O que é blackfishing? Transracialismo parasita por dinheiro nas mídias sociais

Blackfishing é uma prática quando alguém finge ser negro, geralmente realizada por alguém branco, para buscar algum benefício financeiro, afetivo, social ou político. Os pesquisadores Ronaldo Ferreira de Araújo e Jobson da Silva Júnior descreveram como:

Na prática do blackfishing vemos pessoas não-negras que se pintam de preto, não como forma de resistência ou proteção contra as formas mais brutais de violência, mas em benefício próprio pela apropriação de elementos puramente estéticos que desrespeitam toda a cultura negra assim como toda a luta da população negra, uma evidente aproximação das práticas de racismo recreativo, agora monetizado.

Um exemplo que ganhou popularidade mundial foi a da “ativista” Rachel Dolezal, que simulou afiliação étnico-racial e cultural à negritude nos Estados Unidos para galar um posto em importante organização, a NAACP:

Nas mídias sociais, o fenômeno se intensificou. Com as conquistas econômicas das populações afrodiaspóricas no Brasil e nos EUA e a ocupação de cargos em organizações da indústria cultural mainstream, o espaço para artistas e influenciadores negros aumentou. Com isto, também houve aumento da apropriação cultural e quase epidérmica.

O texto “Blackfishing e a transformação transracial monetizada” é um capítulo escrito por Ronaldo Araújo e Jobson da Silva Júnior que explora este fenômeno a partir dos estudos de informação, em perspectiva crítica e empírica.

Eles apontam, a partir de Melissa Villa-Nicholas e Latesha Velez, que “centralizar os estudos de Ciência da Informação (CI) contextualizando-os em uma análise de como a raça e o racismo afetam nosso campo muda o que achamos que sabemos e nosso entendimento sobre os estudos de informação

Na introdução do capítulo, os autores refletem sobre a relativa ausência do debate racial nos campos da BCI (Biblioteconomia e Ciência da Informação), apresentam autoras e autores que tem buscado preencher esta lacuna. O uso da hashtag #blackfishing tem crescido nos últimos anos, o que veem como “denúncia do fenômeno e trazendo uma série de novos elementos para a discussão do processo de (re)construção da identidade negra em meio a prática do racismo e suas reinvenções como estratégia de manutenção do status quo.”

Na seção a seguir, os autores discutem identidade racial e as reinvenções dos racismos nas mídias sociais. O histórico da exploração do racismo anti-negro como prática recreativa em domínios intelectuais e sexuais é apresentado a partir de autores como Frantz Fanon e Stuart Hall. É especialmente importante a apresentação deste histórico e reflexão para lembrar que a maior parte dos fenômenos digitais, inclusive práticas racistas, não nascem de um vácuo, mas são desdobramentos e reinvenções de opressões e resistências já inscritas nas culturas em questão. No caso das narrativas das mulheres negras, autoras como Helenise da Cruz Conceição, Antonio Carlos da Conceição e Dayana Souza são interligadas na reflexão sobre identidades e blackfishing, praticado com frequência por mulheres brancas, que costumam ser as protagonistas dos conteúdos publicitários no mercado de beleza e decorrentes influenciadoras na área:

ainda que as mídias sociais possam proporcionar maior visibilidade e empoderamento da mulher negra, tendo inclusive “a questão da estética negra como agenciadora de construção de identidade” (Souza, 2018, p.109), com o blackfishing não só as narrativas digitais, mas o próprio lugar da mulher negra é negado e seus traços identitários usurpados.

Enquanto método principal, os autores realizam uma abordagem de análise de redes de conversações e sentidos com o mapeamento de 1.403 micronarrativas sobre o blackfishing no Twitter, que totalizam 18.170 termos e expressões. As disputas de narrativas são descritas em casos públicos que geraram não só revolta de pessoas negras contra o racismo e apropriação cultural, quanto tréplicas de racistas que tentam deslegitimar o discurso antiracista.

Observamos que a discussão sobre o racismo nas redes sociais como um todo, e especificamente no Twitter, tem como tendência a negação do fenômeno a partir de uma perspectiva histórica. No campo dos estudos étnicorraciais é evidente que a problemática tem raízes históricas, no Brasil podemos citar além da escravização, a falta de interesse do Estado, manifestada na ausência de políticas públicas voltadas para a população
negra no tocante aos seus direitos fundamentais.

A análise levantou termos por frequência e discorre sobre como são usados para defender pontos de vista antagônicos a depender dos emissores. As denúncias contra o blackfishing recebem numerosas respostas em discordância, mostrando esforços e motivações coletivas para deslegitimar a crítica negra e reforçar o lugar racista da apropriação cultural branca, o que levam os autores a concluir que “aduz uma resistência assustadora a esses avanços, na contemporaneidade, ao que parece, qualquer passo dado em direção a uma sociedade mais igualitária é visto como ameaça e reprimido violentamente“.

Acima temos apenas um pequenino resumo de alguns pontos e colaborações do capítulo dos autores, que merece ser lido em toda sua densidade e complexidade. Baixe a versão digital e/ou compre a versão impressa do livro em http://www.literarua.com.br/livro/olhares-afrodiasporicos

Emicida, tecnologias africanas, redes sociais e tambores

Como sabemos, Emicida é rapper, compositor, cantor, empresário e inovador de sucesso. Recentemente lançou também a antologia inspirada na mixtape “Pra quem já mordeu um cachorro por comida, até que eu cheguei longe…” reunindo textos e ilustrações de dezenas de pensadores e artistas brasileiros. Não seria surpresa, então, todo seu conhecimento sobre tecnologia e sociedade presente em suas músicas.

É o que vemos aqui também em formato de ensaio. Emicida gentilmente topou o desafio de escrever o prefácio do livro Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos que acabamos de lançar. Leia a seguir:

Há alguns anos, enquanto viajávamos por países do continente africano, fui surpreendido por uma pessoa que trabalhava em nosso projeto que após dividir algumas ideias, me questionou com a seguinte sentença: “Mas o que é que África tem a ver com tecnologia?”.

Me recordei naquele momento, das primeiras páginas de “Entre o Mundo e Eu” onde Ta-nehisi Coates discorre sobre a distância entre as realidades dele e da jornalista branca com quem dialogava na TV: ela parecia estar mais longe do que o satélite que os transmitiam ao vivo para o mundo todo.

Oras, se a essência das redes sociais é a conectividade, está para nascer uma que cumpra seu papel com mais eficácia do que um tambor. Sentar-se em círculos, ouvir histórias (principalmente) dos que vieram antes e extrair os melhores sentimentos dos participantes, ressaltando como a escuta é valiosa, me parece estar anos-luz à frente do mais promissor sonho de funcionalidades facebookianas de Mark Zuckerberg.

É importante admirar o admirável e para tal, é fundamental que nossas lentes estejam limpas e não sabotem essa característica tão poderosa da capacidade humana. Culturas são lentes, é por elas que percebemos o mundo.

Tecnologia, storytelling, minimalismo e ideias que visam ampliar a percepção do que significa ser humano, não podem ser vendidas no século XXI como “invenções do vale do silício”. Ainda mais para quem criou a Tábua de Ifá, a Ayurveda, as 5 orientações de gênero de alguns povos ameríndios ou a força das Mulheres Macuas. Como diria Paulina Chiziane, “às vezes sinto que nos oferecem algo que já era nosso antes deles chegarem”. Nootrópicos vieram milênios depois do Ginseng.

Tudo o que sabemos (ou o que o hemisfério norte e  seu confiante eurocentrismo julga saber), equivale só a 4% do universo, o resto é matéria e energia escura e, falando em Energia e Matéria Escura, esse livro compartilha muito a respeito do que tem a ver a África e a tecnologia.

Leia, baixe e/ou compre o livro em http://www.literarua.com.br/livro/olhares-afrodiasporicos

Lançado: “Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos”

Lançado! Depois de muito trabalho, o livro “Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos” está no ar para compra e/ou download. Reproduzo a seguir a apresentação do livro:

Ao longo das últimas décadas, inúmeras ideias sobre o “virtual”, o “digital” ou a “cibercultura” ganharam tração nos espaços acadêmicos e vernaculares interessados em estudar o impacto (ou relação) da internet na sociedade. Figuras de linguagem que evocavam a internet como composta de “janelas” a outros mundos possíveis também foram aplicadas a indivíduos, grupos e suas identidades.

A comunicação mediada por computador permitiria até o abandono de afiliações identitárias, disseram muitos. Gênero, raça, etnia, nacionalidade e classe ficariam de lado, afirmaram pesquisadores que faziam parte da pequena parcela conectada da população. A realidade era muito diferente disso, como sabiam tanto as maiorias demográficas reais quanto as camadas mais violentas da branquitude. Nos anos 90 supremacistas brancos já planejavam uma reconexão e expansão global, através da internet, que dá seus frutos tóxicos hoje em todo o mundo.         

Processo similar aconteceu na última década com a empolgação quanto a conceitos como big data ou inteligência artificial. Os mais inocentes e os mais cínicos convergiram publicamente a acreditar ou defender que a abundância na geração de dados e a capacidade computacional para analisá-los levariam ao fortalecimento da produção democrática de conhecimento sobre as questões públicas. Testemunhamos o contrário: um aprofundamento do abismo entre cidadãos comuns – que, de fato, possuem mais acesso à informação do que antes – e corporações que concentram exponencialmente não só as informações e sua capacidade de interpretação analítica, mas também a aplicação de conhecimento operacionalizado na concentração de capitais e esfarelamento das instituições públicas.

Interpretações generalistas e totalizantes sobre os usos, apropriações, narrativas e contra-narrativas das tecnologias da comunicação ficaram, portanto, ainda mais anacrônicas. Mas às pioneiras e pioneiros de estudos críticos da comunicação digital somam-se cada vez mais pesquisadoras/es interessadas e instrumentalizadas a contar as histórias dos subalternizados, empenhadas em desvelar fenômenos, objetos e dinâmicas invisibilizadas por academias elitistas ainda a serviço de uma supremacia branca global.

O livro “Comunidades, Algoritmos e Ativismos: olhares afrodiaspóricos” é uma das muitas iniciativas de combate a cegueiras supostamente pós-raciais. Visando colaborar no preenchimento das muitas lacunas bibliográficas que tolhem a oferta bibliográfica de estudantes do Brasil e países lusófonos, o livro reúne 14 capítulos de pesquisadoras e pesquisadores provenientes e com conhecimento científico e experiencial dos Brasis e de países da Afrodiáspora e África, como Congo, Etiópia, Gana, Nigeria, Colômbia, Estados Unidos e Reino Unido. O principal objetivo da publicação é reunir reflexões diversas e multidisciplinares sobre as interfaces dentre os fenômenos da comunicação digital, raça, negritude e branquitude nos últimos 20 anos, oferecendo material de referência para estudantes e pesquisadoras/es em diversos níveis.

Através da tradução de textos estrangeiros inéditos em português e atualização e redação de publicações selecionadas de brasileiras/os, o livro colabora com a crescente complexificação do pensamento sobre a comunicação digital e internet resultante da diversificação dos olhares e falas nos espaços acadêmicos. Da matemática na divinação Ifá ao ativismo político, os temas e objetos dos capítulos passam por transição capilar, blackfishing, afroempreendedorismo, Black Twitter, contra-narrativas ao racismo e métodos digitais de pesquisa apropriados à complexidade das plataformas, algoritmos e relações de poder incorporadas nas materialidades digitais racializadas.

Abrindo o livro, o artigo “Retomando nosso fôlego: Estudos de Ciência e Tecnologia, Teoria Racial Crítica e a imaginação carcerária” de Ruha Benjamin propõe o conceito de Critical Race STS como nexo essencial para entender a imaginação carcerária que motiva a criação e formatação das tecnologias digitais empregadas cotidianamente no controle, classificação e fixação dos corpos.  Partindo da metáfora da respiração e do fôlego, repetidamente negados a afro-americanos e afro-brasileiros sufocados por forças policiais, Benjamin nos convoca a repensar os projetos da sociologia e dos estudos de ciência, tecnologia e sociedade.

Como resultado de amplo estudo sobre discurso de ódio, Luiz Valério P. Trindade apresenta, logo na introdução do texto “Mídias sociais e a naturalização de discursos racistas no Brasil“, um resgate da invisibilidade da “questão” – longe de ser apenas uma inflexão – racial na pesquisa sobre comunicação digital e internet. Esta invisibilidade é combatida a seguir em seu trabalho, que evoca a literatura e metodologia científica para compreender como o racismo à brasileira se desdobra nos discursos digitais circulados em mídias sociais.

Realizando a ponte entre as realidades brasileira e colombiana, Niousha Roshani apresenta dados e reflexões sobre o racismo nos dois países em diversas esferas, da econômica à midiática. O artigo “Discurso de Ódio e Anti-Racismo Digital: ativismo da juventude afrodescendente no Brasil e Colômbia” inclui também mapeamento de projetos da sociedade civil que oferecem contra-narrativas e reações à sociedade racista nestes países latino-americanos.

A partir de longo histórico de pesquisa sobre o Black Twitter, Andre Brock organiza o método “Análise Crítica Tecnocultural do Discurso”. Influenciado pela abordagem histórico-discursiva, Brock sugere princípios, pilares e expectativas para o método, que vê a cultura como artefato tecnológico e, portanto, combina análise das materialidades e articulações sociais-políticas na compreensão da produção de significado em rede.

A transição capilar, fenômeno que se intensificou na última década graças à convergência de aspectos econômicos, políticos e ideológicos é o tema agregador das comunidades investigadas por Larisse Pontes Gomes. Em “Estéticas em transformação: a experiência de mulheres negras na transição capilar em grupos virtuais“, a autora estuda como as tecnologias de comunicação digital foram transformadas em ferramentas afetivas e decoloniais para as mulheres negras no apoio mútuo e expansão da autoestima.

 Também na seara da política da estética, Ronaldo Araújo e Jobson da Silva Junior apresentam as micronarrativas de racismo no Twitter em torno de um fenômeno em ascensão, ainda que não exatamente novo: o blackfishing. Em “Blackfishing e a transformação transracial monetizada“, os autores apresentam e discutem o fenômeno, assim como as controvérsias resultantes.

Em “Racismo Algorítmico em Plataformas Digitais: microagressões e discriminação em código”, Tarcízio Silva apresenta o pensamento sobre as microagressões como método para discutir o racismo digital e suas novas e perversas manifestações algorítmicas. Argumentamos que a reprodução pervasiva das ideologias racistas em bases de dados, representações visuais e recomendação de conteúdo nas plataformas digitais podem ser compreendidas a partir desta chave conceitual.

Explorando levantamento de dados em bancos de imagens, Fernanda Carrera estuda as dinâmicas de produção e reprodução de representações racistas no Shutterstock, Stockphotos e Getty Images. Em “Racismo e sexismo em bancos de imagens digitais: análise de resultados de busca e atribuição de relevância na dimensão financeira/profissional” resultados a buscas imbuídas de valoração na sociedade contemporânea, tais como “chefe” ou “secretária/o” e “pobreza” são analisados em suas representações raciais e visibilidades nos sites em questão.

Dedicada também à centralidade da questão algorítmica na contemporaneidade, Abeba Birhane discute as faces do poder colonial transformado em mecanismos invisíveis de controle das plataformas, padrões tecnológicos e negócios digitais. O texto “Colonização Algorítmica da África” discute e enfrenta as interpretações neocoloniais sobre a “mineração” de dados e conhecimento sobre o continente africano.

A partir de um ponto de vista africano sobre o ativismo digital, o texto a seguir defende uma perspectiva continental sobre o tema frente a repressão de projetos autoritários. Referenciando o evergetismo cívico, Serge Katembera nos apresenta sua análise sobre o “Ativismo Digital na África: demandas, agendas e perspectivas“.

Os ciberativismos do feminismo negro, os pontos de convergência e particularidades de pensadoras e ativistas negras sobre a questão nos são apresentados por Thiane Neves Barros em “uma autobiografia de milhares de vozes”. O texto “’Estamos em marcha’: Escrevivendo, agindo e quebrando códigos” resgata pontos das construções intelectuais de feministas negras na academia e para além.

Em “Mulheres e tecnologias de sobrevivência: Economia Étnica e Afroempreendedorismo”, Taís Oliveira e Dulcilei C. Lima apresentam as particularidades do afroempreendedorismo das mulheres no Brasil a partir da exploração das fortalezas e contradições dos estudos sobre economia étnica. A partir do pensamento e realidade afrobrasileiras sobre o tema e dados provenientes de duas pesquisas realizadas pelas autoras sobre feminismo negro na internet e práticas de empreendedores, apresentam a ideia de tecnologias de sobrevivência.

Lembrando das ancestralidades e ideações milenares, Femi O. Alamu, Halleluyah Aworinde e Walter Isharufe nos mostram como a divinação Ifá tem paralelos – e precede – processos típicos da Computação. Tanto a estrutura de cálculo dos 256 Odus e quanto o fluxograma das operações Entrada-Processo-Saída na relação entre sacerdote e cliente são explorados em “Estudo Comparativo entre o Sistema de Divinação Ifá e Ciência da Computação”.

Encerrando o livro, “Articulando e performando desenvolvimento: retornantes qualificados no negócio de TICs do Gana” de Seyram Avle  investiga motivações, percepções e trajetórias profissionais e empreendedoras de emigrantes ganenses que retornaram ao país depois de formação global no exterior, sobretudo em países do Norte. Os retornantes impulsionam ideias particulares de responsabilidade com o país e desenvolvimento tecnológico de Gana.

Fluxos em Redes Sociotécnicas: das micronarrativas ao big data

Fluxos em redes sociotécnicas: das micronarrativas ao big data” é a primeira obra coletiva do Grupo de Pesquisa (GP) “Comunicação e Cultura Digital” da Intercom. Com organização de Beatriz Polivanov, Willian Araújo, Caio C. G. Oliveira e Tarcízio Silva, a coletânea é composta por prefácio de Sandra Montardo e Adriana Amaral e 14 artigos cujas versões iniciais foram submetidas e apresentadas no GP no ano de 2019 e posteriormente revisadas, a partir das sugestões dos pareceristas e debates ocorridos no encontro em Belém do Pará. A publicação reúne textos que abordam as múltiplas implicações que a circulação de narrativas e grandes dados gera no contexto das redes sociotécnicas em termos de fluxos comunicacionais, buscando explorar conflitos e negociações emergentes dentre diversos agentes e instituições.

O livro está dividido em quatro partes: 1) “Narrativas pessoais, práticas de consumo e disputas de sentido na cultura digital”; 2) “Epistemologias decoloniais”; 3) “O que fazem as máquinas e como pesquisá-las? Reflexões sobre plataformas e seus algoritmos” e 4) “Política e opinião pública em um Brasil (des)conectado”. Os autores são de distintas instituições de ensino brasileiras e apresentam referencial teórico e metodológico, bem como objetos empíricos de análise variados, trazendo contribuições diversas para o campo da Comunicação e, mais especificamente, para os estudos que se voltam para a cultura digital.

Baixe em PDF, Mobi ou EPUB!

Black Mirror – Reflexões sobre o ontem para pensarmos o amanhã em Smithereens

No último 11 de novembro participei do ciclo de debates sobre episódios de Black Mirror promovido pelo Itaú Cultural, com mediação de Christian Dunker. O texto abaixo é uma adaptação da fala sobre o episódio Smithereens. O texto está repleto de spoilers, recomendo a leitura apenas para quem assistiu ao episódio.

Talvez um dos motivos do sucesso de Black Mirror e de boas narrativas de ficção científica é a ligação com temas contemporâneos. Através de referências, analogias, metáforas e outros mecanismos de linguagem, narrativas de ficção científica nos fazem pensar – muitas vezes de forma sutil, através da imaginação sobre o futuro e novas tecnologias, relações sociais ou mesmo outros planetas.

Não é o caso de Smithereens, um dos episódios de Black Mirror que poderia ter acontecido ontem. E de certa forma, aconteceu. O episódio não usa tecnologias disruptivas como realidade virtual imersiva, robôs autônomos e inteligência artificial completa. Trata de plataformas de mídias sociais, big data e os chamados – de forma cínica – “aplicativos de economia compartilhada”.

Black Mirror nos lembra, neste episódio, que muito do que a ficção científica discute são relações de poder e controle na sociedade – e o que temos hoje em aparatos sociotecnológicos pode ser assustador, se tivermos tempo para refletir.

Geralmente não temos tempo para esta reflexão. Precisamos cuidar das demandas do dia a dia e vamos sendo integrados quase inconscientemente aos fluxos de comportamento moldados pelas tecnologias eleitas pelo capitalismo ultra tecnológico.

Mas algo de diferente acontece no momento da crise, da controvérsia, de algo que nos tira da normalidade e do cotidiano. Frequentemente pode ser um evento traumático, como o gatilho para as ações do protagonista.  Cada episódio ou trecho de obras como Black Mirror pode ser analisado por várias óticas ou enquadramentos que tocam em variadas camadas de interpretação.

Gostaria de focar meu comentário tratando de cinco delas aqui, brevemente: a) capitalismo de plataforma; b) radicalização por dados; c) assimetrias do conhecimento; d) hierarquia da desconexão; e) e a dualidade entre o sintético e o afetivo.

 

CAPITALISMO DE PLATAFORMA E DESIGUALDADE SOCIAL

Um ponto central do episódio gira em torno das reflexões sobre o capitalismo de plataforma e sua relação com a desigualdade social. O protagonista ser motorista de um aplicativo, chamado Hitcher, tem uma dupla função. A primeira, narrativa, é que o põe em um local de privilégio para conseguir acessar o funcionário da Smithereens de forma verossímil.

A segunda função é a representação da uma mazela gigantesca no mundo atual: a concentração de renda e negócios por um punhado de empresas da tecnologia. Isto empurra pessoas para o desemprego ou informalidade glorificada em aplicativos de transporte, entrega e freelancers com condições cada vez piores.

Antes do título do episódio, o protagonista conversa com uma passageira que visitou a sede do Smithereens que comenta quanto dinheiro a organização possui – a tomada a seguir mostra o protagonista em um restaurante popular irritado com o excesso de uso dos smartphones.

Bem mais para a frente, o negociador fala de um possível motivador – raiva por ser alguém de alto intelecto e baixa renda, com uma espécie de inveja do Billy Bauer. O protagonista era um professor de TI que passou a ser motorista de aplicativo, sujeito às regras definidas de forma impessoal e entregues na tela do smartphone.

No final das contas, não era esse o principal motivador, mas a série mostra o acúmulo de problemas da relação entre cidadão e organizações apenas através de interfaces e algoritmos.

E estes problemas mesmo que não sejam todos relacionados a dinheiro, se multiplicam com a mediação que as plataformas fazem de nossa vida. Consumo de mídia, afetos, alimentação, transporte e outros são permeados e colonizados por plataformas que se tornam intermediárias em nossas vidas.

 

RADICALIZAÇÃO

Um terceiro ponto a ser discutido é a radicalização motivada pelo excesso, erro ou influência de dados e informações. Este tipo de radicalização individual motivada por informações ou métricas digitais tem histórico.

Um caso é o de Dylann Roof, terrorista americano que assassinou 9 pessoas numa igreja em Charleston em 2017. Dylann é o típico terrorista contemporâneo ocidental: branco, homem, jovem e frustrado por não conseguir aproveitar os privilégios de sua posição em um mundo cada vez mais desigual. Foi radicalizado pela internet em fóruns supremacistas brancos, mas um detalhe merece atenção. Foi descoberto que ele acessou desinformação sobre crimes entre brancos e negros nos Estados Unidos. Ao pesquisar termos como “assassinatos de brancos”, Dylann Roof recebeu sugestões na ferramenta do “Autocompletar” na busca da Google que davam a entender que o volume de mortes era muito maior do que o real. Em depoimento ao FBI, citou como motivação represália sobre este crimes. Aqui temos um exemplo claro, ainda que indireto, do potencial de dano que vieses na interface ou algoritmos podem ter.

Um pouco similar, mas não tão trágico, foi o caso de Nasim Aghdam, cidadã iraniana que vivia nos Estados Unidos já há mais de 25 anos. Nasim era uma produtora de conteúdo, sobretudo no YouTube, sobre temas variados: desejava ganhar a vida com conteúdo no YouTube sobre ativismo vegano e fitness. Publicava em 4 línguas diferentes e começou a ganhar notoriedade, mas o YouTube mudou as regras de monetização e seus vídeos pararam de gerar receita.

Depois de tentar mudar a situação e falar com alguém do YouTube para mostrar sua insatisfação, Nasim foi até a sede da plataforma, atirou em 3 pessoas e depois em si mesma, falecendo no local. Não houve nenhuma outra vítima fatal, mas o caso nos leva e pensar como a dualidade entre oportunidades e restrições oferecidas pelas mídias sociais pode ser problemática.

No episódio o caso da amiga do protagonista buscando informações sobre motivações de sua filha para tentar o suicídio é de cortar o coração. Assim como milhões de pessoas, não tem a possibilidade de burlar a interface. A plataforma tem suas regras de suposta “privacidade” que não permitem exceções, a não ser para otimizar os lucros das organizações.

Os “memoriais” são citados no episódio. Na medida em que mais e mais pessoas com presença online faleceram, as plataformas realizaram pesquisa e ofereceram a possibilidade de criação de memoriais com o passado online dessas pessoas. Controversos, os memoriais ainda que ajudem no luto de familiares, tem como resultado financeiro continuar a gerar visualizações e receita de anúncios para as plataformas. No caso do episódio e de muitos outros, o dado registrado continua importante, mas o sentimento do familiar tentando entender a questão, não.

 

ASSIMETRIAS DO CONHECIMENTO

Diretamente relacionado aos temas anteriores, temos também a questão essencial das assimetrias do conhecimento ou do acesso à informação atualmente. O episódio não inclui personagens fortes da polícia londrina e FBI por acaso.

A chefe da polícia londrina e o representante do FBI representam o poder público e estatal em contraposição ao poder comercial das plataformas. Em diversos momentos, as plataformas estão mais equipadas para tanto descobrir informações sobre o protagonista quanto para tomar decisões.

Pesquisadores e ativistas tem observado este fenômeno nos últimos 10 anos. Fala-se de redistribuição dos métodos na sociedade – se historicamente nos últimos séculos, a Igreja, Estado e a Universidade foram as instituições mais equipadas para analisar as populações, hoje são empresas comerciais ligadas a plataformas de mídias sociais, web e tecnologias digitais.

Isto cria desafios para a sociedade e democracia. Se governos e universidades não são capazes de interpretar a realidade social de forma tão precisa quanto organizações comerciais, o poder se direciona ainda mais para a busca desenfreada de lucros, custo o que custar.

Esta é uma crise que estamos vendo agora em diversas frentes. Golpes políticos, linchamentos, desinformação tem sido impulsionados por plataformas como Whatsapp e Facebook, mas estas plataformas alegam serem apenas tecnologia.

Porém, há muitas evidências e um enorme histórico que mostra como organizações como Facebook, Alphabet, Apple, Microsoft e Amazon realizam experimentos de engenharia social de forma constante.

Em 2013 um polêmico experimento realizado por cientistas do Facebook, entretanto, levantou questões sobre a ética sempre duvidosa da empresa: manipularam o feed de um grupo seleto de usuários para testar a influência de “positividade” e “negatividade” nas redes sociais.

Descobriram que, ao exibir menos publicações de caráter negativo (através de um sistema de identificação de termos negativos baseado num dicionário da língua inglesa), os usuários estavam mais propensos a compartilhar mensagens e/ou publicações positivas – e vice-versa, numa espécie de contágio social. O estudo envolveu quase 700 mil pessoas que não sabiam que estavam sendo estudadas e manipuladas. Este foi apenas um de dezenas de estudos publicizados por grupos como o do Facebook, mas a extensão dos experimentos não é conhecida.

A telinha da ferramenta analítica do usuário não é ficção científica. São informações comportamentais que efetivamente podem ser levantadas e cruzadas com milhões de outros pontos de dados. Identificação de palavras, padrões de uso, ausências, likes e amizades podem dizer muito.

 

HIERARQUIAS DA DESCONEXÃO

Temos então disrupções nas práticas éticas, acesso a dados e hierarquias. Assim como as hierarquias do conhecimento, as “Hierarquias da Conexão e da Desconexão” são outro ponto abordado indiretamente pelo episódio. O Billy Bauer, fundador da Smithereens, está num retiro de desconexão, quase inacessível.

Já há inúmeros relatos de como profissionais de tecnologia tem evitado o uso excesso de smartphones e mídias sociais no dia a dia; sobretudo na educação dos filhos.

Mas e quanto aos cidadãos “normais”? Aqui temos uma assimetria gigantesca. As pessoas na base da pirâmide econômica não podem deixar as plataformas digitais totalmente de lado, pois elas colonizaram quase todos os segmentos econômicos. Não ter presença digital ou não usar aplicativos no smartphone é quase impossível.

Numa das cenas finais, depois da aparente resolução da principal questão do episódio, temos um contraste. As cenas mostrando a população vendo a notícia derradeira sobre o sequestro inclui novamente um motorista de aplicativo, em contraste com o dono da Smithereens voltando a seu retiro de silêncio.

Para muitas pessoas não é possível ignorar as plataformas, a gestão do tempo e demandas com os aplicativos é uma questão de sobrevivência.

 

O SINTÉTICO E O AFETIVO

O episódio se encerra com uma reflexão sobre o sintético e o afetivo. Eu gosto muito do termo “sintético”. Originalmente se popularizou para falar de materiais produzidos artificialmente, desenvolvidos em laboratório, em contraposição a materiais extraídos diretamente da natureza como nylon, acrílico e poliestireno, que ficaram populares no século 20. Muitos trabalhos de ficção científica, como Blade Runner, usou o termo “sintético” para se referir a robôs autônomos e ciborgues.

O termo caiu em desuso, mas acho que vale resgatarmos sua raiz. A raiz de “síntese” vem de composição, reunir coisas para formar um todo que não é natural. Mas esta reunião geralmente significa que é um todo menor que suas partes.

Quando pensamos em big data é disto que estamos falando. Apesar de empresas similares à Smithereens conseguirem juntar centenas de dados de milhões de pessoas ao mesmo tempo para identificar um padrão e ter impacto, não significa que servirá para o indivíduo único.

A complexidade de um humano é muito maior do que um relatório que analise 100 milhões de humanos de uma vez só. Mas para os modelos de negócio das plataformas darem certo, os humanos são transformados em um punhado de rastros e traços que os simplificam – ainda que parecem muitos.

Vemos isto nas sugestões dadas a Billy Bauer no telefone, por psicólogos que usaram os dados da plataforma para conduzir a conversa.

Quando as primeiras sugestões dão errado, Billy Bauer é sincero de verdade pela primeira vez: ele não sabe o que responder sobre o relato do protagonista.

A partir daí uma conexão possível é realizada entre o Billy Bauer, que apesar de sua ganância e estar à frente da plataforma, é tolhido por toda a rede da corporação e capital financeiro que define as direções do ambiente.

 

Ao final, por fim, a metalinguagem coloca o toque final do episódio.  Durante 1 hora acompanhamos com ansiedade e suspense o desfecho. Será que Jaden sobreviverá? O que será que Gillhaney irá fazer? E pq a filha de Halley se suicidou?

Saber uma destas respostas nos daria uma descarga de emoção – alívio, raiva, indignação, surpresa… No mundo do episódio, o desfecho sobre Jaden e Gillhaney foi público. Impactou milhões de pessoas que acompanhavam, viciadas em emoções passageiras, e logo depois estas pessoas voltam a seus dia a dia.

Para elas apenas um post emocionante a mais. Para os envolvidos de fato, questão de vida ou morte. O desfecho nos faz lembrar disso: não precisamos ser voyeurs de tudo.

 

Leia mais sobre o tema: