu trabalho e visualizações, combater a desinformação racista proposta por Hegel, que dedicou textos a negar a história da África e promover o racismo “científico”.

Por fim, em Introduction to the Plates, Silas Munro sublinha o aspecto inovador das produções de Du Bois e como avançou e aplicou na prática as invenções de William Playfair e Florence Nightingale. Para Munro, “A inovação retórica nas ciências sociais combinada com uma estética visual no início do século XX tornou a exposição um material presciente de trabalho em design. Estas visualizações ofereceram um protótipo de práticas de design que não foram amplamente usadas até um século depois, antecipando as tendências – hoje vitais no mundo contemporâneo – de design para inovação social, visualização de dados em serviço de justiça social e a decolonização da pedagogia”.

Veja algumas das visualizações e imagens do livro (algumas fotografias minhas e outras da Smithsonian mas todas estão no livro):

a) Índice das visualizações

b) Visualização do sequestro e tráfico negreiro

c) Cartão postal da exposição Pan-Americana em Nova Iorque, realizada no ano seguinte

d) Ocupação dos negros americanos depois da emancipação

e) Estudantes negros em escolas da Georgia

f) População negra e status de escravidão/liberdade de 1790 a 1870

g) Comparação de ocupação entre negros e brancos na Georgia