Além das hashtags – #Ferguson, #Blacklivesmatter e a batalha online por justiça offline

Desde 2014, cresceu online a mobilização para denúncia e repúdio às execuções de indivíduos negros desarmados por policiais nos EUA. Além do uso desproporcional da força em casos que envolviam crimes efetivos, aconteceram execuções escandalosamente racistas – como o chocante caso de Tamir Rice, de 12 anos, morto enquanto brincava em um parque.

mortes-por-policiais-estados-unidos-inglaterra-alemanha-e-japao

Mortes por policiais nos EUA e outros países também populosos e com IDH altíssimo, em 2013. No Brasil, em 2014, foram 3.022 pessoas.

O movimento e hashtag #BlackLivesMatter (“Vidas Negras Importam”) surgiu em 2013, mas se intensificou a partir de 2014. A possibilidade de circular informação sobre os casos nas mídias sociais, somada às evidências dos acontecimentos através de vídeo abriram a possibilidade de gerar fortes manifestações, como os protestos em Ferguson depois que a justiça americana inocentou policial que matou Michael Brown com seis tiros.

beyond-the-hashtagsO relatório Beyond Hashtags: #Ferguson, #Blacklivesmatter, and the online for offline struggle, realizado pelos pesquisadores Deen Freelon (American University), Chartlton D. Mcilwain (New York University) e Meredith D. Clark (University of North Texas) foi publicado neste ano e aplicou métodos digitais de pesquisa a 40,8 milhões de tweets, 100 mil links e 40 entrevistas com ativistas e aliados do BLM.

  • Foram encontradas seis grandes comunidades de conversa, a partir da análise de redes: Black Lives Matter; Anonymous/Bipartisan Report; Artistas/Profissionais de Entretenimento Negros; Conservadores; Notícias Mainstream; Twitter Negro Jovem.
  • O maior parte das comunidades observadas apoiam justiça para as vítimas e denunciam a brutalidade policial;
  • Os jovens negros discutiram a brutalidade policial, mas de modos diferentes das outras comunidades;
  • Ativistas conseguiram educar observadores casuais em dois pontos: choque e descrença sobre as reações policiais nos protestos de Ferguson; e reconhecimento pelos Conservadores, da brutalidade policial nos casos de Eric Garner e Walter Scott.

Os pesquisadores descobriram 9 períodos distintos de mobilização, nos quais aplicaram 2 perguntas de pesquisa em dois níveis de abstração. No nível Macro, analisou as comunidades em rede e as hashtags mais utilizadas; no nível micro, os principais usuários em cada comunidade e análise dos tweets muito replicados. Assim, conseguiram responder as perguntas “Quem é mais ouvido?” e “O que estes usuários dizem”.

beyond-the-hashtags

 

Ao longo de suas 92 páginas, os autores aplicaram um processo muito útil e eloquente de simplificação das redes em suas comunidades. O grafo abaixo, por exemplo, representa 3,9 milhões de tweets de 897 mil usuários, que foram esquematizados nas comunidades participantes e suas interações.  Foi possível observar, por exemplo, a presença de conservadores contra os movimentos e mobilização, e também a presença de ativistas da Rússia e Irã expondo as contradições internas estadunidenses.

beyond-the-hashtags-period-9-communities

Alguns dos tweets de destaque do período: de conservadores promovendo a violência; flagra de violência contra jornalista; e articulação dos militantes.

beyond-the-hashtags

Diversos recursos criativos de análise dos dados a partir da perspectiva dos métodos digitais foram utilizados. Em um trecho do relatório, os sites são comparados em torno de sua idade, usando dados da WaybackMachine:

beyond-the-hashtags-sites-age

Entre as várias ricas conclusões, os autores observaram que raramente os tweets mais replicados são aqueles que estão articulando movimentação presencial. Geralmente são informacionais. Isto pode ser visto tanto quanto indicador do risco inerente em se expor ao tema, quanto indicador da necessidade de se aprofundar na cauda longa da análise, assim como este estudo conseguiu.

We also found that attempts to coordinate movement action were rare among the top tweets. By this we mean information about where protests would be held, invitations to participate, instructions on how to participate, and discussions about what kinds of actions should be held. We saw a few such tweets in passing and some of our interview participants mentioned finding out about protests from Twitter. However, movement action tweets were not among the most shared. This implies that most people paying attention to BLM online were more interested in consuming information and participating digitally than in offline participation. This is not much of a surprise, especially considering the risks of some of BLM’s offline actions. But it does remind us that just because a certain movement use of Twitter is not the most visible does not mean it is not occurring somewhere. It simply means that researchers and interested citizens might need to dig a bit deeper to understand the full scope of social media’s value for activists.

Alguns dos autores estão também envolvidos com o projeto DocNow, que busca desenvolver um software e promover educação sobre a importância de preservar recursos e documentos online para ativistas e pesquisadores de direitos humanos. Em breve, escreverei mais sobre o projeto:

docnow

 

 

 

 

Um comentário sobre “Além das hashtags – #Ferguson, #Blacklivesmatter e a batalha online por justiça offline

  1. Pingback: Alguns conceitos básicos para entender a análise de redes em mídias sociais – insightee

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *