Por Humanidades Digitais Negras

As Humanidades Digitais ganharam mais visibilidade nos últimos 20 anos, graças à gradativa expansão do campo em termos de pesquisadores engajados, produção bibliográfica, ferramentas e projetos públicos. Um dos principais destes é a série Debates in the Digital Humanities. O livro, que pode ser lido na versão impressa ou digital interativa, reúne diversas abordagens sobre as humanidades digitais em seções com reflexões sobre sua história e futuros, métodos, práticas, disciplinas e críticas, com um foco bem relevante em text analysis.

O capítulo “Making a Case for the Black Digital Humanities“, Kim Galllon busca apresentar reflexões, casos, referências e possibilidades para uma abordagem das digitais humanidades do ponto de vista do campo chamado por ela de forma resumida de Black Studies (incluindo a linha de Africana/African American studies). Recomendo a leitura do capítulo e da produção de Gallon, que atualmente é Professora de História na Purdue University, mas aqui vou enfatizar alguns pontos do excelente texto.

Para Gallon, “os black studies tem sido entendidos como estudos comparativos das experiências culturais e sociais negras sob sistemas eurocêntricos de poder nos Estados Unidos, na diáspora Africana mais ampla e no continente africano”.

Um dos principais pontos é a percepção de Gallon sobre a pesquisa dos black studies nas humanidades digitais como um tipo de “tecnologia de recuperação(technology of recovery). As “humanidades digitais negras ajudam a desmascarar os sistemas racializados de poder em jogo quando entendemos as humanidades digitais como um campo e utilizamos suas técnicas associadas”. As tecnologias de recuperação são os esforços de grupos minorizados/marginalizados em usar plataformas e ferramentas digitais tanto para resgatar história e literatura não-registrada, apagada, invisibilizada ou intencionalmente destruída quanto para recuperar a humanidade das pessoas negras em um sistema de racialização global.

Gallon cita o papel do Digital Schomburg, um dos primeiros grandes projetos de digitalização de história afro-americana, reunindo informações, literatura e arquivos de fotografias e imagens dos séculos 19 e 20. Abaixo uma das exposições online do centro, com história de nova-iorquinos afro-americanos:

Além do aspecto histórico, Gallon explica como grandes movimentações ativistas online do “Black Twitter” e comunidades negras nas mídias sociais como #SayHerName, #BlackLivesMatter e #ICanBreathe fazem parte de esforço de recuperação também sobre o presente: os ativistas e participantes destes movimentos lembram a si mesmos e o resto da população sobre a disparidade gigantes de indicadores sociais de violência policial, emprego, educação, habitação, saúde e outros.

Em seguida, a autora discorre sobre a saliência de alguns métodos específicos, como a relativa pouca exploração de text analysis sobre literatura negra. Aqui cita o Project on the History of Black Writing, fundado por Maryemma Graham, que realizou eventos e visualizações de análise de literatura assistida por computador.

Seguindo no debate sobre o caráter das humanidades digitais negras, Gallon cita Johanna Drucker e sua defesa de “usar e construir ferramentas e infraestrutura embebidas de teoria humanística de modo que funcionem de modos que reflitam os valores das humanidades”. Isto sigficaria, então, para Gallon, que

As humanidades digitais negras então apresentam o digital como hospedeiro mútuo tanto de racismo quanto de resistência e jogam luz sobre o papel da raça como uma metalinguagem que forma o terreno digital, fomentando estruturas hegemônicas que são tanto novas e antigas e replicam e transcendem as análogas

Essa perspectiva pode gerar questões sobre a relação entre racialização da humanidade e o digital como poder, superando a percepção ainda disseminada da “neutralidade” do digital ou tecnologia, nos levando e entender melhor a condição humana.

Kim Gallon não cita no texto o projeto Black Press Research Collective, fundado pela própria. Recomendo a navegação no site e visualização que inclui registros da imprensa afro-americana do início do século XX, visualizações, mapas e gráficos sobre circulação e localização, além de registro de eventos e trabalhos derivados. Uma das visualizações mais interessantes (o mapa abaixo) é a lista de vendedores do jornal The Chicago Defender, que ajudava negros do Sul com informação sobre como se defender e migrar para sobreviver. Os dados foram retirados de base de dados do FBI, que vigia(va) qualquer iniciativa de auto-defesa dos negros americanos:

Esta resenha foi motivada pelo workshop AfricanaDHi e faz parte da bibliografia do evento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *