Lançado: “Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos”

Lançado! Depois de muito trabalho, o livro “Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos” está no ar para compra e/ou download. Reproduzo a seguir a apresentação do livro:

Ao longo das últimas décadas, inúmeras ideias sobre o “virtual”, o “digital” ou a “cibercultura” ganharam tração nos espaços acadêmicos e vernaculares interessados em estudar o impacto (ou relação) da internet na sociedade. Figuras de linguagem que evocavam a internet como composta de “janelas” a outros mundos possíveis também foram aplicadas a indivíduos, grupos e suas identidades.

A comunicação mediada por computador permitiria até o abandono de afiliações identitárias, disseram muitos. Gênero, raça, etnia, nacionalidade e classe ficariam de lado, afirmaram pesquisadores que faziam parte da pequena parcela conectada da população. A realidade era muito diferente disso, como sabiam tanto as maiorias demográficas reais quanto as camadas mais violentas da branquitude. Nos anos 90 supremacistas brancos já planejavam uma reconexão e expansão global, através da internet, que dá seus frutos tóxicos hoje em todo o mundo.         

Processo similar aconteceu na última década com a empolgação quanto a conceitos como big data ou inteligência artificial. Os mais inocentes e os mais cínicos convergiram publicamente a acreditar ou defender que a abundância na geração de dados e a capacidade computacional para analisá-los levariam ao fortalecimento da produção democrática de conhecimento sobre as questões públicas. Testemunhamos o contrário: um aprofundamento do abismo entre cidadãos comuns – que, de fato, possuem mais acesso à informação do que antes – e corporações que concentram exponencialmente não só as informações e sua capacidade de interpretação analítica, mas também a aplicação de conhecimento operacionalizado na concentração de capitais e esfarelamento das instituições públicas.

Interpretações generalistas e totalizantes sobre os usos, apropriações, narrativas e contra-narrativas das tecnologias da comunicação ficaram, portanto, ainda mais anacrônicas. Mas às pioneiras e pioneiros de estudos críticos da comunicação digital somam-se cada vez mais pesquisadoras/es interessadas e instrumentalizadas a contar as histórias dos subalternizados, empenhadas em desvelar fenômenos, objetos e dinâmicas invisibilizadas por academias elitistas ainda a serviço de uma supremacia branca global.

O livro “Comunidades, Algoritmos e Ativismos: olhares afrodiaspóricos” é uma das muitas iniciativas de combate a cegueiras supostamente pós-raciais. Visando colaborar no preenchimento das muitas lacunas bibliográficas que tolhem a oferta bibliográfica de estudantes do Brasil e países lusófonos, o livro reúne 14 capítulos de pesquisadoras e pesquisadores provenientes e com conhecimento científico e experiencial dos Brasis e de países da Afrodiáspora e África, como Congo, Etiópia, Gana, Nigeria, Colômbia, Estados Unidos e Reino Unido. O principal objetivo da publicação é reunir reflexões diversas e multidisciplinares sobre as interfaces dentre os fenômenos da comunicação digital, raça, negritude e branquitude nos últimos 20 anos, oferecendo material de referência para estudantes e pesquisadoras/es em diversos níveis.

Através da tradução de textos estrangeiros inéditos em português e atualização e redação de publicações selecionadas de brasileiras/os, o livro colabora com a crescente complexificação do pensamento sobre a comunicação digital e internet resultante da diversificação dos olhares e falas nos espaços acadêmicos. Da matemática na divinação Ifá ao ativismo político, os temas e objetos dos capítulos passam por transição capilar, blackfishing, afroempreendedorismo, Black Twitter, contra-narrativas ao racismo e métodos digitais de pesquisa apropriados à complexidade das plataformas, algoritmos e relações de poder incorporadas nas materialidades digitais racializadas.

Abrindo o livro, o artigo “Retomando nosso fôlego: Estudos de Ciência e Tecnologia, Teoria Racial Crítica e a imaginação carcerária” de Ruha Benjamin propõe o conceito de Critical Race STS como nexo essencial para entender a imaginação carcerária que motiva a criação e formatação das tecnologias digitais empregadas cotidianamente no controle, classificação e fixação dos corpos.  Partindo da metáfora da respiração e do fôlego, repetidamente negados a afro-americanos e afro-brasileiros sufocados por forças policiais, Benjamin nos convoca a repensar os projetos da sociologia e dos estudos de ciência, tecnologia e sociedade.

Como resultado de amplo estudo sobre discurso de ódio, Luiz Valério P. Trindade apresenta, logo na introdução do texto “Mídias sociais e a naturalização de discursos racistas no Brasil“, um resgate da invisibilidade da “questão” – longe de ser apenas uma inflexão – racial na pesquisa sobre comunicação digital e internet. Esta invisibilidade é combatida a seguir em seu trabalho, que evoca a literatura e metodologia científica para compreender como o racismo à brasileira se desdobra nos discursos digitais circulados em mídias sociais.

Realizando a ponte entre as realidades brasileira e colombiana, Niousha Roshani apresenta dados e reflexões sobre o racismo nos dois países em diversas esferas, da econômica à midiática. O artigo “Discurso de Ódio e Anti-Racismo Digital: ativismo da juventude afrodescendente no Brasil e Colômbia” inclui também mapeamento de projetos da sociedade civil que oferecem contra-narrativas e reações à sociedade racista nestes países latino-americanos.

A partir de longo histórico de pesquisa sobre o Black Twitter, Andre Brock organiza o método “Análise Crítica Tecnocultural do Discurso”. Influenciado pela abordagem histórico-discursiva, Brock sugere princípios, pilares e expectativas para o método, que vê a cultura como artefato tecnológico e, portanto, combina análise das materialidades e articulações sociais-políticas na compreensão da produção de significado em rede.

A transição capilar, fenômeno que se intensificou na última década graças à convergência de aspectos econômicos, políticos e ideológicos é o tema agregador das comunidades investigadas por Larisse Pontes Gomes. Em “Estéticas em transformação: a experiência de mulheres negras na transição capilar em grupos virtuais“, a autora estuda como as tecnologias de comunicação digital foram transformadas em ferramentas afetivas e decoloniais para as mulheres negras no apoio mútuo e expansão da autoestima.

 Também na seara da política da estética, Ronaldo Araújo e Jobson da Silva Junior apresentam as micronarrativas de racismo no Twitter em torno de um fenômeno em ascensão, ainda que não exatamente novo: o blackfishing. Em “Blackfishing e a transformação transracial monetizada“, os autores apresentam e discutem o fenômeno, assim como as controvérsias resultantes.

Em “Racismo Algorítmico em Plataformas Digitais: microagressões e discriminação em código”, Tarcízio Silva apresenta o pensamento sobre as microagressões como método para discutir o racismo digital e suas novas e perversas manifestações algorítmicas. Argumentamos que a reprodução pervasiva das ideologias racistas em bases de dados, representações visuais e recomendação de conteúdo nas plataformas digitais podem ser compreendidas a partir desta chave conceitual.

Explorando levantamento de dados em bancos de imagens, Fernanda Carrera estuda as dinâmicas de produção e reprodução de representações racistas no Shutterstock, Stockphotos e Getty Images. Em “Racismo e sexismo em bancos de imagens digitais: análise de resultados de busca e atribuição de relevância na dimensão financeira/profissional” resultados a buscas imbuídas de valoração na sociedade contemporânea, tais como “chefe” ou “secretária/o” e “pobreza” são analisados em suas representações raciais e visibilidades nos sites em questão.

Dedicada também à centralidade da questão algorítmica na contemporaneidade, Abeba Birhane discute as faces do poder colonial transformado em mecanismos invisíveis de controle das plataformas, padrões tecnológicos e negócios digitais. O texto “Colonização Algorítmica da África” discute e enfrenta as interpretações neocoloniais sobre a “mineração” de dados e conhecimento sobre o continente africano.

A partir de um ponto de vista africano sobre o ativismo digital, o texto a seguir defende uma perspectiva continental sobre o tema frente a repressão de projetos autoritários. Referenciando o evergetismo cívico, Serge Katembera nos apresenta sua análise sobre o “Ativismo Digital na África: demandas, agendas e perspectivas“.

Os ciberativismos do feminismo negro, os pontos de convergência e particularidades de pensadoras e ativistas negras sobre a questão nos são apresentados por Thiane Neves Barros em “uma autobiografia de milhares de vozes”. O texto “’Estamos em marcha’: Escrevivendo, agindo e quebrando códigos” resgata pontos das construções intelectuais de feministas negras na academia e para além.

Em “Mulheres e tecnologias de sobrevivência: Economia Étnica e Afroempreendedorismo”, Taís Oliveira e Dulcilei C. Lima apresentam as particularidades do afroempreendedorismo das mulheres no Brasil a partir da exploração das fortalezas e contradições dos estudos sobre economia étnica. A partir do pensamento e realidade afrobrasileiras sobre o tema e dados provenientes de duas pesquisas realizadas pelas autoras sobre feminismo negro na internet e práticas de empreendedores, apresentam a ideia de tecnologias de sobrevivência.

Lembrando das ancestralidades e ideações milenares, Femi O. Alamu, Halleluyah Aworinde e Walter Isharufe nos mostram como a divinação Ifá tem paralelos – e precede – processos típicos da Computação. Tanto a estrutura de cálculo dos 256 Odus e quanto o fluxograma das operações Entrada-Processo-Saída na relação entre sacerdote e cliente são explorados em “Estudo Comparativo entre o Sistema de Divinação Ifá e Ciência da Computação”.

Encerrando o livro, “Articulando e performando desenvolvimento: retornantes qualificados no negócio de TICs do Gana” de Seyram Avle  investiga motivações, percepções e trajetórias profissionais e empreendedoras de emigrantes ganenses que retornaram ao país depois de formação global no exterior, sobretudo em países do Norte. Os retornantes impulsionam ideias particulares de responsabilidade com o país e desenvolvimento tecnológico de Gana.

Podcast Tecnopolítica: debates sobre algoritmos, vigilância e direitos

O podcast Tecnopolítica chegou ao seu terceiro ano! Um dos principais hubs de especialistas em algoritmos, vigilância e direitos humanos do país foi lançado em 2018 e é um projeto do professor e pesquisador Sérgio Amadeu da Silveira (UFABC). Veja alguns dos mais interessantes produzidos:

Já são 26 vídeos: não perca os novos se inscrevendo em https://www.youtube.com/channel/UCDy46jf2mcg8xySzrqV5pxw

Fluxos em Redes Sociotécnicas: das micronarrativas ao big data

Fluxos em redes sociotécnicas: das micronarrativas ao big data” é a primeira obra coletiva do Grupo de Pesquisa (GP) “Comunicação e Cultura Digital” da Intercom. Com organização de Beatriz Polivanov, Willian Araújo, Caio C. G. Oliveira e Tarcízio Silva, a coletânea é composta por prefácio de Sandra Montardo e Adriana Amaral e 14 artigos cujas versões iniciais foram submetidas e apresentadas no GP no ano de 2019 e posteriormente revisadas, a partir das sugestões dos pareceristas e debates ocorridos no encontro em Belém do Pará. A publicação reúne textos que abordam as múltiplas implicações que a circulação de narrativas e grandes dados gera no contexto das redes sociotécnicas em termos de fluxos comunicacionais, buscando explorar conflitos e negociações emergentes dentre diversos agentes e instituições.

O livro está dividido em quatro partes: 1) “Narrativas pessoais, práticas de consumo e disputas de sentido na cultura digital”; 2) “Epistemologias decoloniais”; 3) “O que fazem as máquinas e como pesquisá-las? Reflexões sobre plataformas e seus algoritmos” e 4) “Política e opinião pública em um Brasil (des)conectado”. Os autores são de distintas instituições de ensino brasileiras e apresentam referencial teórico e metodológico, bem como objetos empíricos de análise variados, trazendo contribuições diversas para o campo da Comunicação e, mais especificamente, para os estudos que se voltam para a cultura digital.

Baixe em PDF, Mobi ou EPUB!

Racismo Algorítmico em Plataformas Digitais: microagressões e discriminação em código

Apresentei nesta última semana o artigo Racismo Algorítmico em Plataformas Digitais: microagressões e discriminação em código no Simpósio da LAVITS, em Salvador. O trabalho compõe minha pesquisa de doutorado e parte da análise de ambientes como Facebook, Twitter, YouTube e marketplaces de aplicativos mobile, que são mecanismos centrais do capitalismo de vigilância. Os vieses algorítmicos e affordances racistas nestas plataformas digitais de publicidade estão sendo crescentemente analisados nos últimos 15 anos por pesquisadoras informadas por perspectivas variadas. Como resultado estão em desenvolvimento iniciativas de auditoria de algoritmos e plataformas, construção de datasets e procedimentos mais responsáveis, além de indicações regulatórias. A opacidade presente nas caixas-pretas dos grupos de sistemas automatizados e semi-automatizados baseados em algoritmos que regem visibilidade, classificação, vigilância e regras de uso nas plataformas digitais complexifica e dificulta esta investigação. Esta questão se aplica tanto ao desenho de processos internos quanto à configuração de algoritmos e é agravada pela ideologia da “cegueira racial”, tática que compõe historicamente do genocídio negro, que também é epistemológico.

O trabalho propõe colaborar ao campo de estudos sobre vieses algorítmicos ao aproximar a investigação sobre vieses raciais nos algoritmos de plataformas digitais ao conceito de microagressões raciais (Pierce, 1970). Estas seriam definidas como mensagens rotineiras que comunicam insultos e desprezo racial e podem ser apresentadas de forma verbal, comportamental ou ambientalmente contra grupos racializados. A pesquisa sobre microagressões raciais propõe modos de analisar, entender e combater este tipo de violência em contextos de socialização, midiáticos ou educacionais com o objetivo de minimizar o impacto na formação e pleno desenvolvimento de populações negras, entre outras. Aplicando a tipologia de microagressões proposta por Tynes et al (2018) a partir de Sue (2007) a mapeamento realizado pelo autor, o artigo discute casos de comunicação algorítmica racista em plataformas digitais ligando aspectos das plataformas a categorias e subcategorias propostas sobre microagressões.

Acesse o artigo completo no ResearchGate e confira mais publicações.

Interrogando Plataformas e Algoritmos Digitais

Acabou de ser publicado o ebook da edição 2018 do Congresso Nacional de Estudos Comunicacionais da PUC Minas Poços de Caldas. Fui um dos conferencistas e apresentei a palestra Interrogando Plataformas e Algoritmos Digitais. A publicação inclui um resumo da palestra que transcrevo abaixo logo depois do slideshow utilizado (confira também no ResearchGate). Ao final do post, referências e como citar.

A crença tanto em que os algoritmos estatísticos e softwares são neutros quanto a crença de que são substitutos da ciência são erradas em dimensão comparável apenas à sua aceitação por um número cada vez mais crescente de grupos sociais filiados à ideais neoliberais e tecnocráticos de eficácia e otimização de processos. Estas presunções de neutralidade dos algoritmos e sistemas automatizados em campos da comunicação, direito, segurança e políticas públicas (SILVEIRA, 2017) impactam efetivamente indivíduos e comunidades de modo relativo à distribuição de poder quanto às classes, gênero, raças e grupos sociais que os constroem e gerenciam. Quanto ao aspecto de racialização, podemos falar de uma opacidade dupla. De um lado os algoritmos – e a tecnologia de modo geral – são vistos como neutros, como se fossem construídos, desenvolvidos e performados independente do contexto e pessoas envolvidas. De outro, a ideologia da negação e invisibilidade da categoria social “raça” na sociedade como um todo impede consensos e avanços quanto à justiça e equidade de representação.

Esta construção possui tanto impactos diretos quanto indiretos, tal como o gap de capacidade de interpretação da realidade social, demográfica e política contemporâneas. Ecossistemas de plataformas e infraestruturas digitais como Google, Amazon, Facebook e Apple (chamados pelo acrônimo GAFA) construíram capacidades de análise de dados internos e externos que ultrapassam em muito o potencial de universidades de ponta e até de estados. E tudo isto sem as prerrogativas de transparência e accountability exigidas pelas populações da maioria das democracias. Investigar e entender os impactos de algoritmos e plataformas na democracia e nas populações é um desafio ainda mais – aparentemente – intransponível.

Estas perspectivas neoliberais ativistas tem sido centrais no reforço de lógicas que são “antidemocratic, anti-affirmative-action, antiwelfare, antichoice, and antirace discourses that place culpability for individual failure on moral failings of the individual, not policy decisions and social systems”, inclusive em esferas tecnológicas (NOBLE, 2018, pos.2781). A opacidade dos sistemas é vista de forma acrítica, desde que não traga malefícios para o sujeito em sua individualidade e fins pragmáticos. E quando acontece são vistas como responsabilidade do próprio indivíduo que deveria ser “gerente de si mesmo”, como acontece com os sistemas de autogestão de escores de créditos, cada vez mais pervasivos. Impactos no social e no comunitário são ignorados. A legitimidade das “data-driven decision-making hinges not only on the presumed objectivity of its methods, but on the unquestioned acceptance of productivity, performance, merit” (RIEDER, 2016a, p.51). É preciso, então, ver as atuais práticas em torno de big data e análise pervasiva dos indivíduos com olhares multiculturais. Os dados, como “a medium or representational form and envelops data science within a cultural matrix. Data criticism also tackles data science’s idealistic view of data head-on, in addition to its self-proclaimed democratic leanings and liberalism” (BEATON, 2016, p.368).

A chamada à crítica dos dados e plataformas vai ao encontro do que Dardot e Laval (2017) diagnosticam como uma falta de compreensão das relações entre as condutas dos neossujeitos e as formas de controle, vigilância e análise exercidas na suposta hiper-racional contemporaneidade. Alertam que é preciso “examinar de perto tecnologias de controle e vigilância de indivíduos e populações, sua medicalização, o fichar, o registro de seus comportamentos, inclusive os mais precoces” (DARDOT & LAVAL, 2017, pos.7932). Mesmo antes da popularidade esmagadora de plataformas como o Facebook, a ligação entre inteligência artificial e pilares do neoliberalismo, como o capital financeiro, podem ser sentidas como aponta Achille Mbembe, ao descrever como este, “simultaneamente força viva e criadora […] e processo sangrante de devoração […] aumentou descontroladamente a partir do momento em que os mercados bolsistas escolheram apoiar-se na inteligência artificial para optimizar movimentos de liquidez” (MBEMBE, 2017, p.30).

Neste sentido, acreditamos ser essencial a realização de esforço de pesquisa e atuação crítica na realidade para combater os vieses não só algorítmicos, mas também a opacidade destes vieses fruto da lógica neoliberal que glorifica corporações de tecnologia do Vale do Silício enquanto deixa sujeitos atomizados em busca de uma autogestão cada vez mais opressiva. E levando em conta o “contrato racial” (MILLS, 2014) que cria processos de racialização nas mais diferentes esferas sociais com objetivos de dominação, é preciso esforço conjunto para entender a fundo novas tecnologias como plataformas de comunicação e suas relações com dados e inteligência artificial.

As proposições que estão surgindo nos últimos anos para interrogar as plataformas e sistemas algorítmicos merecem circulação e aplicação em diferentes contextos (BROCK, 2016; RIEDER, 2016; OSOBA & WELSER VI, 2017; SILVEIRA, 2017; NOBLE, 2017; WILLIAMS, BROOKS & SHMARGAD, 2018; BUOLAMWINI & GEBRU, 2018), sendo ainda raras as proposições que levam em conta a estruturação do racismo na sociedade ocidental e como impacta produções de centros de tecnologia como o Vale do Silício.

A Teoria Racial Crítica (Critical Race Theory), fruto e atuante nos movimentos de direitos civis desde a década de 60, aplicada no Brasil por estudiosos do Direito e da Educação, merece o seu lugar também na Comunicação. É baseada em pilares de compreensão da sociedade especialmente úteis para compreender os pontos de contato entre opacidade algorítmica e invisibilidade dos processos de racialização, tais como: compreensão desta como de relações raciais hierarquizadas estruturantes e estruturadas pelo racismo; percepção da ordinariedade do racismo nas mais diferentes esferas sociais, econômicas, políticas e biopolíticas; a convergência interseccional do determinismo material dos interesses de grupos dominantes; a visão das relações raciais como construção social; e, por fim, a TRC é agente efetiva no combate da opressão racial (CRENSHAW, GOTANDA & PELLER, 1995; MATSUDA et al, 1993; DELGADO, STEFANCIC & HARRIS, 2017).

Vemos estes esforços como um trabalho internacional em progresso e propomos três estratégias para reunir a colaboração da Teoria Racial Crítica ao estudo dos algoritmos: a) análise crítica, localizada e com consciência racial das particularidades do contexto brasileiro, onde entram também hierarquias de dominação imperialistas mediadas pelo Vale do Silício e cultura de startups; b) uso de colaborações das ciências sociais, humanidades digitais e computação social para entender e interrogar as plataformas; e c) uso de métodos mistos (JOHNSON & ONWUEGBUZIE, 2004), incluindo também mapeamento, engajamento de profissionais e ativistas para compreender toda a rede produtiva a partir de um olhar da economia política de produção dos algoritmos e sistemas. A governança algorítmica tende a ser cada vez mais presente e comunicadores e cientistas sociais devem mergulhar na temática para agir junto a desenvolvedores e legisladores pra analisar danos individuais, discriminação ilegal e práticas injustas, perda de oportunidades, perdas econômicas e estigmatização social.

Referências

BEATON, Brian. How to Respond to Data Science: Early Data Criticism by Lionel Trilling. Information & Culture, v. 51, n. 3, p. 352-372, 2016.

BROCK, André. Critical technocultural discourse analysis. New Media & Society, p. 1461444816677532, 2016.

BUOLAMWINI, Joy; GEBRU, Timnit. Gender shades: Intersectional accuracy disparities in commercial gender classification. In: Conference on Fairness, Accountability and Transparency. 2018. p. 77-91.

CRENSHAW, Kimberlé; GOTANDA, Neil; PELLER, Garry. Critical race theory: The key writings that formed the movement. The New Press, 1995.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. Boitempo Editorial, 2017.

DELGADO, Richard; STEFANCIC, Jean. Critical race theory: An introduction. NYU Press, 2017.

JOHNSON, R. Burke; ONWUEGBUZIE, Anthony J. Mixed methods research: A research paradigm whose time has come. Educational researcher, v. 33, n. 7, p. 14-26, 2004.

MATSUDA, Mari J.; LAWRENCE III, Charles R.; DELGADO, R.; CRENSHAW, Kimberlè W. Words That Wound – Critical Race Theory, Assaultive Speech, and the First Amendment. Nova Iorque: Routledge, 1993.

MBEMBE, Achille. Políticas da Inimizade. Lisboa (Portugal: Antígona, 2017.

MILLS, Charles W. The racial contract. Cornell University Press, 2014.

NOBLE, Safiya Umoja. Algorithms of Oppression: How search engines reinforce racism. NYU Press, 2018.

OSOBA, Osonde A.; WELSER IV, William. An intelligence in our image: The risks of bias and errors in artificial intelligence. Rand Corporation, 2017.

RIEDER, Bernhard. Big Data and the Paradox of Diversity. Digital Culture & Society, v. 2, n. 2, p. 39-54, 2016a.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu da. Tudo sobre Tod@s: redes digitais, privacidade e venda de dados pessoais. São Paulo: Edições Sesc, 2017.

WILLIAMS, Betsy Anne; BROOKS, Catherine F.; SHMARGAD, Yotam. How algorithms discriminate based on data they lack: Challenges, solutions, and policy implications. Journal of Information Policy, v. 8, p. 78-115, 2018.

 

Como citar
SILVA, Tarcízio. Interrogando Plataformas e Algoritmos Digitais. In: Congresso Nacional de Estudos Comunicacionais da PUC Minas, 2018, Poços de Caldas, Minas Gerais, Brasil. Anais do 3 CONEC Congresso Nacional de Estudos Comunicacionais da PUC Minas, 2018. p. 32-26. Disponível em < https://conec.pucpcaldas.br/wp-content/uploads/2019/06/anais2018.pdf >