Metáforas sobre Big Data

security-fingerprint

Em interessante artigo, Sarah M Watson analisa as metáforas mais utilizadas ao se falar sobre “big data”. Diagnosticando a prevalência de metáforas industriais que falam dos dados como commodities, Watson advoga pelas metáforas que corporificam os dados, especialmente por percebermos que a maior parte da “big data” é social. Olhar os dados desta forma influencia na importante consciência de que os fenômenos tecnomercadológicos em torno de big data, no final das contas, envolve monetizar nossas ações e interações.

How we think about data—and more importantly what we do with it—will depend on the value systems that our conceptual metaphors capture and reify. Reframing metaphors for data in a more personal and embodied context will give us a better way to think of ourselves as information organisms, or “inforgs,” as philosopher Luciano Floridi suggests we are becoming. Our data profiles will act on our behalf, and we must be able to interact with and grasp their agency. Embodied data metaphors put more control in our hands as individuals, capable of interpreting and intervening in our own personal data management.

Leia o artigo na dis magazine.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *