Colonização Algorítmica da África

Talvez um dos exemplos mais cínicos do caráter predatório das grandes corporações de plataformas seja o projeto Internet.org. Lançado pelo Facebook e empresas de infraestrutura, foi ao ar em 2013 com a suposta missão de “oferecer acesso à internet e os benefícios da conectividade à porção do mundo que ainda não as tem”. Na prática tinha como objetivo realizar um verdadeiro dumping de tecnologia em países do Sul Global como Brasil, Índia, Senegal, Quênia e outros países da África, Sudeste Asiático e América Latina. O primeiro impacto é gerar oligopólios, destruindo a neutralidade de rede nos locais, pois o acesso à internet oferecido pelo grupo e seus parceiros só poderia dar acesso a um punhado de serviços e websites.

O segundo impacto, mais relevante e de longa duração, com efeitos na economia, soberania, cultura e política é a construção de sistemas de infraestrutura, acesso e software que favorecem a extração de valores através da lógica de big data e correlações algorítmicas sobre os dados das populações destes países. Apesar do projeto Internet.org ter sido rechaçado em muitos países, alguns o aceitaram e, no final das contas, representa apenas uma face mais explícita do colonialismo algorítmico exercido por inúmeros meios.

Este é o tema principal do capítulo Colonização Algorítmica da África, publicado no livro Comunidades, Algoritmos e Ativismos Digitais: olhares afrodiaspóricos.

Convidei para o livro a premiada pesquisadora etíope Abeba Birhane, pesquisadora doutoral em Ciência Cognitiva na Escola de Ciência da Computação da University College Dublin.

No capítulo, Birhane nos descreve sobre a onda de enquadramento discursivo que busca posicionar a África como fonte de dados, “coleta de dados” que estariam disponíveis em um “data-rich continent”, termos que evocam a lógica colonial removendo o indivíduo.

Na primeira parte do capítulo, Birhane cita especialmente o caso sobre como o Facebook desenvolveu, usando imagens de satélite, um mapa de densidade populacional da África. A empresa se designou como responsável e autorizada a desenvolver este projeto sem articulação com os povos da África, sem refletir sobre o que é percebido como conhecimento legítimo sobre a população do continente.

As velhas justificativas a-históricas de “fornecer ajuda humanitária” e afins são usadas, subestimando como os diferentes povos e regiões da África avaliam suas prioridades.

Ao distinguir o poder colonial tradicional e o colonialismo algorítmico, Abeba Birhane diz que:

O poder colonial tradicional busca poder unilateral e dominação sobre as pessoas colonizadas. Declara o controle das esferas social, econômica e política, reordenando e reinventando a ordem social de uma maneira que o beneficie. Na era dos algoritmos, essa dominação ocorre não por força física bruta, mas por mecanismos invisíveis e diferenciados de controle do ecossistema digital e da infraestrutura digital. O colonialismo tradicional e o colonialismo algorítmico compartilham o desejo comum de dominar, monitorar e influenciar o discurso social, político e cultural através do controle dos principais meios de comunicação e infraestrutura.

Através de relatos sobre a conferência CyFyAfrica, Birhane mostra como formadores de opinião tem reproduzido acriticamente concepções erradas sobre questões relevantes para o continente, como por exemplo vincular o terrorismo online apenas a grupos islâmicos. O trabalho dialoga autoras americanas que criticam a falsa neutralidade da tecnologia, como O’Neil, Noble e Zuboff em conversa com pensadores de países africanos como Michael Kimani e Heidi Swart.

Leia o capítulo completo no livro que pode ser comprado na editora LiteraRUA ou baixado gratuitamente em PDF.

Acompanhe Abeba Birhane no Twitter e confira vídeos no YouTube, como esta palestra sobre injustiça algorítmica e ética relacional:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *