Hipersegmentações de Publicidade na Era Algorítmica: desafio ético para as organizações

A plataformização da web é uma das principais preocupações de alguns pesquisadores e ativistas em torno do mundo. Rapidamente a empolgação recente de pesquisadores de diversas vertentes já parece datada. A crença de que “os meios tradicionais de comunicação passaram a perder espaço para essa nova modalidade intercomunicativa, operacionalizada não mais por proprietários de veículos de comunicação, mas por cidadãos comuns” (MAZZUOLI, p.229) é parcialmente correta, mas fica claro que novas hierarquias foram construídas entre numeratis, indivíduos com uma capacidade maior de análise de dados através de lógicas computacionais (BAKER, 2009).

A internet e as mídias sociais trazem dados sobre aspectos demográficos, sociais e comportamentais dos indivíduos com volume e visibilidade de um modo anteriormente pouco imaginado até na ficção científica. Entretanto, para acessar, processar, visualizar e agir sobre estes dados, são necessárias capacitações tradicionalmente associadas a formações das áreas de Computação, Engenharia, Estatística e Matemática. Em sua maioria, cursos que formam profissionais com pouca ou nenhuma carga de humanidades e ciências sociais, infelizmente. Um dos numerati do Vale do Silício é Christian Rudder, graduado em Matemática e fundador da OkCupid, site de relacionamentos inaugurado em 2004. Rudder publicou em 2014 o livro Dataclysm: Who We Are When We Think No One’s Looking, traduzido para o português no mesmo ano.

A publicação é uma ode ao big data e análise de dados não obstrusivos armazenados sobre indivíduos em seus usos cotidianos de plataformas, websites e apps dos mais diferentes tipos. Além da proeza computacional de processamento e análise de dados de milhões de pessoas, os resultados do livro são um alerta importante: trilhões de pontos de dados sobre relacionamentos, preferências afetivas e sexuais estão disponíveis apenas para um punhado de pessoas, que detêm ou trabalham em departamentos de pesquisa de plataformas como a OkCupid. São dados fechados que apenas o próprio Rudder poderia ter acesso: o livro se baseia em dados proprietários tratados por um matemático empreendedor que deixa diversos padrões científicos e trabalho crítico sobre as informações levantadas de lado. Nenhum pesquisador acadêmico teve ou poderia ter acesso a estes dados brutos.

Assim, mesmo os pesquisadores acadêmicos de ponta criando projetos e visualização na interseção entre sociologia, filosofia e tecnologia digital estão em desvantagem. Em importante artigo sobre métodos quali-quantitativos para estudar traços digitais, Tommaso Venturini e Bruno Latour dizem que “digital mediation spreads out like a giant roll of carbon paper offering the social more data than they ever dreamt of” (VENTURINI & LATOUR, 2010, p.9). A rigor, a mediação digital oferece de fato mais dados do que jamais imaginado, mas crescentemente são concentrados de forma extrema nas bases de dados e grupo de cientistas de empresas como Facebook, Google, Amazon, Apple e Twitter.


Recomendo o trabalho de Scott Galloway e seu livro The Four sobre o tema da concentração de valor, comunicação e poder em Google, Facebook, Apple e Amazon


O conceito de Noortje Marres de “redistribuição dos métodos” é loquaz para este problema. Ao tratar do avanço de empresas comerciais de comunicação no entendimento da sociedade, Marres (2012) explica como isto interfere na relação entre sociedade, mercado, estado e academia. Os exemplos são inúmeros. Mais ainda do que o caso citado anteriormente sobre a OkCupid, empresas como Facebook mantêm departamentos de pesquisa que investigaram temas como: graus de separação entre indivíduos (BACKSTROM et al, 2012); polarização política (BASHKY et al, 2015);  e até mesmo os laços fortalecidos entre amigos de pessoas recém-falecidas (HOBBS & BURKE, 2017). Entretanto, dois casos receberam mais destaque por serem experimentais e intervenientes na realidade: interferência na probabilidade de levar americanos a votar nas eleições; e contágio emocional, alcançado através de ajustes nos algoritmos de forma não-declarada, modificando artificialmente estado emocional de mais de 680 mil pessoas no Facebook (KRAMER et al., 2014).

 

Polêmica recente na esfera político-eleitoral também tem levado representantes das plataformas ao Congresso americano. Ganha destaque sobretudo o uso do sistema de anúncios para distribuir notícias falsas a segmentos hiper-personalizados de eleitores nos EUA, para promover votos em determinados candidatos ou, mesmo, desmotivar qualquer voto de eleitores pouco prováveis[1].


Sobre o tema, o trabalho da Zeynep Tufekci pode ser resumido no TED acima. Traduzi a transcrição aqui no blog.


E quanto às organizações do setor privado, quais impactos e decisões devem ser consideradas? Como as organizações tem lidado com questões éticas sobre uso de plataformas de anúncios hiperssegmentados, automatizáveis e programáticos?

A oferta de sistemas de anúncios hiperssegmentados cresceu de forma incontrolável nos últimos 10 anos graças ao uso intenso de mídias sociais e promoção de visibilidade de características demográficas, preferências culturais e comportamentais. O sistema do Facebook, por exemplo, permite criar anúncios direcionados a pessoas através de: variáveis demográficas clássicas – como idade, gênero, localização; renda e profissões; preferências culturais quanto a músicas, artistas, literatura, extraídas de likes; tipologias de fases da vida e eventos, como divórcio recente, novo emprego, relacionamento à distância; composição familiar; e combinações de todas estas variáveis e muitas outras.

O uso destas segmentações está há poucos cliques de qualquer pessoa ou empresa. No modelo self service basta um cartão de crédito e um anúncio pode ser criado em pouquíssimos minutos. O ecossistema de atores do mercado de audiência e suas divisões claras entre os atores componentes, a saber: Organizações de Mídia; Anunciantes; Agências; Empresas de Mensuração; e Consumidores (NAPOLI, 2003). Esta indefinição de papéis associada a aceleração das decisões em um ambiente veloz e competitivo, mudando, como explica como explica Bueno, “vem alterando drasticamente o perfil tradicional das organizações empresariais. Sobretudo, tem provocado uma mudança profunda no relacionamento entre as corporações e os seus distintos públicos de interesse” (BUENO, 2000, p.50).

O papel das escolhas conscientes de corporações no uso de anúncios online é questionado em casos como o descoberto por pesquisadores que avaliaram diferenças entre anúncios voltados a homens e mulheres no Google. Ao construir um sistema automatizado de coleta de anúncios, que fingia ao sistema do Google ser diferentes homens e mulheres, os pesquisadores compararam o conteúdo patrocinado. Como principal resultado, perceberam que homens recebem muito mais anúncios de vagas de trabalho e serviços de coaching ligados a posições de maior remuneração e prestígio do que mulheres (DATTA, TSCHANTZ & DATTA, 2015). Em reportagem publicada no The Guardian[2], Samuel Gibbs explica que “profiling is inherently discriminatory, as it attempts to treat people differently based on their behaviour and personal information. While that customisation can be useful, showing more relevant ads to users, it can also have negative connotations”.

Não só pesquisadores estão acompanhando onde e como as organizações publicam mensagens e anúncios, mas também ativistas. O grupo Sleeping Giants[3] tem como objetivo “stop racist and sexist media by stopping its ads dollars. Many companies don’t even know it’s happening. It’s time to tell them”. A tática é simples e efetiva: os administradores do perfil e colaboradores podem flagrar anúncio de alguma empresa em sites de fake news de extrema-direta como o Breitbart, tirar print do anúncio e informar, geralmente através de um tweet, que o anúncio está sendo veiculado no site – ou seja, financiado as práticas nocivas e antidemocráticas.

Centenas de empresas responderam alegando não saber que seus anúncios estavam sendo veiculados naqueles sites. Possivelmente é verdade: sistemas de compra de anúncio online oferecem diferentes opções de segmentação para toda a rede de sites cadastrados e a inclusão ou exclusão de websites específicos é um processo manual raramente feito. A Sleeping Giants ainda ensina as empresas e agências dispostas a como retirar os sites das campanhas, diminuindo suas receitas possíveis.

Neste panorama complexo, ainda não há uma clara definição, regulamentação ou auto-regulamentação das grandes empresas sobre como agir quanto a práticas nocivas de uso de algoritmos e automatização nas plataformas de mídia online. O recente trabalho de Wilson (2017) é um dos poucos que problematiza o tema incluindo empresas comerciais, e não apenas governos ou instituições públicas. Quanto a governo, propõe a importância de marcos regulatórios e iniciativas como as pressões da União Européia para declaração de direitos civis sobre os dados, além de promover a pesquisa científica independente sobre inteligência artificial, automação e algoritmos.

No caso de empresas comerciais, reconhece que o grande desafio é que a maximização de lucros afeta as decisões tomadas por órgãos diretivos e departamentos de marketing, mas a atuação ética deve ser buscada. Explicitar o uso de inteligência artificial em mecanismos de interação (como bots e chatbots) é outro terreno que não está definido e práticas devem ser mapeadas. Quanto às próprias plataformas, o desenvolvimento de mecanismos de customização das mensagens recebidas (como opt out de recebimento de anúncios de determinadas empresas) já existe parcialmente e pode ser melhorado.

Adicionamos ainda a importância da compreensão abrangente e distribuída sobre os impactos das tecnologias digitais em tempos de incerteza. As organizações podem e devem incluir em seus planos de formação interna e endomarketing soluções que envolvam também a criação de consciência sobre os impactos das pequenas decisões tomadas na gestão de mídia e comunicação online. Poucos cliques podem ser a diferença entre uma gestão responsável e uma gestão suscetível a crises estrondosas.

 

Referências Bibliográficas

BACKSTROM, Lars et al. Four degrees of separation. In: Proceedings of the 4th Annual ACM Web Science Conference. ACM, 2012. p. 33-42.

BAKER, Stephen. Numerati–Conheça os Numerati. Eles já conhecem você. São Paulo: Saraiva, 2009.

BAKSHY, Eytan; MESSING, Solomon; ADAMIC, Lada A. Exposure to ideologically diverse news and opinion on Facebook. Science, v. 348, n. 6239, p. 1130-1132, 2015.

BUENO, Wilson da Costa. A Comunicação como espelho das culturas empresariais. Comunicação & Inovação, v. 1, n. 1, 2000.

DATTA, Amit; TSCHANTZ, Michael Carl; DATTA, Anupam. Automated experiments on ad privacy settings. Proceedings on Privacy Enhancing Technologies, v. 2015, n. 1, p. 92-112, 2015.

KOSINSKI, Michal; STILLWELL, David; GRAEPEL, Thore. Private traits and attributes are predictable from digital records of human behavior. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 110, n. 15, p. 5802-5805, 2013.

KRAMER, Adam DI; GUILLORY, Jamie E.; HANCOCK, Jeffrey T. Experimental evidence of massive-scale emotional contagion through social networks. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 111, n. 24, p. 8788-8790, 2014.

NAPOLI, Philip M. Audience economics: Media institutions and the audience marketplace. Columbia University Press, 2003.

TUFEKCI, Zeynep. We’re building a dystopia just to make people click on ads. TED. Ideas worth preading. Vídeo e transcrição de palestra. Disponível em https://www.ted.com/talks/zeynep_tufekci_we_re_building_a_dystopia_just_to_make_people_click_on_ads/transcript

WILSON, Dennis G. The Ethics of Automated Behavioral Microtargeting. AI Matters, vol. 3, n.3, 2017.

[1] https://www.theverge.com/2016/10/27/13434246/donald-trump-targeted-dark-facebook-ads-black-voters

[2] https://www.theguardian.com/technology/2015/jul/08/women-less-likely-ads-high-paid-jobs-google-study

[3] https://twitter.com/slpng_giants

 

Como Citar

SILVA, Tarcízio. Hipersegmentações de Publicidade na Era Algorítmica: desafio ético para as organizações. Online, 2017. Acesso em: XX/XX/XXXX. Disponível em: < http://tarciziosilva.com.br/blog/hipersegmentacoes-de-publicidade-na-era-algoritmica-desafio-etico-para-as-organizacoes >

Diversidade na publicidade da Skol: Reposter e Skolors pela ótica da análise do discurso

A revista acdêmica Tríade, do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba,  acaba de lançar edição com dossiê sobre Diversidade Cultural/Sexual e de Gênero. O dossiê inclui treze artigos sobre temas relacionados, incluindo publicação minha em parceria com a profª Elizabeth Gonçalves:

Diversidade de corpos na publicidade: o contexto interpretativo nas campanhas Skolors e Reposter da Skol no Facebook

Historicamente, a publicidade de cerveja tem explorado de forma estereotipada o corpo feminino e ignorando etnias, cores e formas fora do padrão hegemônico. Porém, está em curso um movimento de buscar uma ressignificação dos corpos como estratégias publicitárias. O artigo explora o uso de comentários na plataforma Facebook como insumos para investigação de  contexto  interpretativo  previsto  e  reapropriado  por  enunciadores corporativos pautados pelo dialogismo pressuposto nas mídias sociais. Como estudo de caso, cruzamos o debate discursivo quanto à representação dos  corpos  na  publicidade  através  da  tentativa  de  reposicionamento  do imaginário em torno das campanhas da Skol: Reposter e Skolors. A partir da extração de dados (37 mil comentários e 17 mil respostas, assim como suas métricas) em postagens de campanha na página oficial da marca, o texto se debruça sobre os comentários de maior repercussão e as decorrentes respostas para discorrer sobre as táticas discursivas da empresa. O estudo também  sublinha  como  o  ambiente  on  line  propicia  elementos  para  ser explorado  tanto  comercialmente  quanto  nas  pesquisas  acadêmicas  no âmbito da Comunicação, trazendo insumos contextuais para a interpretação de sinais explícitos de recepção do público.

 

Como estudar audiências televisivas com as mídias sociais?

Em outubro aconteceu na Universidade Federal Fluminense o I Congresso TeleVisões, que reuniu centenas de pesquisadores que estudam narrativas seriadas como novelas e séries, representações e identidade nos produtos, novas mídias, convergência, mercado televisivo, mídias sociais, fãs, cultura sonora e outras temáticas relevantes.

Eu e Eloy Vieira, pesquisador doutorando na Unisinos, submetemos ao evento artigo que apresenta metodologia para o estudo de fãs no Twitter, com aplicações possíveis a diversos tipos de públicos e audiências. Depois da contextualização dos estudos sobre fãs nas mídias sociais, propomos 4 etapas (entrada, planejamento, análise e apresentação) que vão da imersão no tema e escolha inteligente de keywords e modos de observação até a construção de personas e visualização de resultados.

O artigo chama-se “Fãs, Consumo Cultural e Segunda Tela: proposições metodológicas acerca das audiências no Twitter

Resumo: O presente artigo organiza procedimentos metodológicos para o estudo de hábitos e características comportamentais de fãs imersos no fenômeno da segunda tela. Para isso, partimos do conceito de cultura da convergência, que engendrou estudos de comunidades de fãs (JENKINS, 2009) e então apresentamos uma proposta que visa compreender as imbricações entre fãs e segunda tela no Twitter a fim de atender demandas acadêmicas e mercadológicas acerca deste assunto. A proposta é construída a partir da coleta de dados baseadas em um arranjo quali-quantitativo de Análise de Redes Sociais e prevê quatro fases: Planejamento, Entrada, Análise e Apresentação.
 Clique para acessar o artigo completo:

A pesquisa de campo experimental Perecquiana

Em Georges Perec’s experimental fieldwork; Perecquian fieldwork, publicado em dezembro de 2016 na revista Social & Cultural Geography, o pesquisador Richard Phillips da University of Sheffield aborda a pesquisa de campo experimental a partir das propostas do escritor Georges Perec. Para Phillips, “Perec antecipa e informa temas chave em pesquisa de campo contemporânea – uso do lúdico, atenção ao ordinário e escrita como prática de pesquisa – e a abordagem ensaística que apoia cada uma destas”.

O autor cita diversos modos experimentais de pesquisa nos quais se propõem aos leitores realizar trabalhos de campo, como How to be an Explorer of the world e The lonely planet guide to experimental travel; e trabalhos relacionados a geografia com proposições de observação urbana relacionados a modos de selecionar e agrupar atividades, objetos e lugares.

Propõe que as abordagens mais sistemáticas são fruto das perspectivas que se baseiam no Situacionismo e, portanto, vai comparar a perspectiva situacionista com a abordagem de Perec, defendendo que a aplicação mais estruturada de leituras do autor pode ser ainda mais útil. Phillips defende no artigo que o trabalho de Perec, apesar do próprio tratar de alguns de seus livros como “sociológicos” seria eminentemente geográficos. Na França dos anos 60 e 70, evidentemente, a sociologia estava mais em voga, daí a aproximação mais clara. Porém, tanto o Tentativa de Esgotamento de um Local Parisiense como o próprio Species of Spaces além de conceitualmente estar mais próximos da geografia, também trazem a questão do espaço no título.

Phillips sugere que Perec antecipou três tendências no trabalho de campo experimental: o lúdico; a exploração de locais ordinários; e a escrita como prática de campo.

Quanto ao trabalho de campo lúdico, em contraposição ao trabalho de campo ortodoxo e mecanicista, a aproximação ao lúdico e ao jogo trouxeram frescor à exploração urbana. Apesar das regras e restrições impostas pela literatura experimental de Perec, sobretudo relacionadas aos projetos como OuLiPo, eram regras e restrições fluídas. Estão presentes o uso criativo de listas, índices, referências acadêmicas fictícias e propostas implícitas de replicação de experimentos.

Sobre a exploração de locais ordinários, livros como o Tentativa se destacam do ponto de vista da observação e descrição de um cotidiano ordinário, mas o próprio livro Vida: Modo de Usar também aplica, para produzir ficção, recursos similares. Ao descrever cada ambiente de um prédio, assim como suas histórias, em um quebra-cabeça narrativo, Perec aproxima o projeto do narrador a ideia de levantamento ou censo, incluindo desta vez as relações entre as unidades habitacionais. Os exercícios de descrição do ordinário pro’curam gerar reencantamento do já conhecido, de modo similar à proposta de Merleau-Ponty citada pelo autor ‘the act of describing the world undoes its familiarity to produce wonderment”

E ver a escrita como prática de pesquisa de campo, para Perec, passa por pensar minuciosamente e criativamente como a própria documentação e escrita será realizada. As notas de pesquisa e descrições – sejam narrativas, ensaísticas ou ‘densas – podem ser pensadas como “flat” (em “writing flatly”), que seria descrever o observado sem adicionar julgamento, camadas simbólicas ou evocações sociais, teóricas ou históricas. Entretanto, esta tentativa é aprioristicamente fadada ao fracasso parcial, pois uma escrita totalmente “factual, simple, descritive, unvarnished, empirical” é impossível de ser alcançada. A tentativa, porém, é um exercício de exploração da pesquisa. O autor propõe que

writing is fundamental to another feldwork practice: the identifcation of individual observations with classes of things and actions through categories and classes, categorisation and classifcation. Perec used lists and inventories to explore the taxonomies that are commonly deployed in the experience and interpretation of the everyday

Na conclusão o autor revisita o impacto de Georges Perec em métodos etnográficos, observação de massa e técnicas de pesquisa de mercado. A tradição “perecquiana” de pesquisa, impulsionada pelo resgate e reapropriação de suas obras, poderá nos levar para prosseguirmos experimentalmente, tentativamente, ensaisticamente.

 

Referências

PHILLIPS, Richard. Georges Perec’s experimental fieldwork; Perecquian fieldwork. Social & Cultural Geography, p. 1-21, 2016.

PEREC, Georges. A vida modo de usar. Editora Companhia das Letras, 1989.

PEREC, Georges. Tentativa de Esgotamento de um Local Parisiense. São Paulo: Editorial Gustavo Gili, 2016.

SMITH, Keri. How to be an explorer of the world: portable life museum. Penguin, 2008.

Pesquisa acadêmica: o caminho para a evolução da análise de dados no mercado

A fatia da população brasileira com ensino superior ainda é absurdamente pequena. O gráfico abaixo compara dados de 2014 da OECD, mostrando a fatia da população entre 25-64 anos com ensino superior. Apesar da relativa evolução na última decada, o Brasil conseguiu formar apenas 14%, nesta lista à frente apenas de Indonésia e China (que, devido a sua população gigantesca, acaba por ter várias vezes o número de formados que o Brasil). Japão, Rússia, Canadá e EUA superam 50%.

populacao-com-ensino-superior

Apesar desta triste realidade, são comuns os discursos que menosprezam o papel das universidades e da formação e pesquisa acadêmicas no país, sobretudo entre parte do mercado ligado à publicidade. Lembro como, no ano passado, uma matéria sobre o papel da graduação na formação de bilionarios viralizou no meio. Seu título era “Você vai se surpreender quando descobrir qual graduação mais forma bilionários” e supostamente surpreendia o leitor ao mostrar que, na verdade, na frente de cursos de Business e Engenharia, estava simplesmente a opção “Nenhuma”. O estudo mostrou que 32% dos bilionários americanos levantados não se formaram, contra 68% que se formaram em alguma graduação. Este dado foi visto como indicador, no discurso neoliberal, de que graduação não é sinônimo de “sucesso”.

materia-bilionarios

Uma das versões da reportagem.

A ironia é que cruzar dados é justamente algo que pode ser aprendido em graduações. Os dados da OECD também mostram que 45% da população americana, onde está a maioria dos bilionários, se formou. Ou seja, 55% não se formaram contra 32% dos bilionários. Bastaria ter um pouco de repertório crítico-analítico para ver que os dados da matéria mostram que os ricaços são mais educados formalmente que a média da população. E isto sem falar de todas as variáveis sistêmicas que explicam sua riqueza.

Em novembro foi publicada a pesquisa Perfil dos Profissional de Inteligência em Mídias Sociais, desenvolvida por Ana Claudia Zandavalle.  Como comentei nos resultados do ano passado, a pesquisa mostra importante fatia de pós-graduandos neste mercado, com salário muito maior que a média.

Também curioso é que grande parte destes profissionais estão alocados em agências de publicidade, que em peso “ignoram” a formação acadêmica. Mas, nas áreas de monitoramento, business intelligence e métricas, profissionais com formação acadêmica densa se destacam. Estes profissionais se destacam nas agências por capacidades adquiridas na universidade ou através de procedimentos de investigação aprendidos em grupos de pesquisa – mas as agências subestimam a formação. Ou, pior: as desmotivam publicamente.

Já no recorte do “mercado de mídias sociais”, que cerca de 8 anos atrás ainda era uma grande novidade, um fenômeno curioso aconteceu. De um lado, predominava o discurso de que as mídias sociais eram algo “novo” e por isto as formações existentes não dariam conta de suas especificidades. Balela, claro, pois decisiva mesmo é a formação em comunicação, psicologia social, linguística e disciplinas ligadas a interação humana, e não aprender a apertar botão ou onde ficam as funcionalidades na interface do Facebook. E ao mesmo tempo, por ser um mercado percebido como novo e que não requer inicialmente muito mais que um computador, as barreiras de entrada eram mínimas. Então centenas de agências surgiram neste período, diversas delas criadas por graduandos.

Foi o meu caso. Criei com amigos uma agência em 2008, quando ainda estava acabando a graduação. O ambiente propício foi a excelência acadêmica da UFBA em um laboratório com apoio externo, do mercado. Desde então, além desta agência, ao menos quatro agências/institutos nasceram das mãos daqueles ex-bolsistas. E a maior parte continua desenvolvendo, também, pesquisa acadêmica.

Entretanto, estas parceiras público-privadas em pesquisa & desenvolvimento são raras em comunicação no Brasil. Sobretudo devido ao desinteresse das empresas em retornar o que recebem direta e indiretamente das universidades e do Estado. A desvalorização da formação acadêmica em alguns meios da comunicação se intensificou ainda mais com as narrativas em torno de figuras como Steve Jobs e Mark Zuckerberg.

quatro-gigantes-da-tecnologia

Porém, a maior parte deste discurso deixa de lado a relevância do papel das universidades no início da criação de empresas como Microsoft, Apple e Facebook; deixam de lado o quanto estas empresas contratam cientistas; e como elas próprias desenvolvem estruturas que copiam as universidades. Este discurso comumente vem casado com a velha demonização do papel do estado. Mas como mostra a consultora italiana Mariana Mazzucato no excelente livro O Estado Empreendedor, mesmo a Apple deve seu sucesso ao investimento em pesquisa de base que o liberal Estados Unidos faz:

Em suma, “descobrir o que você gosta” enquanto continua sendo “louco” é muito mais fácil em um país em que o Estado desempenha um papel fundamental, assumindo o desenvolvimento das tecnologias de alto risco, fazendo os investimentos iniciais, maiores, mais arriscados e depois sustentando-os até que os atores do setor privado, em um estágio muito mais adiantado, apareçam “para brincar e se divertir”. Assim, enquanto os especialistas do “livre mercado” continuam a alertar para o perigo de o governo “escolher vencedores”, pode-se dizer que várias políticas governamentais americanas lançaram as bases que deram à Apple os instrumentos para se tornar um dos principais integrantes de uma das indústrias mais dinâmicas do século XXI.

Mas, para além desta discussão, chegamos a um momento crucial na relação da comunicação com práticas científicas. A “era do big data” e a metrificação de (quase) tudo requerem mais ciência, mais análise, mais dados, mais rigor, mais ferramentas, mais P&D. Tanto o desenvolvimento do mercado como um todo quanto dos indivíduos interessados em atuar nesta área passa por mais especialização e ciência, não menos. É hora do mercado se atualizar e ver que os cientistas acadêmicos pesquisam e aplicam há décadas inovações que a maioria das empresas nem sonham.

Promover e defender a ciência brasileira é muito importante, sobretudo no atual momento. Se você que lê este texto atua e/ou possui algum tipo de impacto no mercado da comunicação, espero que este texto possa te tocar para fazer parte desta compreensão. Não consigo entender como um brasileiro não se choque com aquele gráfico lá no topo do post. Precisamos atuar para expandir o acesso a universidades no país e sua efetiva democratização. Do ponto de vista do “mercado”, mesmo sem pensar em motivos mais nobres, este perde em muito em não consumir e disseminar a pesquisa acadêmica.

Se você é estudante e está lendo o blog para aprender algo novo, saiba que o caminho pode passar pela junção rigorosa dos diversos mundos de conhecimentos e práticas. Leia, procure, atue, pesquise, se aproprie, transforme, ensine e leve suas experiências para a universidade e para outras pessoas.

Mas por mais válida que seja esta minha crítica em si, podemos ir além e tentar afetar o mercado de forma positiva. Recentemente lançamos mais um livro gratuito (é meu quinto) e hoje trago outra novidade relacionada ao tema que discuto aqui. Fizemos a curadoria de uma lista de 100 pessoas do Brasil e do mundo que publicam conhecimento sobre Pesquisa e Monitoramento de Mídias Sociais. Isto resultou em mais de 1 mil links de artigos, vídeos, entrevistas, ferramentas e tutoriais:

100-fontes-de-monitoramento

Com uma listagem destas, é impossível dizer que há pouco conhecimento acadêmico sobre o assunto ou alegar que não o encontra.

Vamos estudar e aplicar juntos?