Colonização Algorítmica da África

Talvez um dos exemplos mais cínicos do caráter predatório das grandes corporações de plataformas seja o projeto Internet.org. Lançado pelo Facebook e empresas de infraestrutura, foi ao ar em 2013 com a suposta missão de “oferecer acesso à internet e os benefícios da conectividade à porção do mundo que ainda não as tem”. Na prática tinha como objetivo realizar um verdadeiro dumping de tecnologia em países do Sul Global como Brasil, Índia, Senegal, Quênia e outros países da África, Sudeste Asiático e América Latina. O primeiro impacto é gerar oligopólios, destruindo a neutralidade de rede nos locais, pois o acesso à internet oferecido pelo grupo e seus parceiros só poderia dar acesso a um punhado de serviços e websites.

O segundo impacto, mais relevante e de longa duração, com efeitos na economia, soberania, cultura e política é a construção de sistemas de infraestrutura, acesso e software que favorecem a extração de valores através da lógica de big data e correlações algorítmicas sobre os dados das populações destes países. Apesar do projeto Internet.org ter sido rechaçado em muitos países, alguns o aceitaram e, no final das contas, representa apenas uma face mais explícita do colonialismo algorítmico exercido por inúmeros meios.

Este é o tema principal do capítulo Colonização Algorítmica da África, publicado no livro Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos.

Convidei para o livro a premiada pesquisadora etíope Abeba Birhane, pesquisadora doutoral em Ciência Cognitiva na Escola de Ciência da Computação da University College Dublin.

No capítulo, Birhane nos descreve sobre a onda de enquadramento discursivo que busca posicionar a África como fonte de dados, “coleta de dados” que estariam disponíveis em um “data-rich continent”, termos que evocam a lógica colonial removendo o indivíduo.

Na primeira parte do capítulo, Birhane cita especialmente o caso sobre como o Facebook desenvolveu, usando imagens de satélite, um mapa de densidade populacional da África. A empresa se designou como responsável e autorizada a desenvolver este projeto sem articulação com os povos da África, sem refletir sobre o que é percebido como conhecimento legítimo sobre a população do continente.

As velhas justificativas a-históricas de “fornecer ajuda humanitária” e afins são usadas, subestimando como os diferentes povos e regiões da África avaliam suas prioridades.

Ao distinguir o poder colonial tradicional e o colonialismo algorítmico, Abeba Birhane diz que:

O poder colonial tradicional busca poder unilateral e dominação sobre as pessoas colonizadas. Declara o controle das esferas social, econômica e política, reordenando e reinventando a ordem social de uma maneira que o beneficie. Na era dos algoritmos, essa dominação ocorre não por força física bruta, mas por mecanismos invisíveis e diferenciados de controle do ecossistema digital e da infraestrutura digital. O colonialismo tradicional e o colonialismo algorítmico compartilham o desejo comum de dominar, monitorar e influenciar o discurso social, político e cultural através do controle dos principais meios de comunicação e infraestrutura.

Através de relatos sobre a conferência CyFyAfrica, Birhane mostra como formadores de opinião tem reproduzido acriticamente concepções erradas sobre questões relevantes para o continente, como por exemplo vincular o terrorismo online apenas a grupos islâmicos. O trabalho dialoga autoras americanas que criticam a falsa neutralidade da tecnologia, como O’Neil, Noble e Zuboff em conversa com pensadores de países africanos como Michael Kimani e Heidi Swart.

Leia o capítulo completo no livro que pode ser comprado na editora LiteraRUA ou baixado gratuitamente em PDF.

Acompanhe Abeba Birhane no Twitter e confira vídeos no YouTube, como esta palestra sobre injustiça algorítmica e ética relacional:

Lançado: “Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos”

Lançado! Depois de muito trabalho, o livro “Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos” está no ar para compra e/ou download. Reproduzo a seguir a apresentação do livro:

Ao longo das últimas décadas, inúmeras ideias sobre o “virtual”, o “digital” ou a “cibercultura” ganharam tração nos espaços acadêmicos e vernaculares interessados em estudar o impacto (ou relação) da internet na sociedade. Figuras de linguagem que evocavam a internet como composta de “janelas” a outros mundos possíveis também foram aplicadas a indivíduos, grupos e suas identidades.

A comunicação mediada por computador permitiria até o abandono de afiliações identitárias, disseram muitos. Gênero, raça, etnia, nacionalidade e classe ficariam de lado, afirmaram pesquisadores que faziam parte da pequena parcela conectada da população. A realidade era muito diferente disso, como sabiam tanto as maiorias demográficas reais quanto as camadas mais violentas da branquitude. Nos anos 90 supremacistas brancos já planejavam uma reconexão e expansão global, através da internet, que dá seus frutos tóxicos hoje em todo o mundo.         

Processo similar aconteceu na última década com a empolgação quanto a conceitos como big data ou inteligência artificial. Os mais inocentes e os mais cínicos convergiram publicamente a acreditar ou defender que a abundância na geração de dados e a capacidade computacional para analisá-los levariam ao fortalecimento da produção democrática de conhecimento sobre as questões públicas. Testemunhamos o contrário: um aprofundamento do abismo entre cidadãos comuns – que, de fato, possuem mais acesso à informação do que antes – e corporações que concentram exponencialmente não só as informações e sua capacidade de interpretação analítica, mas também a aplicação de conhecimento operacionalizado na concentração de capitais e esfarelamento das instituições públicas.

Interpretações generalistas e totalizantes sobre os usos, apropriações, narrativas e contra-narrativas das tecnologias da comunicação ficaram, portanto, ainda mais anacrônicas. Mas às pioneiras e pioneiros de estudos críticos da comunicação digital somam-se cada vez mais pesquisadoras/es interessadas e instrumentalizadas a contar as histórias dos subalternizados, empenhadas em desvelar fenômenos, objetos e dinâmicas invisibilizadas por academias elitistas ainda a serviço de uma supremacia branca global.

O livro “Comunidades, Algoritmos e Ativismos: olhares afrodiaspóricos” é uma das muitas iniciativas de combate a cegueiras supostamente pós-raciais. Visando colaborar no preenchimento das muitas lacunas bibliográficas que tolhem a oferta bibliográfica de estudantes do Brasil e países lusófonos, o livro reúne 14 capítulos de pesquisadoras e pesquisadores provenientes e com conhecimento científico e experiencial dos Brasis e de países da Afrodiáspora e África, como Congo, Etiópia, Gana, Nigeria, Colômbia, Estados Unidos e Reino Unido. O principal objetivo da publicação é reunir reflexões diversas e multidisciplinares sobre as interfaces dentre os fenômenos da comunicação digital, raça, negritude e branquitude nos últimos 20 anos, oferecendo material de referência para estudantes e pesquisadoras/es em diversos níveis.

Através da tradução de textos estrangeiros inéditos em português e atualização e redação de publicações selecionadas de brasileiras/os, o livro colabora com a crescente complexificação do pensamento sobre a comunicação digital e internet resultante da diversificação dos olhares e falas nos espaços acadêmicos. Da matemática na divinação Ifá ao ativismo político, os temas e objetos dos capítulos passam por transição capilar, blackfishing, afroempreendedorismo, Black Twitter, contra-narrativas ao racismo e métodos digitais de pesquisa apropriados à complexidade das plataformas, algoritmos e relações de poder incorporadas nas materialidades digitais racializadas.

Abrindo o livro, o artigo “Retomando nosso fôlego: Estudos de Ciência e Tecnologia, Teoria Racial Crítica e a imaginação carcerária” de Ruha Benjamin propõe o conceito de Critical Race STS como nexo essencial para entender a imaginação carcerária que motiva a criação e formatação das tecnologias digitais empregadas cotidianamente no controle, classificação e fixação dos corpos.  Partindo da metáfora da respiração e do fôlego, repetidamente negados a afro-americanos e afro-brasileiros sufocados por forças policiais, Benjamin nos convoca a repensar os projetos da sociologia e dos estudos de ciência, tecnologia e sociedade.

Como resultado de amplo estudo sobre discurso de ódio, Luiz Valério P. Trindade apresenta, logo na introdução do texto “Mídias sociais e a naturalização de discursos racistas no Brasil“, um resgate da invisibilidade da “questão” – longe de ser apenas uma inflexão – racial na pesquisa sobre comunicação digital e internet. Esta invisibilidade é combatida a seguir em seu trabalho, que evoca a literatura e metodologia científica para compreender como o racismo à brasileira se desdobra nos discursos digitais circulados em mídias sociais.

Realizando a ponte entre as realidades brasileira e colombiana, Niousha Roshani apresenta dados e reflexões sobre o racismo nos dois países em diversas esferas, da econômica à midiática. O artigo “Discurso de Ódio e Anti-Racismo Digital: ativismo da juventude afrodescendente no Brasil e Colômbia” inclui também mapeamento de projetos da sociedade civil que oferecem contra-narrativas e reações à sociedade racista nestes países latino-americanos.

A partir de longo histórico de pesquisa sobre o Black Twitter, Andre Brock organiza o método “Análise Crítica Tecnocultural do Discurso”. Influenciado pela abordagem histórico-discursiva, Brock sugere princípios, pilares e expectativas para o método, que vê a cultura como artefato tecnológico e, portanto, combina análise das materialidades e articulações sociais-políticas na compreensão da produção de significado em rede.

A transição capilar, fenômeno que se intensificou na última década graças à convergência de aspectos econômicos, políticos e ideológicos é o tema agregador das comunidades investigadas por Larisse Pontes Gomes. Em “Estéticas em transformação: a experiência de mulheres negras na transição capilar em grupos virtuais“, a autora estuda como as tecnologias de comunicação digital foram transformadas em ferramentas afetivas e decoloniais para as mulheres negras no apoio mútuo e expansão da autoestima.

 Também na seara da política da estética, Ronaldo Araújo e Jobson da Silva Junior apresentam as micronarrativas de racismo no Twitter em torno de um fenômeno em ascensão, ainda que não exatamente novo: o blackfishing. Em “Blackfishing e a transformação transracial monetizada“, os autores apresentam e discutem o fenômeno, assim como as controvérsias resultantes.

Em “Racismo Algorítmico em Plataformas Digitais: microagressões e discriminação em código”, Tarcízio Silva apresenta o pensamento sobre as microagressões como método para discutir o racismo digital e suas novas e perversas manifestações algorítmicas. Argumentamos que a reprodução pervasiva das ideologias racistas em bases de dados, representações visuais e recomendação de conteúdo nas plataformas digitais podem ser compreendidas a partir desta chave conceitual.

Explorando levantamento de dados em bancos de imagens, Fernanda Carrera estuda as dinâmicas de produção e reprodução de representações racistas no Shutterstock, Stockphotos e Getty Images. Em “Racismo e sexismo em bancos de imagens digitais: análise de resultados de busca e atribuição de relevância na dimensão financeira/profissional” resultados a buscas imbuídas de valoração na sociedade contemporânea, tais como “chefe” ou “secretária/o” e “pobreza” são analisados em suas representações raciais e visibilidades nos sites em questão.

Dedicada também à centralidade da questão algorítmica na contemporaneidade, Abeba Birhane discute as faces do poder colonial transformado em mecanismos invisíveis de controle das plataformas, padrões tecnológicos e negócios digitais. O texto “Colonização Algorítmica da África” discute e enfrenta as interpretações neocoloniais sobre a “mineração” de dados e conhecimento sobre o continente africano.

A partir de um ponto de vista africano sobre o ativismo digital, o texto a seguir defende uma perspectiva continental sobre o tema frente a repressão de projetos autoritários. Referenciando o evergetismo cívico, Serge Katembera nos apresenta sua análise sobre o “Ativismo Digital na África: demandas, agendas e perspectivas“.

Os ciberativismos do feminismo negro, os pontos de convergência e particularidades de pensadoras e ativistas negras sobre a questão nos são apresentados por Thiane Neves Barros em “uma autobiografia de milhares de vozes”. O texto “’Estamos em marcha’: Escrevivendo, agindo e quebrando códigos” resgata pontos das construções intelectuais de feministas negras na academia e para além.

Em “Mulheres e tecnologias de sobrevivência: Economia Étnica e Afroempreendedorismo”, Taís Oliveira e Dulcilei C. Lima apresentam as particularidades do afroempreendedorismo das mulheres no Brasil a partir da exploração das fortalezas e contradições dos estudos sobre economia étnica. A partir do pensamento e realidade afrobrasileiras sobre o tema e dados provenientes de duas pesquisas realizadas pelas autoras sobre feminismo negro na internet e práticas de empreendedores, apresentam a ideia de tecnologias de sobrevivência.

Lembrando das ancestralidades e ideações milenares, Femi O. Alamu, Halleluyah Aworinde e Walter Isharufe nos mostram como a divinação Ifá tem paralelos – e precede – processos típicos da Computação. Tanto a estrutura de cálculo dos 256 Odus e quanto o fluxograma das operações Entrada-Processo-Saída na relação entre sacerdote e cliente são explorados em “Estudo Comparativo entre o Sistema de Divinação Ifá e Ciência da Computação”.

Encerrando o livro, “Articulando e performando desenvolvimento: retornantes qualificados no negócio de TICs do Gana” de Seyram Avle  investiga motivações, percepções e trajetórias profissionais e empreendedoras de emigrantes ganenses que retornaram ao país depois de formação global no exterior, sobretudo em países do Norte. Os retornantes impulsionam ideias particulares de responsabilidade com o país e desenvolvimento tecnológico de Gana.

Podcast Tecnopolítica: debates sobre algoritmos, vigilância e direitos

O podcast Tecnopolítica chegou ao seu terceiro ano! Um dos principais hubs de especialistas em algoritmos, vigilância e direitos humanos do país foi lançado em 2018 e é um projeto do professor e pesquisador Sérgio Amadeu da Silveira (UFABC). Veja alguns dos mais interessantes produzidos:

Já são 26 vídeos: não perca os novos se inscrevendo em https://www.youtube.com/channel/UCDy46jf2mcg8xySzrqV5pxw

Fluxos em Redes Sociotécnicas: das micronarrativas ao big data

Fluxos em redes sociotécnicas: das micronarrativas ao big data” é a primeira obra coletiva do Grupo de Pesquisa (GP) “Comunicação e Cultura Digital” da Intercom. Com organização de Beatriz Polivanov, Willian Araújo, Caio C. G. Oliveira e Tarcízio Silva, a coletânea é composta por prefácio de Sandra Montardo e Adriana Amaral e 14 artigos cujas versões iniciais foram submetidas e apresentadas no GP no ano de 2019 e posteriormente revisadas, a partir das sugestões dos pareceristas e debates ocorridos no encontro em Belém do Pará. A publicação reúne textos que abordam as múltiplas implicações que a circulação de narrativas e grandes dados gera no contexto das redes sociotécnicas em termos de fluxos comunicacionais, buscando explorar conflitos e negociações emergentes dentre diversos agentes e instituições.

O livro está dividido em quatro partes: 1) “Narrativas pessoais, práticas de consumo e disputas de sentido na cultura digital”; 2) “Epistemologias decoloniais”; 3) “O que fazem as máquinas e como pesquisá-las? Reflexões sobre plataformas e seus algoritmos” e 4) “Política e opinião pública em um Brasil (des)conectado”. Os autores são de distintas instituições de ensino brasileiras e apresentam referencial teórico e metodológico, bem como objetos empíricos de análise variados, trazendo contribuições diversas para o campo da Comunicação e, mais especificamente, para os estudos que se voltam para a cultura digital.

Baixe em PDF, Mobi ou EPUB!

Racismo Algorítmico em Plataformas Digitais: microagressões e discriminação em código

Apresentei nesta última semana o artigo Racismo Algorítmico em Plataformas Digitais: microagressões e discriminação em código no Simpósio da LAVITS, em Salvador. O trabalho compõe minha pesquisa de doutorado e parte da análise de ambientes como Facebook, Twitter, YouTube e marketplaces de aplicativos mobile, que são mecanismos centrais do capitalismo de vigilância. Os vieses algorítmicos e affordances racistas nestas plataformas digitais de publicidade estão sendo crescentemente analisados nos últimos 15 anos por pesquisadoras informadas por perspectivas variadas. Como resultado estão em desenvolvimento iniciativas de auditoria de algoritmos e plataformas, construção de datasets e procedimentos mais responsáveis, além de indicações regulatórias. A opacidade presente nas caixas-pretas dos grupos de sistemas automatizados e semi-automatizados baseados em algoritmos que regem visibilidade, classificação, vigilância e regras de uso nas plataformas digitais complexifica e dificulta esta investigação. Esta questão se aplica tanto ao desenho de processos internos quanto à configuração de algoritmos e é agravada pela ideologia da “cegueira racial”, tática que compõe historicamente do genocídio negro, que também é epistemológico.

O trabalho propõe colaborar ao campo de estudos sobre vieses algorítmicos ao aproximar a investigação sobre vieses raciais nos algoritmos de plataformas digitais ao conceito de microagressões raciais (Pierce, 1970). Estas seriam definidas como mensagens rotineiras que comunicam insultos e desprezo racial e podem ser apresentadas de forma verbal, comportamental ou ambientalmente contra grupos racializados. A pesquisa sobre microagressões raciais propõe modos de analisar, entender e combater este tipo de violência em contextos de socialização, midiáticos ou educacionais com o objetivo de minimizar o impacto na formação e pleno desenvolvimento de populações negras, entre outras. Aplicando a tipologia de microagressões proposta por Tynes et al (2018) a partir de Sue (2007) a mapeamento realizado pelo autor, o artigo discute casos de comunicação algorítmica racista em plataformas digitais ligando aspectos das plataformas a categorias e subcategorias propostas sobre microagressões.

Acesse o artigo completo no ResearchGate e confira mais publicações.