Jornalismo em Dispositivos Móveis é discutido na Facom-UFBA

A terceira edição do Ciclos de Jornalismo aconteceu ontem na Facom-UFBA e reuniu profissionais, pesquisadores e estudantes de comunicação para discutir o tema “Jornalismo em Dispositivos Móveis: celulares e tablets trazem nova vida ao jornalismo?”.

Na primeira, Adelino Mont’alververne mostrou diversas dinâmicas próprias da comunicação mobile como: os nômades digitais – profissionais conectados que utilizam diversos locais como ambiente de trabalho; o uso coordenado da comunicação por motoboys; a utilização de redes sociais; organizações de smart mobs; violência como ataques PCC. Também citou diversos projetos interessantes como o MurMur, Sonic City, Can You See Me Now? e Pac-Manhattan. Em seguida falou das peculiarides culturais de cada local e contexto, como no Brasil e em Uganda.

Rodrigo Cunha, mestrando do Póscom-UFBA, apresentou um mapeamento chamado “Revistas Brasileiras em Dispositivos Móveis”. O slideshow pode ser conferido abaixo:

Iloma Sales, editora do Mobi A Tarde, contou a história da iniciativa e como a equipe de jornalismo para dispositivos móveis do Jornal A Tarde trabalha. Lançada no início de 2009, foi uma das primeiras equipes dedicadas lançadas no Brasil. O conteúdo do portal mobi.atarde.com.br se posiciona entre o portal online, o jornal através do QR Code e o envio de SMS. Abaixo uma imagem do jornal, o primeiro brasileiro a utilizar esta tecnologia:

O evento Ciclos de Jornalismo volta no próximo semestre, com debate sobre jornalismo cultural. Assine o site e siga o Twitter para não perder: http://ciclosdejornalismo.blogspot.com/twitter.com/ciclosdejor.

Ciclos de Jornalismo: Jornalismo em Dispositivos Móveis

Jornalismo em Dispositivos Móveis: celulares e tablets trazem nova vida ao jornalismo?” é o tema da terceira edição do Ciclos de Jornalismo, evento de extensão da Facom-UFBA promovido por Lia Seixas (prof. adjunto da Facom/Ufba) e Iloma Sales (editora Mobi A TARDE).

Nesta edição, que acontecerá no dia 29/6 às 8h30, o debate tratá três profissionais atuando no jornalismo digital, no marketing para dispositivos móveis e na compreensão de produtos jornalísticos para dispositivos móveis, como tablets e smartphones: Iloma Sales, coordenadora de mídias digitais de ATarde e também coordenadora do Ciclos de Jornalismo; Adelino Mont’Alverne, diretor da Malagueta Interativa e Rodrigo Cunha, especialista em design gráfico e mestrando sobre revistas digitais para dispositivos móveis, autor do blog Papel Digital v.3.0.

Persuasão e Simulação de Experiências: aplicativo da Durex no iPhone e The Baby Think it Over

Nesta semana a campanha abaixo foi amplamente divulgada e disseminada via Twitter, blogs e outras mídias sociais. O aplciativo para iPhone, produzido para a Durex (marca de camisinha) simula boa parte dos problemas que um bebê traz em si. A ideia é persuadir homens jovens a usarem camisinha, já que – supostamente – não se preocupam com DSTs.

Uma tecnologia semelhante, com alguns aspectos mais reais e outros menos fidedignos é a The Baby Think It Over. Utilizado nos Estados Unidos como parte do programa de algumas escolas, o bebê artificial deveria ser carregado pelas adolescentes durante um período e precisava ser consolado quando chorava, periodicamente. Segundo um estudo, 95% das adolescentes participantes alegaram que não estavam preparadas para serem mães, depois da experiência.

the baby think it over

the baby think it over - garota

Conheci esa tecnologia através de B. J. Fogg, pesquisador de tecnologias persuasivas, que explica o princípio da simulação em contextos reais: “Tecnologias portáteis de simulação projetadas para uso durante as rotinas cotidianas podem enfatizar o impacto de certos comportamentos e motivar mudanças de comportamento ou atitudes”.

O curioso é como a economia dos aplicativos pode trazer esse elemento persuasivo para um objeto que o público-alvo – homens jovens – realmente já carregam no seu dia-a-dia: seus celulares. Além disso, a iniciativa é de uma empresa comercial, ao invés de instituições de ensino. A adição do aspecto lúdico – mesmo incômodo, é praticamente um jogo -, pode fazer com que o aplicativo seja baixado: a empresa pode alcançar maior consciência de marca e, indiretamente, alcançar o objetivo mais nobre para o qual diz se propor.

Pesquisa: uso dos dispositivos móveis na Bahia

A PaperCliQ e Ian Castro, do Intermídias, estão realizando uma pesquisa pra entender os padrões de uso e consumo dos dispositivos móveis como celulares e smartphones na Bahia. Os resultados da pesquisa, posteriormente, serão transformados em relatório público que será disponibilizado nos blogs e slideshares tanto da PiQ quanto do Ian. Então, se você é baiano, ajude a construir conhecimento! Responda o questionário, é bem rápido:

Pesquisa-Mobile