Tecnologias Negras: ciclo no Sesc promove centenas de cursos, atividades e palestras em outubro

Durante outubro e novembro, as unidades do Sesc em São Paulo promoverão um ciclo de atividades sobre Tecnologias e Artes Negras com dezenas de cursos, palestras e oficinas. Segundo a organização, a iniciativa “objetiva articular e dar vazão à efervescente produção de artistas, pesquisadoras(es), intelectuais e mestras(es) do saber negras e negros, nos campos das Artes Visuais e Tecnologias, e, assim, estimular a difusão de práticas educativas não formais, pautadas pelo princípio da equidade. Dessa forma, visa demarcar um espaço democrático de discussão sobre campos presentes na cultura negra, tais como: Tecnologias e Ancestralidade; Tecnologias Digitais e Contemporâneas; Utopias, Distopias e Afrofuturismo; Tecnologias Invisibilizadas e de Resistência; e Estética, Crítica e História da Arte.

As atividades foram divididas em cinco grupos, ligados a adinkras específicos:

Nas mais de 30 unidades na capital e interior, as equipes dos Espaços de Tecnologias e Arte (ETA) fizeram curadoria ativa e abriram chamada para as atividades. É simplesmente gigantesca a programação e lembro que o Sesc possui fim social, então a maior parte das atividades é gratuita ou a preços acessíveis.  Sou curador e professor em uma atividade e participo de outra mesa:

Humanidades Digitais Negras – curso idealizado por mim, com aulas de Morena Mariah, Taís Oliveira, Larissa Pontes e Fernanda Sousa:

Descobrir, resgatar, conectar e visualizar produções históricas, narrativas, artísticas e epistemologias negras tem sido a missão de pesquisadoras e pesquisadores negros em todo o mundo. A atividade “Humanidades Digitais Negras” reunirá aulas e debates entre pesquisadoras/es das áreas da Comunicação, Mídia, Sociologia, Antropologia e Letras para apresentar o campo e suas práticas aos participantes.

Machine Learning, Algoritmos e Mecanismos de Discriminação. Idealizado pelo colega Rodolfo Avelino (Professor Insper, Pesquisador na UFABC e criador do Coletivo Digital), contará também com Fernanda Monteiro tecnóloga, artista digital, oraculista e pesquisadora independente, transitando de maneira “indisciplinar” entre a tecnopolítica, feminismos e transhumanismos; e comigo. Descrição:

Utilizados em larga escala atualmente pelos mais diversos serviços de internet e sistemas da informação, os algoritmos e máquinas orientadas por machine learning prometem uma maneira revolucionária de lidar com dados e criar serviços e plataformas dinâmicas que se adaptam facilmente aos desejos e necessidades de seus usuários. Mas o que acontece quando o desenvolvimento dessas ferramentas possui vieses ocultos, que incorporam e reforçam preconceitos ainda não solucionados em nossa sociedade?

Nem todas as atividades já tem as páginas com informações específicas e inscrições, mas você conferir toda a lista da programação. Difícil selecionar algumas em destaque, mas recomendo especialmente:

 

As ilustrações neste post foram retiradas da cartilha de programação do Sesc e foram criadas pelo Marcelo D’Salete, quadrinista autor de produções como Cumbe. O quadrinista também vai oferecer um curso – História em Quadrinhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *