8 livros e pesquisadoras sobre tecnologia digital, plataformas, algoritmos e genética

Neste Dia Internacional da Mulher vale notar/celebrar um resultado dos vieses de experiência, expectativas laborais e educação no mundo: as mulheres pesquisadoras estão liderando o debate sobre plataformas e algoritmos digitais e seus impactos na sociedade. Então aproveito a data para celebrar 8 livros publicados nos últimos anos indispensáveis para quem deseja compreender a contemporaneidade:

 

#1 Algorithms of Oppression: How Search Engines Reinforce Racism

Em Algorithms of Oppression: How Search Engines Reinforce Racism (2018), Safiya Noble apresenta pesquisa focada em como plataformas de busca de informação – sobretudo buscadores como Google – reproduzem e reforçam aspectos nocivos da sociedade como o racismo. Através de experimentos, levantamento bibliográfico, histórico e entrevistas, Safiya Noble mostra casos e ações relacionadas à populações minorizadas sobretudo dos EUA, como afro-americanas, latinas, judeus e asiáticos.

Clique na imagem ao lado para ler uma resenha e assista TEDx com Noble em:

 


 

#2 Artificial UnIntelligence: How Computer Misunderstand the World

Em Artificial UnIntelligence: How Computers Misunderstand the World (2018), Meredith Broussard explica os problemas dos sistemas considerados inteligência artificial hoje (como carros autônomos, métricas de plataformas digitais e outros) em três partes: “Como computadores funcionam”, “Quando computadores não funcionam” e “Trabalhando juntos”. Um destaque da publicação é que Broussard apresenta alguns conceitos através de tutoriais no Python acessíveis até para quem nunca escreveu uma linha de código na vida.

Clique na imagem ao lado para ler uma resenha e assista entrevista com Broussard abaixo:


 

#3 The Intersectional Internet: Race, Sex, Class and Culture Online

Intersectional Internet: Race, Sex, Class and Culture Online (2016) é uma coletânea editada por Safiya Noble e Brendesha Tynes. Reúne capítulos de pesquisadoras e pesquisadores estudando questões de raça, gênero e classe na internet tais como: políticas de viralidade e virilidade em masculinidades asiáticas; moderação comercial de conteúdo; análise interseccional de apps de encontros; memes no Instagram e adolescentes negras e outros.

Assista entrevista com Brendesha Tynes abaixo:

Expert Interview with Dr. Brendesha Tynes from The Steve Fund on Vimeo.


 

#4 Twitter and Tear Gas: the power and fragility of networked protest

Zeynep Tufekci é pesquisadora, ativista e jornalista turca. Em Twitter and Tear Gas: the power and fragility of networked protest, Tufekci trouxe em 2017 um outro olhar sobre os ainda festejados protestos impulsionados por plataformas de mídias sociais, como a “Primavera Árabe”. Como a veloz história mostrou, o resultado de movimentos como estes, inclusive no Brasil, foi muito diferente do que os mais empolgados da esquerda previam. Nos últimos 5 anos sobretudo a inocência sobre as mídias sociais ficou de lado em grande medida, mas o livro de Tufekci traz a tecno-sociológico sobre a contemporaneidade que vai além do simplista. O livro está disponível em versão impressa, ebook, audiobook e também um PDF de acesso livre, exigência da autora devido à importância do debate.

Assista palestra da autora em:


#5 Fatal Invention – how science, politics, and big business re-create race in the twenty-first century

Em um mundo supremacista branco, a ciência, política e grandes empresas de tecnologia estão empenhadas em recriar a noção biológica de raça através de sistemas pervasivos de tecnologia como inteligência artificial, reconhecimento de imagens, biometria e testes genéticos. Este é o tema de Fatal Invention – how science, politics, and big business re-create race in the twenty-first century de Dorothy Roberts (2012). O livro revisa conceitos de raça, eugenia, o papel da ciência racial na supremacia branca e trata de manifestações contemporâneas na genética, desenvolvimento de farmacológicos customizados, vigilância genética e outras tecnologias.

Abaixo um vídeo no qual Roberts explica o problema com medicina baseada em “raça”:


#6 The Social Life of DNA: Race, Reparations, and Reconciliation after the Genome

Em The Social Life of DNA: Race, Reparations, and Reconciliation after the Genome (2016),  Alondra Nelson traz um outro olhar ao discutir como a tecnologia de identificação de DNA, sobretudo levantamento de genealogia e origens geográficas da diáspora africana possuem impactos relevantes. Uma vez que os milhões de africanos sequestrados entre os séculos XVI e XIX foram torturados, desumanizados e impedidos de desenvolver sua educação, história e memória, Alondra Nelson mostra como das já numerosas iniciativas de afro-diaspóricos de se reconectar com a África emergem potencial e os benefícios dessa tendência.

Alondra Nelson também é autora de outros livros como Body and Soul: The Black Panther Party and the Fight Against Medical Discrimination (2011), Technicolor: Race, Technology, and Everyday Life (2001) e editora de um número especial de revista Social Text que discutiu afrofuturismo em 2002. Veja entrevista com a autora sobre o tema:

 


#7 A Networked Self and Human Augmentics, Artificial Intelligence, Sentience

Zizi Papacharissi pesquisa comunicação digital há décadas e é responsável por algumas coletâneas mais influentes no campo, como o excelente A Networked Self: Identity, Community, and Culture on Social Network Sites. Em 2018 Papacharissi lançou nada menos que três coletâneas a partir da ideia de networked self: um com recorte sobre nascimento, vida, morte e família; outro sobre plataformas, estórias e conexões; e, por fim, o que destaco sobre inteligência artificial, senciência e augmentics: A Networked Self and Human Augmentics, Artificial Intelligence, Sentience (2018). O livro reúne 14 capítulos sobre aspectos tecnológicos e éticos como direitos de agentes artificiais e impactos da IA no self.

Palestra recente da Papacharissi:

 


#8 Digital Sociologies

Organizado por Jessie Daniels, Karen Gregory e Tressie Mcmillan Cottom, Digital Sociologies (2016) é fruto de conferência sobre as sociologias digitais plurais. Na primeira parte, em 7 capítulos, trata da sociologia digital na vida cotidiana, falando de temas como estudos de comunidades online, análise de discurso digital em pequenos espaços ou gerenciamento de impressões digitais na “economia do compartilhamento. A segunda parte foca em instituições e traz 11 capítulos em torno de desigualdade e instituições, papel dos algoritmos em decisões educacionais, raça e racismo na educação e convergência de audiências online em torno de produtos culturais. A terceira parte traz mais 10 capítulos e é repleta de estudos de caso sobre corpos e corporeidade nas interseções com raça, gênero, classe e sexualidades em ambientes como Twitter, websites, apps de quantified self e tecnologias vestíveis.

Assista palestra de Tressie McMillan Cottom:

 

Quer acompanhar em tempo real o que algumas destas pesquisadoras estão produzindo? Siga lista curada no Twitter!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *