Revistas acadêmicas africanas: onde encontrar?

Quantas revistas acadêmicas editadas em países africanos você já leu? O African Journals Online é uma iniciativa não-governamental criada em 1998 na África do Sul com o objetivo de otimizar a circulação da produção africana em vários campos e disciplinas.

Nas palavras dos editores do projeto, “Do mesmo modo que recursos acadêmicos online do Norte Global estão disponíveis para a África, há a necessidade de disponibilizar informação da África. Importantes áreas de pesquisa na África não são cobertas de forma adequada pelo restante do mundo. Países africanos precisam coletivamente exercer um papel no ambiente global de publicação acadêmica. Pesquisadores africanos também precisam acessar as publicações acadêmicas de seu próprio continente.”

African Journals Online

Atualmente indexa revistas de 32 países, com destaque para os que possuem inglês ou francês como línguas oficiais. Lideram em número Nigeria (222 publicações), África do Sul (96), Etiópia (30), Quênia (29) e Gana (27).  Somam mais de 500 revistas, sendo quase metade de acesso aberto. Lembre que o horror colonial fez com que a maioria desses países tenham línguas oficiais advindas de países europeus, então se você lê em inglês, francês ou português poderá se conectar a bibliografia africana com quase tanta facilidade com o que faz com materiais dos EUA ou Reino Unido. Paradoxalmente, o inglês pode ser uma ferramenta decolonial para que nos conectemos a pesquisadores de parte dos países da África.

Alguns exemplos de artigos relevantes para o público desse blog: Participation in online activation (#) campaigns: A look at the drivers in an African setting – publicado no Legon Journal of Humanities (Gana); Collaborative Networks as a Mechanism for Strengthening Competitiveness, publicado no Journal of Language, Technology & Entrepreneurship in Africa (Quênia); Protest movements and social media: Morocco’s February 20 movement, publicado no Africa Development (Senegal); Social Media: An Emerging Conundrum?, publicado no AFRREV IJAH: An International Journal of Arts and Humanities (Etiópia).

Conheça o site em www.ajol.info

Análise de Texto com AntConc: Frequência e Lista de Palavras

No últim opost, aprendemos o básico sobre AntConc. Agora vamos te mostrar como usar AntConc para gerar listas e frequência de palavras, além do útil File Viewer (Visualizador de Arquivos).

Não esqueça que

  1. Introdução e Configurações
  2. Lista, Frequência de Palavras e Visualizador (estamos aqui)
  3. Concordancer e Plotagem de ConcordÇancia  (em breve)
  4. Clusters e N-Grams (em breve)
  5. Colocações (em breve)

 

As funções do AntConc são acessadas através das sete abas abaixo:

Neste tutoria, vamos seguir os passos para produzir listas de palavras.

Lembre de abrir seu arquivo e importar as configurações recomendadas para pesquisa em mídia social [tutorial].

Gerando e navegando em uma Lista de Palavras

  1. Abra seu arquivo. Nos exemplos abaixo vou usar um dataset com 16 mil tweets em inglês contendo a palavra “brazil” (coletados através do Netlytic). Baixe o arquivo brazil_tweets_16732tweets_2017_11_30.txt em nossa pasta.

 

2. Na aba Word List,clique em Start e eespere alguns segundos:

3. Agora você pode explorar e navegar nos seus dados, descendo a barra de rolagem para encontrar palavras relevantes, organizar por Frequência (Frequency), Palavras (ordem alfabética) ou final da palavra (Word end).

4. Você pode buscar um termo específico na caixa de “Search Term” e clicar na busca “Search Only”:

 

5. Se você clicar em qualquer palavra, será direcionado para a aba Concordance. Em breve você poderá ler um tutorial aqui sobre a ferramenta.

 

6. Se clicar em qualquer palavra na ferramente de Concordance, será direcionado para a File View, onde poderá visualizar o termo/palavra. Funciona como um leitor simples de texto, onde você poderá ver o corpus/corpora completo.

 

7. Para exportar a lista, basta ir na aba Word List e clicar em File -> Save Output.

 

8. O resultado é um arquivo .txt similar a este:

9. Você pode abrir ou copiar-colar o resultado em um software de planilhas como Excel ou LibreOffice para outras análises:

 

 

Filtrando stopwords

Stopwords são palavras que você não quer contar ou visualizar. Geralmente, são as palavras mais comuns sem relevância semântica ou tópica para o seu problema de pesquisa (como artigos, pronomes e alguns advérbios).

 

  1. Primeiro, você vai precisar de uma lista pronta de stopwords. Você pode produzir ou editar uma lista você mesmo, mas vamos começar com um exemplo simples. Você pode baixar uma lista de stopwords em inglês na nossa pasta de listas:

 

2. Para carregar uma lista de stopwords a partir de um arquivo .txt vá em Tool Preferences -> Word List. Lá você verá a opção“Use a stoplist below” na seção “Word List Range”. Clique em Open e selecione seu arquivo .txt :

 

Se você fez corretamente, as palavras aparecerão na caixa:

 

Agora é só clicar em “Apply”!

  1. Volte para a aba Word List e clique no botão “Start”. Compare as duas listas abaixo. A primeira foi a lista original e a segunda é a lista com as stopwords filtradas:

 

 

Contando palavras específicas

Outra opção muito útil da Word List é contar apenas palavras específicas que você já conhecia ou descobriu como relevantes nos seus datasets/corpora. Siga os passos abaixo:

1. Primeiro, você precisa de uma lista de palavras. No nosso caso, vamos subir uma lista de palavras sobre times brasileiros. Baixe ela na pasta de listas.

 

2. Vá em Tool Preferences -> Word Lists e clique em “Add Words From File” para carregar o arquivo. Clique em “Use specific words below” e Apply:

 

3. Agora vá na aba Word List e clique ‘Start’ para gerar a lista novamente. O resultado vai ser uma lista apenas da palavras desejadas:

 

4. Exportar uma lista destas (através de File -> Save Output) permite que você use a contagem em outras ferramentas como a RAW Graphs para gerar visualizações como um Treemap:

 

É isto por agora! Espero que as funcionalidades acima te ajudem a explorar seus dados textuais extraídos de mídias sociais. O próximo tutorial vai focar no Concordancer e Concordance Plot (em breve)!

Congresso Internacional sobre Vigilância, Raça e Gênero acontecerá em Salvador

Passando para relembrar que a sétima edição do Simpósio Internacional da Rede Latino-Americana de Vigilância (Lavits) acontecerá em Salvador. Organizado pela rede, pelo IHAC e GIGA, incluirá palestras, mesas de discussão, grupos de trabalho, oficinas e performances artísticas entre 26 e 28 de junho.

O grande destaque entre as conferências é a vinda da Simone Browne, pesquisadora canadense e professora da Universidade do Texas (EUA). Browne é autora do livro “Dark Matters: On the Surveillance of Blackness”, no qual revisa a história da vigilância mostrando como tecnologias de controle e opressão contra a negritude desde o período colonial foram germinadoras das práticas hiper-tecnológicas de hoje.

Entre as sessões livres de debate, destaco Intersecções e potências entre tecnologias, gênero e ativismos, com Josemira Reis (GIG@/UFBA), Dulcilei Lima (UFABC), Taís Oliveira (UFABC), Daniela Araújo (IG/Unicamp), Débora Oliveira (Labjor/Unicamp), Marta Kanashiro (Rede Lavits); O Comitê Gestor da Internet (CGI) e os princípios de governança democrática na Internet, com Sergio Amadeu (CGI) e Juliano Cappi (CGI); Discurso de ódio e desinformação nas redes sociotécnicas, com Erica Malunguinho (DEP. ESTADUAL SP), Isadora Brandão (UNEAFRO), Geisa Santos (Coletiva Periféricas-BA) e Maurício Bozzi (PUC-RS).

Nas sessões temáticas de discussão de artigos, são mais de 150 artigos de pesquisadores do Brasil, América Latina e de outros países. São artigos sobre vigilância, controle, big data e práticas digitais diversas. Apresentarei o trabalho Racismo Algorítmico em Plataformas Digitais: microagressões e discriminação em código em sessão sobre “Assimetrias da Vigilância: racismo e sexismo”.

Saiba mais sobre o evento em: www.lavits.ihac.ufba.br

Odò Pupa e a sociologia vernacular preta

Na última semana tive a oportunidade de assistir, apresentado junto a um trabalho no COPENE, o curta Odò Pupa, Luga de Resistência, da cineasta paraibana Carine Fiúza. O curta vai circular por alguns festivais de cinema, mas está disponível para ver no Futura Play ainda (corram). O documentário foi gravado em Salvador e tem dois personagens, Luís César (20 anos) e Caíque Santana (20 anos), chef e garçom em um bar descolado no Rio Vermelho.

Começa com dados sobre trabalho e estudo e a linha abissal que divide as condições entre brancos e negros em Salvador, que moraram no Calabar/Alto das Pombas.. Falam sobre arte, trabalho e comunicação a partir de uma sociologia vernacular de quem desenvolve sofisticação na compreensão da sociedade na prática, por sobrevivência.

Há um trecho a partir dos 7 minutos onde Luís conta sobre os diferentes papéis sociais (migrante, alvo de policiais, outsider para as facções, trabalhador) que sem ter entrado numa universidade, é tão explicativo quanto um livro de Goffman sobre gerenciamento de impressões.

Sociólogos e linguistas negros avançaram a ideia de “code switching” como um modo de trocar léxico, gírias, comportamento em campos diferentes. Jovens negros aprendem isso na prática, cedo, literalmente para sobreviver. Luís vê e fala sobre isto de forma fantástica.

Aos 10 minutos, Caíque fala sobre a opressão absurda em várias esferas, próximo ao conceito de matriz de dominação da Patrícia Hill Collins. Ele fala da perversidade sem sentido da sociedade, que realmente deveria indignar.

São estes jovens da periferia que poderiam transformar a sociedade e a universidade.

Poderiam se não fossem

invisibilizados
silenciados
negligenciados
roubados
preteridos
mortos

pela mediocridade e epistemologias da ignorância vigentes.

IBPAD lança whitepaper sobre o histórico das APIs na pesquisa em mídias sociais

Em grande medida, a presença/ausência, modos de uso e escopos das chamadas APIs definiram os caminhos da pesquisa em mídias sociais. Nos últimos anos, controvérsias sobre privacidade foram a desculpa para algumas plataformas de mídias sociais – como Facebook – fecharem o acesso às suas APIs de dados. A relevância deste debate tanto para a academia quanto para o mercado é essencial. Pensando nisso, o IBPAD lançou um whitepaper sobre o tema – Histórico das APIs no Monitoramento e Pesquisa em Mídias Sociaiss, que inclui uma linha do tempo sobre os principais fatos e mudanças: