Pontos, Linhas e Métricas #6: Georg Simmel

[O texto a seguir faz parte de uma série que pode ser visualizada em “Pontos, Linhas e Métricas: introdução à análise estrutural de redes sociais”]

Georg Simmel e os aspectos numéricos dos grupos

Georg Simmel foi um sociólogo alemão que viveu de 1858 a 1918 e pensou o impacto da metrópole na vida social, o papel do dinheiro na sociedade e aspectos “formais” das relações sociais. Desse modo, influenciou diversas correntes teóricas e modos de ver a sociedade, tal como o interacionismo simbólico e a análise estrutural das redes sociais.

Em um dos seus ensaios, “The Metropolis and Mental Life”, Simmel discute em 1903 o impacto do excesso de estímulos que o homem passou a receber, diariamente, devido à efervescência das cidades gigantescas. Um trecho de seu texto poderia, facilmente, hoje estar presente em uma das muitas reclamações sobre o “excesso informacional” das novas tecnologias:

“A fundação psicológica sobre a qual a individualidade metropolitana está erigida é a  da intensificação da vida emocional devido à veloz e contínua mudança de estímulos internos e externos. […] Sua mente [humana] é estimulada pela diferença entre as impressões presentes e aquelas que a precederam” (Simmel, 1903, p.11)

Neste ensaio Simmel já apresenta em outros trechos a ideia de que os aspectos quantitativos, ou numéricos, da vida social influenciam as possibilidades sociais do indivíduo – seus horizontes são ampliados cultural, intelectual e economicamente – e de certa forma se estabelecem novos tipos de individualidade, uma vez que as referências grupais clássicas (religião e família) agora dividem mais espaço com outras que ganham mais importância, como grupos relacionados a trabalho, atividades culturais e sociais etc.

Ao falar dos Aspectos Quantitativos do Grupo (“Quantitative Aspects of the Group”), Simmel discute aspectos estruturais dos grupos, como seu tamanho, sub-divisões, relações inter e extra-grupais e os tipos básicos de relações: díades e tríades. Ele acreditava, por exemplo, que “um grupo que tem suas atividades totalmente sistematizadas e racionalizadas é sempre um grupo pequeno. O apoio produtivo que necessita em estágios mais avançados de civilização tem de vir de grupos maiores vizinhos para padrões de vida satisfatórios” (WOLFF, 1950, p.89).

Como explicam Alexandra Marin e Barry Wellman, Simmel “articula a premissa de que os laços sociais são primários. Ao invés de ver as coisas como unidades isoladas, elas são melhor entendidas como estando nas interseções de relações particulares e derivando suas características definidoras das interseções destas relações” (MARIN & WELLMAN, 2009, p.6).

Pra Simmel, a díade contem o esquema e material para formas sociais mais complexas. Segundo o autor “a diferença entre a díade e grupos maiores consiste no fato de que a díade possui uma diferente relação para cada um dos seus dois elementos do que grupos maiores possuem com seus membros. Embora, para o outsider, o grupo consistente de dois pode funcionar como uma unidade autônoma, geralmente não é assim para os participantes. Antes, cada um dos membros sente-se como confrontado apenas pelo outro, não por uma coletividade sobre ele. A estrutura social aqui se baseia imediatamente em um e outro dos dois, e a dissidência de um destrói o todo” (p.123).

Em termos de análise de redes sociais, a representação mais simples desta expansão da díade à tríade poderia ser a seguinte:

Para entender melhor a díade, Simmel propõe a contraposição desta à tríade. Nesta última, cada elemento se torna também um mediador entre os outros dois. Entre uma relação de A e B numa tríade, também está implícita de forma indireta a relação dos dois em comum a C. “A relação indireta não apenas fortalece a direta. Ela também pode perturbá-la. Não importa o quanto a tríade seja próxima, existe sempre uma ocasião na qual dois dos três membros consideram o terceiro como um intruso”. Em trabalho sobre a tríade, Kitts e Huang explicam que Simmel via a tríade como uma unidade fundamental de análise sociológico. Explicam que “por exemplo, entre três atores sociais/organizacionais A, B e C, o ator A pode ter uma relação diádica com C mas também ter uma relação indireta com C através de B. Dessa forma, B pode alterar a força ou natureza da relação entre A e C, assim solidificando uma aliança ou mediando um conflito. Se a e C não interagem diretamente, B pode ser uma ponte entre eles e derivar poder dessa posição intermediária”.

Apesar de hoje, facilmente, coletarmos e visualizarmos redes com milhões de atores, o início do pensamento sobre a estrutura das redes começou, obviamente, pelas suas formas mais básicas como díades e tríades. E todas as redes sociais podem ser vistas de certo modo como uma coleção de díades e tríades que se somam e apresentam formas mais complexas. Uma das propriedades básicas das redes sociais que foi comprovada ao longo do tempo é que, se um ator X possui laços fortes com Y e possui laços fortes com Z, é muito provável que Y e Z também possuam laços fortes entre si, um fenômeno chamado transitividade.

Neste texto conhecemos um dos sociólogos que precederam o desenvolvimento da análise de redes sociais. Nos próximos textos, veremos o surgimento de análises mais explicitamente topológicas, como a “Sociometria” de Jacob Moreno.

Referências

KITTS, James A; HUANG. “Triads.” Encyclopedia of Social Networks, George Barnett, Editor. New York: Sage Publications, 2010.

MARIN, Alexandra; WELLMAN, Barry. Social Network Analysis: an introduction. Handbook of Social Network Analysis.Edited by Peter Carrington and John Scott. London: Sage, 2010

SIMMEL, Georg. The Metropolis and Mental Life. 1903.

WOLFF, Kurt (ed.). The Sociology of Georg Simmel. Illinions: The Free Press, 1950.

Um comentário sobre “Pontos, Linhas e Métricas #6: Georg Simmel

  1. Pingback: Alguns conceitos básicos para entender a análise de redes em mídias sociais – insightee

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *