Diagramação Sequencial na Revista Realidade #7

O sétimo número da Revista Realidade, lançado em outubro de 1966, trouxe uma matéria sobre o palhaço Arrelia. A equipe de arte da revista, sempre primorosa, criou uma das diagramações mais fabulosas que já vi.

Com texto de Roberto Freire e fotos de Lew Parrella, as duas primeiras duplas da matéria são as seguintes. Na primeira dupla o título “Este Homem É Um Palhaço” em fonte grande e pesada é quase uma “afronta” ao homem de meia-idade, austero e numa imagem preto-e-branca com toda a formalidade de um retrato convencional.

realidade-dupla-arrelia-1-edi
Ao passar a página: “Este Palhaço É Um Homem”. Dessa vez a fotografia sangrando vai para a página esquerda e mostra um palhaço em cores vivas.

realidade-dupla-arrelia-2-edi

É a atenção a um recurso que, por falta de conceituação prévia, venho chamando de diagramação sequencial. É a utilização significativa e intencional de uma característica da revista impressa – a organização em brochura com papel de qualidade – no que se refere ao poder de criar sentidos na sequencialidade obtida pelo passar das páginas.

Nesse caso o contraste entre as duas fotografias sangrantes foi primorosa. Ao passar a página, o leitor encontra outro elemento de grande destaque com o mesmo tamanho no plano das duas páginas. Os contornos são parecidos, e o conteúdo básico é o mesmo, um homem. Isto mais o fato de que a materialidade o leitor move – a página que de direita vira esquerda, de frente vira verso -, faz o reconhecimento ser instantâneo. O contraste plástico (textura e cor) e o contraste de objeto (vestimenta e gesto) são potencializados.

E o que aconteceu entre esses dois momentos? A quarta página também usa a sequência, dessa vez dentro de um mesmo plano, para mostrar como aquele homem sério se transmuta em palhaço.

As imagens foram retiradas do livro “O Design Brasileiro: Anos 60”, organizado por Chico Homem de Melo. Já escrevi sobre um dos ensaios deste livro aqui neste blog: Coleção Debates e o Design Moderno no Brasil.

+ Compre o livro O Design Gráfico Brasileiro: Anos 60
+ Leia a matéria na íntegra

9 comentários sobre “Diagramação Sequencial na Revista Realidade #7

  1. Oi oi,

    Acabei chegando nesse post pelo link que você postou na lista designGráfico.

    Esse recurso de composição ao qual você se refere como Diagramação Seqüêncial, apesar de um bom nome, é algo que já foi explorado por alguns autores.

    Você já leu o livro EDIÇAO E DESIGN do JAN V WHITE? Ele descreve essa técnica como a maneira de diagramar toda e qualquer revista. Para fazer a diagramação você deve sempre enxergar a narrativa que as páginas contam graficamente, vistas como uma seqüencia. Dê uma olhada que o conteúdo é bem interessante. (Só não lembro se ele batizou essa técnica com algum nome :))

    Até mais,
    Tássia

  2. Pingback: Top 10 IPF 2008

  3. Pingback: O Design Gráfico Brasileiro: Anos 60

  4. Pingback: Arte & Percepção Visual - Uma Psicologia da Visão Criadora, de Rudolf Arnheim

  5. Pingback: Arte & Percepção Visual - Uma Psicologia da Visão Criadora, de Rudolf Arnheim

  6. No livro de Richard Hollis – Design Gráfico: Uma História Concisa – é citado um trabalho do El Lissitzky em que ele utiliza este efeito também.

    Parabéns pelo blog. Abç

  7. Em minha universidade, o professor Hugo Werner leciona uma disciplina especialmente voltada a produção de trabalhos embasados no que chamamos de “design sequencial”.

    As principais referências estéticas apresentadas são algumas edições da revista Colors (Benetton) e o livro S, M, L, Xl (small, Medium, Large, Extra-Large) de Rem Koolhaas

    Recentemente, tenho observado a aplicação desse conceito no motion-design. Um bom exemplo, é o trailer do longa de animação “The Illusionist”, observe que cada mudança de cena é pensada para interagir com a última, seja pela forma, composição ou apenas cores: http://www.imdb.com/video/imdb/vi2515338777/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *